TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 28/11/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 EUROPE 
EUROPE / “Fim de relações entre Rússia e União Europeia? OK. Se é o que querem... Que seja”
Date of publication at Tlaxcala: 01/11/2020
Original: Break in relations with the EU? – ‘If this Is the way they want it, so be it’
Translations available: Français 

“Fim de relações entre Rússia e União Europeia? OK. Se é o que querem... Que seja”

Alastair Crooke

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Wolfgang Munchau, de Euro Intelligence, sugeriu recentemente que a UE erra por só ouvir a própria câmara de eco (e sempre a mesma única opinião). Munchau referia-se ao modo como Boris Johnson foi tratado com desdém quando buscou um acordo “que estivesse à vista” na cúpula da UE este mês. O Conselho afirmou que não apenas “não havia acordo à vista”, mas que as negociações sequer seriam aceleradas e, ainda mais, se manteve rigidamente preso às suas três linhas vermelhas, “não negociáveis”.


Angie, BoJo e Manu, vistos por  Steve Bell, The Guardian,  Ag. 2019

Posteriormente, Macron declarou arrogantemente que o Reino Unido tinha de “se submeter” às “condições” do bloco – “Ninguém aqui preferiu o Brexit”.

Ao que Boris retrucou asperamente: “Nesse caso, não faz sentido conversarmos.”

Munchau observou ironicamente que o maior risco para qualquer negócio “é quando você repete para si mesmo que o outro lado precisa ‘disso’ mais do que você”. Charles Michel, Presidente do Conselho Europeu, deixou claro o que seria ‘isso’, na visão do Conselho: são os “majestosos, vastos e diversificados mercados da EU”.

“A UE tem um mês para fazer Emmanuel Macron engolir essa sua ideia intelectualmente preguiçosa. A UE não deve basear sua estratégia de negociação na noção de que Johnson se dobrará. Talvez sim, talvez não” – observou Munchau.

Bem, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Lavrov, claramente compartilha da análise geral de Munchau. Falando ao Clube Valdai semana passada, Lavrov disse : “Quando a União Europeia fala como se fosse superior, a Rússia se pergunta: podemos ter negócios com a Europa?”

“Quanto às pessoas responsáveis pela política exterior no Ocidente e que não compreendem a necessidade de conversa mutuamente respeitosa – talvez devamos deixar de nos comunicar com elas por algum tempo. Especialmente porque Ursula von der Leyen [atual presidenta da Comissão Europeia] diz que a parceria geopolítica com as atuais autoridades russas não estaria dando qualquer resultado. Que seja, se é o que querem” [concluiu].

Contudo, e significativamente, não foi Boris Yeltsin quem empreendeu os maiores esforços para alcançar a integração da Rússia no espaço europeu. Foi o presidente Putin, durante o primeiro mandato, no início dos anos 2000, até pelo menos 2006. Indiretamente, Lavrov só reconhecia e fazia ver o quanto as coisas pioraram. Com efeito, o ministro russo simplesmente declarou o que todos já sabiam: que já não existe aquele quadro de antes, para as relações Rússia-UE. Nessas circunstância, o que restaria a ser discutido?

Não é assunto pequeno ou pouco importante. Se Merkel e a UE mudaram de ideia e tomam agora a integração da União como prioridade superior às boas relações com a Rússia, nesse caso todos os velhos preconceitos anti-russos da Europa Oriental – principalmente os da Polônia – devem ser ‘atendidos’. É o que está acontecendo e significa a solidificação da Europa em posição ‘assertiva e contra’ Rússia, China e seus parceiros estratégicos. E se a Alemanha volta a aspirar à antiga proeminência que teve na e sobre a Europa, as tensões com a Rússia (e, portanto, com a China) crescerão. A Europa se autodefinirá como o ponto médio entre dois polos antagônicos, um a Leste, outro a Oeste –, sem ser “amiga” de nenhum deles.

