TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 18/04/2021 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 CULTURE & COMMUNICATION 
CULTURE & COMMUNICATION / A vida entre capa e contracapa dos Furiosos Anos 20, livro novo
Date of publication at Tlaxcala: 14/03/2021
Original: Our lives between the covers of the Raging Twenties: new book
Translations available: Français  Deutsch 

A vida entre capa e contracapa dos Furiosos Anos 20, livro novo

Pepe Escobar Пепе Эскобар پپه اِسکوبار

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Estou com livro novo na praça, Raging Twenties: Great Power Politics Meets Techno-Feudalism. Quem não use Amazon, encontra aqui um miniguia para encomendar e comprar o livro.

A jornada de um livro até seus leitores é sempre processo idiossincrático, misterioso e fascinante. Permitam-me aqui uma apresentação, extraída da introdução do livro, para delinear a cena.

Os Furiosos anos 20s começaram com um assassinato: um míssil matou o general Soleimani no aeroporto de Bagdá, dia 3 de janeiro. Quase simultaneamente, aquela letalidade geopolítica foi amplificada, quando um vírus testou seus mísseis microscópicos contra toda a humanidade-alvo.



O Triunfo da Morte, afresco de artista desconhecido, Palazzo Abbatelli, Palermo.

Dali em diante, tem sido como se o tempo tivesse parado – ou implodido. Não se consegue nem começar a imaginar as consequências da ruptura antropológica causada pelo SARS-CoV-2.

Ao longo do processo, a linguagem passou por metástase, que fez surgir uma cesta de novos conceitos. Circuit breaker. Biossegurança. Circuitos de retroalimentação negativa. Estado de exceção. Necropolítica. Neobrutalismo. Fascismo híbrido. Novo paradigma viral.

Essa nova terminologia acompanha o delineamento de um novo regime de produção, de fato um modo híbrido de produção: turbo-capitalismo rearranjado como capitalismo rentista 2.0, no qual as gigantes do Vale do Silício assumem o lugar dos estados e do Estado. É a opção “tecnofeudal”, como definida pelo economista Cédric Durand.[1]

Exauridos e intoxicados por informação que opera como dominatrix, temos sido expostos a novo mapa de Dystopia – embalado como algum “neonormal” tomado por dissonância de cognição, paradigma de biossegurança, inevitabilidade do trabalho à distância, distanciamento entre os cidadãos como programa político, infovigilância e trans-humanismo triunfante.

Ao choque econômico em curso foi sobreposto um choque sanitário – pelo qual a financeirização sempre tem precedência sobre a economia real.

Mas então se ofereceu centelha de futuro mais róseo, rumo a “capitalismo mais inclusivo”, sob a forma de Great Reset [‘grande reinício’], concebido por minúscula oligarquia plutocrática devidamente autodesignada “Salvadora”.

Todos esses temas movimentam-se ao longo de 25 pequenos capítulos desse livro, interagindo com o tabuleiro geopolítico mais amplo.

O SARS-CoV-2 acelerou o que já era movimento em direção à Ásia, do centro do poder mundial.

Desde a 2ª Guerra mundial, grande parte do planeta vivia como engrenagens de um sistema tributário, com o hegemon constantemente transferindo para si mesmo riqueza e influência – mediante o que o analista Ray McGovern descreve como SS (security state), Estado de Segurança, que dá vida à vontade do Complexo MICIMATT (Militar-Industrial-Congressional-Inteligência-Mídia-Academia-Think-Tanks).

Esse sistema-mundo está irrecuperavelmente evanescendo – especialmente por efeito de interpolações da parceria estratégica Rússia-China. E aí está o outro tema sempre presente desse livro.

Como proposta para escapar de nosso show de excessiva hiper-realidade, o livro não dá receitas, mas trilhas: configurações onde não há grandes planos, mas múltiplas vias de entrada e múltiplas possibilidades.

As trilhas são costuradas à narrativa de uma possivelmente emergente nova configuração, ancoradas a um ensaio que leva o título de Eurasia, The Hegemon and the Three Sovereigns [literalmente “Eurásia, o Hegemon e os Três Soberanos”].

Num diálogo corrente, terão Michel Foucault conversando com Lao Tzu, Marcus Aurelius conversando com Vladimir Putin, filosofia que conversa com geoeconomia – e sempre no esforço para diluir a interação tóxica de Neo-Grande-Depressão com variações de uma Guerra Fria 2.0.

Com exceção do ensaio de ancoragem, trata-se de uma série de colunas, organizadas cronologicamente, publicadas originalmente por Asia Times e também por Consortium News/Washington D.C., e por Strategic Culture/Moscou, amplamente republicadas e traduzidas por todo o Sul Global.

Vêm de um nômade global. Desde meados da década dos 1990s tenho vivido e trabalhado entre (quase sempre) Oriente e Ocidente. Com exceção dos dois primeiros meses de 2020, passei a maior parte dos Furiosos Anos 20s na Ásia, em terra budista.

Assim, vocês sentirão que as palavras têm inescapável odor budista, mas em alguns aspectos até mais taoísta e confucionista. Na Ásia aprende-se que o Tao transcende tudo, ao prover serenidade. Há muito que podemos aprender do humanismo taoísta, sem necessidade de metafísica.

2021 pode ser até mais feroz que 2020. Nem por isso estaríamos condenados a nos perder numa selva de espelhos, se se sabe que, como escreve Pound:

a tawdry cheapness / shall reign throughout our days.[2]
[aprox. “um baixo preço charlatão / reinará ao longo de nossos dias”]


O “segredo” oculto desse livro pode ser na verdade um anseio – de que saibamos mobilizar nossa força interior e escolher uma trilha taoísta, para montar na baleia.

Novo livro de Pepe Escobar, Raging Twenties: Great Power Politics Meets Techno-Feudalism. Pepe está em Telegram.

NTs

* Livro ainda sem edição em português. Tradução literal do título pode ser, dentre outras possibilidades: “Furiosos Anos 20: Política das grandes potências encontra o tecnofeudalismo”.

[1] Em Technoféodalisme, publicado [em outubro] na França (ainda sem edição em inglês) [NTs].

[2] EZRA POUND, Hugh Selwyn Mauberley [Part I], 1920.





Courtesy of Bacurau
Source: https://asiatimes.com/2021/03/our-lives-between-the-covers-of-the-raging-twenties/
Publication date of original article: 11/03/2021
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=31038

 

Tags: Furiosos Anos 20Pepe Escobar
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.