TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 25/08/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 LAND OF PALESTINE 
LAND OF PALESTINE / Em Israel, a única direita é a extrema-direita
Date of publication at Tlaxcala: 04/08/2019
Original: In Israel the only right Is the far right
Translations available: Deutsch  Français  Español  Italiano 

Em Israel, a única direita é a extrema-direita

Gideon Levy جدعون ليفي גדעון לוי

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Não existe direita não-extremista em Israel. É impossível haver direita não-extremista em Israel. Quando é a ocupação que define os contornos - moralidade, direito, justiça, democracia, igualdade - bem como a imagem internacional de Israel, não pode haver direita moderada. Há apenas a direita extremista ou a esquerda genuína. Não há meio-termo. Há preto ou branco, não há cinza.



 Itamar Ben-Gvir de Otzma Yehudit [Força Judaica] fala aos repórteres, 1º de agosto de 2019. Foto: Olivier Fitoussi

Qualquer pessoa que apoie a perpetuação da ocupação está na extrema-direita. Ninguém está mais à direita; o que seria mais extremo que apoiar uma ditadura militar cruel, que durante décadas brutalizou membros de uma nação diferente e os privou de seus direitos? O que seria mais racista que apoiar sistemas separados de direitos e valores para dois povos? E o que seria mais ultranacionalista do que a crença de que um desses povos seria superior ao outro?

Só quem rejeita tudo isto e está disposto a fazer quase tudo para acabar imediatamente com esta situação é esquerdista. Todos os outros estão a enganar-se a si próprios e aos outros, num esforço hipócrita, tentando sentir-se melhor.

Após 52 anos, não restam sedativos. A charada de que a ocupação seria temporária terminou, e com ela a possibilidade de alguém ser liberal ao mesmo tempo em que apoia a ocupação. Não há apoiadores esclarecidos da ocupação. Não há via moderada para abordar ocupação perpétua.

Pode-se ficar chocado com os kahanistas, revoltado com Otzma Yehudit e desejar sua derrota, mas a verdade é que, exceto por seu estilo brusco e feio, não há grande diferença entre eles e a maioria dos partidos. A direita israelense tem fronteiras amplas, e inclui todos os apoiadores da ocupação, ativos e passivos, entusiastas ou apáticos; em suma, a grande maioria dos israelenses.

Na quarta-feira, a casualidade trouxe Benjamin Netanyahu e Benny Gantz para a Cisjordânia. Naquela manhã, o primeiro-ministro reuniu-se com colonos de Efrat e prometeu-lhes: "Nenhuma comunidade e nenhum residente jamais será desenraizado."

Um pouco mais tarde e a curta distância de carro, seu suposto principal rival de campanha declarou: "O Vale do Jordão permanecerá sob controle israelense para sempre.” Descubra as diferenças. Não há nenhuma. Não há fim para a ocupação com Efrat e não há fim para a ocupação com o Vale do Jordão. Não há solução de dois Estados sem a retirada para as fronteiras de 1967, o que significa que cerca da metade dos habitantes desta terra receberá cerca de um quinto dela - sem um único assentamento, não em um vale e não em uma montanha.

Não há diferença entre Gantz, que permanece apenas no Vale do Jordão, e Netanyahu, que permanece em Efrat. Nenhum deles quer que a ocupação termine, nem acredita na solução de dois Estados nem, evidentemente, em Estado único democrático. Por isso, Gantz não é mal menor. É mal tão grande quanto Netanyahu.

É verdade que os eleitores de Gantz se veem mais iluminados e humanos do que os apoiantes de Netanyahu, mas não o são. De diferente, só que são mais eloquentes. As únicas diferenças estão em questões secundárias.

Quando Bezalel Smotrich [líder do partido fascista ultra-ortodoxo Tukma, Ressurreição] disse na semana passada que os criminosos judeus e palestinos não são iguais perante a lei - "Não há comparação entre um irmão e um inimigo" - foi uma tempestade. Os liberais gritavam: "Não há comparação entre um irmão e um inimigo".

Mas Smotrich, o "racista" (ao contrário de todos os outros), apenas descreveu uma situação que existiu durante décadas sob governos de direita moderada, centro e esquerda - sob o controle do exército, do serviço de segurança Shin Bet e dos sistemas de justiça, os heróis da nação - aos quais só se opunham um pequeno punhado de verdadeiros esquerdistas. Smotrich diz o que a maioria dos israelenses pensa, ainda que o apoiem, ou se forem indiferentes e mesmo que nem o vejam.

Afinal, “nós” não somos como essas pessoas. E assim criamos um modelo conceitual para encobrir a fealdade. Há assentamentos legais e há postos avançados ilegais; bastaria remover os postos avançados, e seremos justos. Há o terror palestino - sem nenhuma razão, sem contexto e sem nenhuma justificativa. Por isso não podemos acabar com a ocupação agora. Talvez depois, algum outro dia. Há o direito de retorno dos refugiados palestinos, mas é antissemitismo. Por isso não há parceiro para as conversações de paz e não há nada para falar.

A extrema-direita não precisa de todas estas distrações. Todos os demais sim, precisam. E essa é a única diferença entre os dois lados - tão pequena que é difícil dizer o que seria preferível.

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://bit.ly/2YFZz4u
Publication date of original article: 04/08/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=26719

 

Tags: Politica sionistaEleições israelenses 2019Palestina/Israel
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.