Dia 14 de outubro, um dia depois – por coincidência, ou não –, o presidente Xi simbolicamente visitou uma fábrica de microchips, e disse que a China vencerá a guerra tecnológica, e conduzirá o mundo rumo ao multilateralismo. Depois, no mesmo dia, o Presidente Xi visitou uma base da Marinha, e apelou aos militares chineses para “colocarem toda a mente e todas as energias na preparação para a guerra”.

A China não quer guerra, enfatizou o presidente chinês, mas aceitou que possa acontecer. E, finalmente, no aniversário de 40 anos da Zona Econômica Especial de Xenzhen, Xi falou de mudanças globais em andamento: O status quo não pode continuar, e “às vezes é preciso falar grosso para que o Ocidente ouça”.

A seu próprio modo mais discreto, o presidente Xi simplesmente fazia eco a Lavrov – sublinhando também que já não existe o quadro anterior para as relações China-ocidente. O mesmo aparecia implícito, quando Xi disse que queria que a nova postura da China fosse endossada no Pleno do PCC, no final de outubro, para que ninguém acusasse a China de tentar alguma ‘jogada’ política em relação ao hoje ainda futuro presidente dos EUA.

Parece que aqui há uma mensagem muito clara para a UE. Mas estarão ouvindo? Embora a Europa tenha “cartas” para jogar, é arrogância presumir que todos se “submeterão” às “condições” e valores europeus, só para não perder acesso aos mercados da UE.

Sim, de fato há um grande ‘mercado’ europeu, mas também há lacunas muito óbvias: nada de plataformas em nuvem; pouco investimento em telecomunicações e 5G (particularmente na Alemanha); nenhuma segurança do fornecimento de energia a custo acessível; e nada de plataformas de mídia social que rivalizem com as dos EUA ou da China. A China tem o dinheiro e o know-how que os EUA não podem prover.

A Europa tem bolsões de expertise (como em IA e no setor aeroespacial), mas nenhuma Big Tech. E em termos de gastos com P&D em tecnologia, a UE é peixe pequeno. A Europa precisa desesperadamente da colaboração chinesa (e russa) em tecnologia para participar da ‘Nova Economia’. Mas os EUA querem que a UE separe-se completamente da tecnologia chinesa e russa...

Este é o ponto: os EUA planejam atualmente uma estratégia de amplo espectro para isolar e enfraquecer China e Rússia. Nada de novo. É reprise da longa ‘anglo’ vendetta contra a Rússia, e tentativa de estender as políticas de ‘Rede Limpa’ e ‘Caminho Limpo’ anti-China, de Pompeo, para a Europa. O termo ‘limpo’, é claro, significa ‘bloqueio’ de toda e qualquer tecnologia chinesa – exclusão completa. Os EUA ‘pedem’ muito à Europa, que já vive sob a sombra da recessão. Mesmo assim, é provável que a Europa obedeça (em grande parte).

Mas visto de ponto de vista num giro de 180° – da perspectiva da Rússia e da China – é improvável que sua relação limitada e tensa com os EUA melhore, vença quem vencer mês que vem em Washington. O animus dos EUA contra a Rússia continuará, sem qualquer mudança. E quanto a Pequim, caso Biden ganhe (Biden é antigo inimigo da Huawei), a China espera pouca mudança, além de revisão em algumas táticas. Pequim acredita que Biden usará o multilateralismo mais para reunir os aliados dos EUA, numa Frente Unida contra a China, do que como compromisso genuíno de levar em consideração as opiniões da Europa.

Victoria Nuland de Obama expressou claramente a visão daquele governo (falando da Ucrânia): “F**a-se a UE!”

