TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 06/03/2021 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / Xi e Putin: Ganha-ganha ganha; soma-zero perde
Date of publication at Tlaxcala: 04/02/2021
Original: XI and Putin make the case for win-win vs. zero-sum
Translations available: Deutsch  Français 

Xi e Putin: Ganha-ganha ganha; soma-zero perde

Pepe Escobar Пепе Эскобар پپه اِسکوبار

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Assim é que a Agenda Davos como veio, foi-se.

Foi a pré-estreia virtual do Grande Reinício/Grande Recomeço/Great Reset, cujo anfitrião foi o acólito de Kissinger e oráculo do Fórum Econômico Mundial (FEM) Herr Klaus Schwab.

Apesar de já ser passado, ditos “líderes” empresariais/políticos continuarão a falar bonito sobre a Quarta Revolução Industrial – ou sobre desdobramentos suavizados dela, como Build Back Better [Reconstruir, melhorado], slogan favorito dos novos inquilinos da Casa Branca.

Copatrocinadores do FEM – de ONU e FMI a BlackRock, Blackstone e Grupo Carlyle – continuarão a expandir sua sincronicidade com Lynn Forester de Rothschild e seus pesos-pesados corporativos, no Conselho para um Capitalismo Inclusivo com o Vaticano e Papa Francisco ao timão.

E, sim, aceitam Visa.

Previsivelmente, os dois eventos realmente cruciais em Davos receberam mínima ou nenhuma cobertura no trôpego ocidente: os discursos do presidente Xi (aqui, traduzido) e do presidente Putin (aqui, traduzido).

Já destacamos, comentados, pontos centrais da fala de Xi. À parte a argumentação potente a favor do multilateralismo como único roteiro possível para lidar com desafios globais, Xi destacou que nada de substancial pode ser obtido, sem que se reduza o fosso de desigualdade que separa Norte e Sul.

A melhor análise em profundidade do extraordinário discurso de Putin [aqui, traduzida] chegou-nos, sem qualquer dúvida, vinda de Rostislav Ishchenko, que tive o prazer de conhecer em Moscou em 2018.

Ishchenko destaca como, “Em termos de escala e impacto sobre processos históricos, é feito mais impressionante que as Batalhas de Stalingrado e Kirsk combinadas.” O discurso, Ishchenko observa, foi totalmente repentino, inesperado, como foi repentina e inesperada a impressionante intervenção de Putin na Conferência de Segurança de Munique em 2007, “a derrota esmagadora” imposta à Geórgia em 2008, e a reintegração da Crimeia em 2014.

Ishchenko também revela informação que o ocidente jamais confirmará: “80 das pessoas mais influentes do planeta ouviram e não riram na cara de Putin, como riram em Munique 2007. Em silêncio, sem levantar poeira, imediatamente depois do discurso à ‘Agenda 2021’, rapidamente se organizaram em fila, para conferência a portas fechadas com... a Rússia’.

A importante referência que Putin faz aos sinistros anos 1930s – “a incapacidade e a falta de disposição para encontrar soluções substantivas para problemas como esse levaram, no século 20, à catástrofe que foi a Segunda Guerra Mundial” – veio com um alerta de bom senso: a necessidade de evitar que as Big Tech ocupem a política global: “Essas empresas não são meros gigantes econômicos. Em algumas áreas, essas empresas competem, de fato, contra os Estados.”

Os discursos de Xi e de Putin foram de fato complementares – ao enfatizarem o desenvolvimento sustentável, ganha-ganha para todos os atores, especialmente no Sul Global, combinado com a necessidade de um novo contrato sociopolítico nas relações internacionais.

Esse movimento deve ter base em dois pilares: soberania – isto é, o velho bom modelo de Westfalia (não alguma “governança” mundial hipercentralizada por efeito de algum Grande Reinício/Transformação); e desenvolvimento sustentável impulsionado pelo avanço tecno-científico (não algum tecno-feudalismo).

O que Putin-Xi propuseram foi, de fato, um esforço concertado para expandir para todo o Sul Global, os fundamentos da parceria estratégica Rússia-China: a escolha crucial que se tem pela frente é entre ganha-ganha e o jogo de soma zero Excepcionalista.

‘Mude o regime daquele comunistinha’

O mapa do caminho de Xi-Putin já está sendo examinado detalhadamente por Michael Hudson, por exemplo nesse ensaio (ing.) baseado no primeiro capítulo de seu livro a ser lançado em breve Cold War 2.0: The Geopolitical Economics of Finance Capitalism vs. Industrial Capitalism. Michael e eu discutimos muitos desses temas em recente conversa/entrevista [aqui, traduzida].

Todo o Sul Global começa a perceber que não poderia haver contraste mais visível e claro entre o modelo norte-americano – neoliberalismo redux, na forma de turbo-financeirização – e o investimento produtivo no capitalismo industrial no Leste da Ásia.

