TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 15/08/2020 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UMMA 
UMMA / Potências árabes precisam do Egito para lutar suas guerras na Líbia
Date of publication at Tlaxcala: 24/07/2020
Original: Arab powers want Egypt to fight their wars in Libya
Translations available: Français 

Potências árabes precisam do Egito para lutar suas guerras na Líbia

Salman Rafi Sheikh سلمان رفیع شیخ

Translated by  mberublue

 

Embora o Egito tenha suas próprias razões para intervir na Líbia, parece que as atuais dinâmicas das últimas decisões do país do Norte da África de mandar seu exército para a Líbia vai além dos parâmetros tradicionais do “interesse nacional”. O Egito, de muitas maneiras, está agindo como Estado cliente de potências árabes, algumas delas envolvidas em outra guerra sangrenta no Iêmen onde estão atoladas há muito tempo. Desde que não tem a estamina nem a capacidade de fazer mais uma intervenção direta, o Egito, que confia cada vez mais no apoio dos sauditas e dos emirados desde o golpe militar, tornou-se a escolha natural.

 


Acontece que quando o governo eleito do Egito foi derrubado em 2013, os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita correram para providenciar para providenciar três bilhões de dólares e cinco bilhões de dólares respectivamente, para “apoiar” a economia fragilizada do país. Na verdade, os países do Golfo tem apoiado o Egito com cerca de 92 bilhões de dólares desde os conflitos que levaram ao fim do regime Mubarak. Assim, os grandes doadores do Golfo foram a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. Entretanto, para o regime egípcio de al-Sisi, parece que chegou a hora de pagar a conta.
 
Relatos na mídia árabe sugerem que as potências do Golfo “persuadiram” o Egito a intervir na Líbia para reforçar o apoio a Khalifa Haftar, que está em retirada, o que significa que o exército egípcio, mesmo não treinado para lutar guerras externas, não terá direito de opinião sobre a forma como as coisas se desenrolarão no terreno. Tal como está delineada a situação, os Estados do Golfo em geral e os Emirados em particular, já conseguiram, conforme relatos da imprensa árabe, “tomar conta” do establishment do exército egípcio. Não só seus líderes comparecem às paradas militares, como testemunham a abertura de campos de combate, mas também intermediam e financiam a compra de armas para o exército do Egito.
 
Consequentemente, os Emirados coordenaram a compra de jatos Rafale pelo Egito em 2015/16. Não há outro meio pelo qual o Egito, com a economia em farrapos, pudesse sequer fechar um acordo para fazer uma compra de seis bilhões de dólares com a França. Os estados do Golfo, entre eles Emirados, Arábia Saudita e Kuwait, injetaram 19.5 bilhões de dólares no Banco Central do Egito.
 
Isso explica como e porque, apesar da situação econômica complicada, o Egito do Sisi tem arrematado armas importadas como nunca antes. De acordo com o SIPRI (Stockholm International Peace Research Institute – Sediada em Estocolmo é uma instituição de pesquisa de conflitos e ajuda para promover a paz no mundo – NT), as importações de armas pelo Cairo triplicaram entre 2015/19, fazendo-o o terceiro maior importador de armas do mundo.
 
Além disso, muito do investimento feito pelos Emirados Árabes Unidos no Egito, acontece através de companhias operadas pelo exército egípcio. Da mesma forma, a ajuda que chegou ao Egito na sequência do golpe, também veio através do exército e suas companhias. Estas tendem sempre a subcontratar seus maiores projetos para o setor privado. Nesse ambiente, a subcontratação fica menos provável de ser questionada posteriormente do que os grandes projetos do setor privado.
 
Foi dessa forma que os Emirados reforçaram o controle sobre o exército egípcio nos últimos anos. Agora, estão usando esse controle para “convencer” o exército a intervir na Líbia, oferecendo, em adição à ajuda usual, servir como mediador na controvérsia em andamento com a Etiópia sobre a represa no Nilo Azul.
 

Al-Sisi-Haftar-Erdogan

 

A Turquia também é alvo


A razão pela qual os poderosos países do Golfo estão forçando a entrada do exército do Egito na Líbia não é apenas o poder crescente do GNA (Government of National Accord - Governo do Acordo Nacional – NT), mas o apoio crescente que recebe ultimamente da Turquia. De fato, para sauditas e emirados, com sua experiência e capacidade de intervir o exército turco representa uma ameaça direta para suas próprias ambições de hegemonia. Por isso, para lutar contra o exército turco, os estados do Golfo estão ansiosamente enviando seu exército (cliente) mais forte, o do Egito.
 
Com o passar dos anos, os Emirados e a Arábia Saudita entenderam que a Turquia representa para eles ameaça maior que o Irã. Na realidade, autoridades israelenses estão alertando os líderes do Golfo sobre a importância de confrontar a Turquia e suas ambições “neo-Otomanas”. Embora ainda não tenham entrado em conflito direto, com a intervenção turca em andamento na Líbia e a iminente entrada do Egito no campo de batalha por conta dos Emirados e da Arábia Saudita, será a primeira vez que os estados do Golfo lutarão uma guerra (por procuração) contra a Turquia. Na verdade, a luta já começou. Quando aviões de combate não identificados atacaram baterias de defesa aérea na recém recapturada base aérea líbia de Al-Watiya, Abdulkhaleq Abdulla, um conselheiro da corte real dos Emirados tuitou: “em nome de todos os árabes, os Emirados Árabes Unidos ensinaram uma lição aos turcos”. Mesmo tendo mais tarde apagado o tweet, relatos demonstram que os aviões atacantes eram mais provavelmente jatos Rafale do Egito – aviões que os Emirados ajudaram o Egito a comprar.
 
Determinados a impedir a Turquia de obter um espaço de manobra na Líbia para realizar suas ambições, os Emirados e a Arábia Saudita foram os primeiros países a apoiar a “decisão egípcia” de intervir diretamente na Líbia.
 

Fica evidente que com os Emirados exercendo controle quase total sobre o regime e o exército do Egito, nada mais longe da verdade que o fato de que o Egito estaria para travar uma guerra na Líbia para proteger “suas fronteiras e seu povo”. No grande tabuleiro do xadrez geopolítico o Egito não passa de um peão que os jogadores sentados em seus palácios no Golfo moverão a seguir.





Courtesy of mberublue
Source: https://journal-neo.org/2020/07/23/arab-powers-want-egypt-to-fight-their-wars-in-libya/
Publication date of original article: 23/07/2020
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=29396

 

Tags: Guerra da LíbiaRegime al-SisiPetro-monarquias
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.