É realista esperar que Alemanha e Europa resistam às pressões dos EUA? Com certeza Merkel ainda deseja [o gasoduto] NordStream 2. E a Alemanha falhou miseravelmente ao não investir em telecomunicações – e precisa da Huawei. Outra tecnologia importante (e o financiamento para apoiá-la) que só a China tem a oferecer. Não há substitutos. Ainda assim, o ódio e a aversão das euro-elites contra Trump, e a certeza convicta com que esperam a vitória de Biden, provavelmente as estimularão a tentar recriar a ordem multilateral com Washington à frente, caso os democratas vençam.

Significa que as pressões sobre a Europa, para que adote postura anti-Rússia e anti-China podem crescer e tornar-se irresistíveis.

O paradoxo é que, mesmo assim, os EUA provavelmente continuarão a ver a Europa como mercado regulado e com “acesso limitado”, e como ameaça comercial.

Seria talvez surpreendente, nesse caso, que Rússia e China tenham chegado ao momento “chega! Cansamos!”? Estão realmente fartos das ‘lições de moral’ sobre os altos ‘valores europeus’ e da crença de que todos irão “dobrar-se” ante a ameaça de ser excluído do mercado europeu.

A China é hoje a maior economia do mundo (em termos de PPC). Rússia e Ásia Central já são compatíveis com a tecnologia chinesa. A China já tem isso estabelecido como ‘fatos em campo’. A política seguirá esse rastro realista. China e Rússia provavelmente vencerão a guerra tecnológica (mais cedo ou mais tarde).

Pode algum bloqueio comercial conter e extinguir o dividendo moral em ‘superioridade’, de quem se mantenha indiferente ao e acima do tal outro mercado “enorme e diversificado”?

Tom Stevenson, diretor de investimentos da Fidelity International, escrevendo no The Telegraph, aponta que os efeitos adversos da pandemia foram significativamente maiores na Europa e nas Américas, tanto no norte quanto no sul, do que na China:

“Apesar de representar quase 60% da população global, a Ásia teve menos de 15% das mortes relacionadas à Covid este ano. A Europa, com menos de 10% da população mundial, é responsável por quase um terço de todas as mortes. Mesma história na América do Norte. Os números do PIB da China no terceiro trimestre mostrarão como esse desempenho pandêmico materialmente melhor já aparece nos dados econômicos. Primeiro a entrar, primeiro a sair e um caminho de recuperação muito mais íngreme também. O Credit Suisse acredita que até o final do ano que vem, a produção econômica da China ficará 11% acima do nível anterior ao vírus, enquanto os EUA, Europa e Japão ainda estarão se recuperando.

“O Coronavírus causou algumas mudanças fundamentais na maneira como as empresas e setores inteiros passaram a operar. Em particular, as cadeias de suprimentos globais estão sendo substituídas por abordagem mais regional, o que reduziu o quanto a Ásia dependia da saúde da Europa e dos EUA. Hoje, cerca de 60% de todo o comércio na Ásia ocorre dentro da região. O grande crescimento em nossa dependência de tecnologia e a digitalização crescente da economia também influenciam os pontos fortes da China.


É uma loucura. Por um lado, a UE segue obstinadamente os EUA na aplicação de sanções à Rússia (mesmo quando França e Alemanha sabem que as alegações dos EUA em que se baseiam as sanções – o suposto envenenamento de Navalny – são falsas); é cúmplice nos ataques para tentar desequilibrar a situação juntos às fronteiras russas; e, em seguida, tenta impor valores da Europa ao comércio de terceiros com a Europa...

E, ao mesmo tempo, EUA e europeus contam com que China e Rússia continuem como se nada estivesse errado e os salvem da falência. Quem mais precisa de quem? Alô! Alguém está ouvindo?

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_23528.jpg

Falco, Cuba

 

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://www.strategic-culture.org/news/2020/10/26/break-relations-with-eu-if-this-is-way-they-want-it-so-be-it/
Publication date of original article: 26/10/2020
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=29967

 

Tags: BrexitRússia-UEropa-ChinaEuroditaduraMultilateralismo
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.