Alastair Crooke delineou o duvidoso ‘apelo’ do modelo norte-americano, incluindo “mercados de ativos (...) que perderam quaisquer conexões que os ligassem a retornos econômicos”; mercados que “não são livres, mas gerenciados pelo Tesouro”; e “capitalismo empresa (...) metamorfoseado em oligarquismo monopolista”.

O contraponto mais flagrante a Xi-Putin em Davos foi o chamado “documento estratégico” distribuído pelo Atlantic Council, think-tank da OTAN, e pomposamente intitulado The Longer Telegram [lit. O Telegrama Mais Longo], como se fosse tão importante quanto o Long Telegram [lit. Telegrama Longo] de George Kennan, em 1946, que propôs a contenção da URSS.

Bem, o mínimo que se pode dizer do anônimo “ex-alto funcionário do governo com profunda expertise” sobre China é “Sr. Anônimo, o senhor não é George Kennan”. No máximo, algum sub-Mike Pompeo com ressaca-monstro.

Entre um tsunami de platitudes, aprende-se que a China seria “potência revisionista” que “apresenta sério problema para todo o mundo democrático”; e que a liderança chinesa alcança melhor resultado e opera melhor “dentro da ordem liberal internacional liderada pelos EUA, do que construindo ordem rival”.

A mistura tóxica corriqueira de arrogância e condescendência entrega totalmente o jogo, que se resume em “conter a China e impedi-la de ultrapassar linhas vermelhas dos EUA” e em aplicar o bom velho “divide e governa” Kissingeriano entre Rússia e China.

Oh, e não esqueçam a mudança de regime: se a “estratégia” funciona, “Xi será, no momento adequado, substituído pela forma mais tradicional de liderança do Partido Comunista.”

Se isso é o que se faz passar por poder de fogo intelectual em círculos Atlanticistas, Pequim e Moscou nem precisam de inimigos.

O centro asiático de gravidade

Martin Jacques, atualmente professor visitante na Universidade Tsinghua e senior fellow no Instituto China da Universidade Fudan, é um dos poucos ocidentais que realmente tem “expertise” importante sobre China.

Atualmente, sua atenção está focada no principal campo de batalha do confronto que se desenrola entre EUA-China: a Europa. Jacques observa que “a tendência na direção de ampliar a distância entre Europa e EUA será lenta, tortuosa, cheia de conflitos e dolorosa”. Agora estamos “em território novo. O declínio norte-americano significa que os EUA têm cada vez menos a oferecer à Europa.”

Por exemplo, veja-se um traço típico da Iniciativa Cinturão e Estrada/Novas Rotas da Seda e um de seus nodos-chaves, o Corredor Econômico China-Paquistão, CECP: a Rota da Seda Digital.

Em parceria com a Huawei, está sendo instalado um cabo de fibra ótica que cruza todo o Paquistão – como vi, eu mesmo, quando viajei pela Rodovia Karakoram, e trecho norte do CECP. Esse cabo de fibra ótica que vai da Karakoram ao Baloquistão, será conectado ao cabo submarino Conecta Europa Paquistão-Leste da África (ing. cabo submarino PEACE, Pakistan-East Africa Connecting Europe) no Mar da Arábia.

O resultado será conectividade final entre várias das nações que participam da Iniciativa Cinturão e Estrada e a Europa – com o trecho mediterrâneo já em processo de instalação, ligando o Egito à França. Antes do fim de 2021, todos os 15 mil quilômetros de cabo de fibra ótica estarão implantados.

Isso mostra que a Iniciativa Cinturão e Estrada não trata só de construir estradas, barragens e redes de ferrovias de alta velocidade, mas especialmente trata da Rota da Seda Digital, intimamente conectada com o estado da arte da cibertecnologia chinesa.

Não surpreende que Jacques compreenda tão claramente o modo como “a força gravitacional da China e da Ásia, em termos mais gerais, está atraindo a Europa para o Oriente. Nada ilustra melhor esse fenômeno que a Iniciativa Cinturão e Estrada proposta pela China.”

Em ReOrient: Global Economy in the Asian Age, livro extraordinário publicado nos idos de 1998, o falecido, grande Andre Gunder Frank desconstroi exaustivamente o Eurocentrismo, demonstrando o modo como a ascensão do Ocidente não passa de ‘piscadela’ na história, e consequência do declínio do Oriente à altura de 1800.

Agora, só dois séculos adiante, o centro de gravidade do planeta volta para a Ásia, onde sempre esteve durante a maior parte da história conhecida. O destino dos cegos à evidência e incapazes de se adaptar é autotelegrafarem-se diretamente para a completa irrelevância.

 

 

Versão portuguesa





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://asiatimes.com/2021/02/xi-putin-make-the-case-for-win-win-vs-zero-sum/
Publication date of original article: 02/02/2021
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=30719

 

Tags: Agenda de DavosFórum Econômico Mundial (FEM)Xi JinpingPutinChinaRússia Iniciativa Cinturão e EstradaNovas Rotas da Seda
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.