TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 19/06/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 LAND OF PALESTINE 
LAND OF PALESTINE / O "Acordo do século", o novo negócio de Trump
Date of publication at Tlaxcala: 03/06/2019
Translations available: English 

O "Acordo do século", o novo negócio de Trump

Isabel Lourenço

 

Nunca deixando de nos surpreender Donald Trump e o seu genro, Jared Kushner elaboraram um “plano” para o que eles chamam de paz árabe / israelense

Emad Hajjaj

Esse “acordo do século”, que eu chamarei ADS, só pode ser desenvolvido num cérebro americano. Eles não apenas não contemplaram o contexto histórico, mas também não se importaram com a opinião do povo palestino, a maioria dos países vizinhos e acreditam que podem reorganizar fronteiras e países com uma decisão tomada durante um brainstorming à mesa durante o pequeno-almoço. Em suma, Trump pensa que está a jogar Monopolio e Sim City – com pessoas reais – e que tem o direito a fazê-lo.

Espera-se que Trump publique o conteúdo do ADS alguns dias após o Ramadão. No entanto, a 7 de maio, um documento circulado pelo Ministério das Relações Exteriores de Israel foi obtido e os principais pontos do acordo foram publicados pelo jornal “Israel Hayom”.

O ADS tem uma abordagem clara, sendo um presente para o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e vários partidos israelitas de extrema-direita.

Os Palestinianos mal foram consultados. Para pressionar ainda mais, o financiamento para os refugiados Palestinianos foi cortado pelos Estados Unidos. De acordo com o Israel Hayom os Estados Unidos propõem desmantelar a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) durante a Conferência Internacional “Paz à Prosperidade”, agendada para Manama, Bahrein nos dias 25 e 26 de Junho. conhecida como “workshop económico” será o lugar onde ministros das finanças árabes e empresários internacionais discutirão como “incentivar o capital investido” na Cisjordânia e em Gaza por meio de infraestrutura e desenvolvimento industrial.

Esta conferência contará com a presença de representantes de todos os países membros do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), bem como de outros estados árabes, mas não da Autoridade da Palestina.

A Autoridade da Palestina, bem como todas as facções palestinianas, rejeitaram qualquer participação nesta conferência e a OLP declarou que os líderes empresariais palestinianos que participarem serão considerados “colaboradores”.

Trump e Kushner abordaram o conflito como uma aquisição hostil e como um projecto de desenvolvimento imobiliário pensando que podem “comprar” o povo palestiniano, que depois seria descartado como empregados despedidos.

O ponto chave do ADS é investimento e negócios, mantendo o status quo para Israel e dando uma condição económica um pouco melhor para os palestinianos.

O estado palestino previsto no plano não é um estado real, pretende garantir apenas uma existência económica menos catastrófica para os palestinianos, e ainda estaria sob o controle de Israel.

O enviado dos EUA para a região, Jason Greenblatt, declarou recentemente que substituir a UNRWA e terminar o seu trabalho será fundamental para o acordo, salientando que “a UNRWA só perpetua o conflito”. Com a reconstrução e a “ajuda humanitária” beneficiariam, naturalmente, as empresas dos EUA e as “ONGs” internacionais que assumiriam o trabalho da UNRWA.

Jared Kushner, que tem grandes interesses em Israel e colonatos, é considerado o cérebro por trás dos principais pontos do acordo.

O acordo proposto

De acordo com o documento que circulou, um acordo tripartido seria assinado entre Israel, a OLP e o Hamas, e um Estado Palestiniano seria estabelecido que seria chamado de “Nova Palestina” e as eleições ocorreriam dentro de um ano do seu estabelecimento.

A “Nova Palestina” seria estabelecida na Cisjordânia ocupada e em Gaza, com excepção dos blocos de colonatos na Cisjordânia ocupada, que fariam parte de Israel.

Jerusalém seria compartilhada por Israel e pela “Nova Palestina”, mas não dividida e Israel manteria o controle geral remanescente no controle do município e, portanto, da terra. O status quo nos locais sagrados continuaria.

Os palestinianos que vivem em Jerusalém seriam cidadãos do estado palestino. O novo estado da Palestina pagaria impostos ao município israelita para ser responsável pela educação na cidade para os palestinianos.

O Egipto “daria” ao novo Estado palestino terra para construir um aeroporto, fábricas e para a agricultura para atender as necessidades da Faixa de Gaza.

Os palestinianos, no entanto, não teriam autorização para viver nesta terra por enquanto.

Todas as fronteiras entre a Faixa de Gaza e o Egipto e Israel permaneceriam abertas a pessoas e bens. Não há detalhes claros sobre esta questão, uma vez que as fronteiras são “abertas”, mas de fato controladas por Israel e, portanto, “não abertas”. Em teoria, os Palestinianos poderiam usar os aeroportos e os portos marítimos israelitas.

A “Nova Palestina” teria duas passagens para a Jordânia, sob o controle das autoridades da “Nova Palestina”, enquanto o Vale do Jordão permaneceria nas mãos de Israel e uma autoestrada de quatro pistas seria construída através dela.

Outra autoestrada seria construída ligando a Faixa de Gaza à Cisjordânia, 30 metros acima de Israel (cláusula de espaço aéreo), mas como as fundações estariam em solo israelita, a estrada estaria à mercê de Israel.

"Vou voltar para a casa do meu avô em Haifa. Olá Trump, essa é a nossa Palestina, antiga e nova"

O dinheiro

Durante cinco anos, os Estados Unidos, a UE e os países do Golfo Pérsico financiariam e patrocinariam o acordo para estabelecer a “Nova Palestina”, com um custo estimado de US $ 6 biliões por ano.

Os estados do Golfo teriam de “patrocinar” 70%, os EUA 20% e a UE 10%.

O financiamento rodoviário viria da China (50% do custo) e da Coreia do Sul, Austrália, Canadá, EUA e UE (10% do custo cada).

Segurança e Forças Militares

O estado da “Nova Palestina” não teria autorização para formar um exército, mas poderia manter uma força policial.

Um acordo de defesa seria assinado entre Israel e a “Nova Palestina”, na qual Israel defenderia o novo Estado de quaisquer ataques estrangeiros.

Depois de assinar o acordo, o Hamas seria obrigado a entregar todas as suas armas ao Egipto. Os líderes do Hamas seriam remunerados e pagos pelos estados árabes até que um governo fosse eleito.

Prisioneiros

Israel libertaria os prisioneiros palestinianos gradualmente ao longo de três anos.

Represálias

Se o Hamas ou quaisquer outros grupos palestinianos recusarem esse acordo, os EUA cancelarão todo o seu apoio financeiro aos palestinianos e pressionarão outros países a fazer o mesmo. Mas, pior ainda, mesmo que Mahmoud Abbas (presidente da Autoridade da Palestina) assine o acordo, mas o Hamas e a Jihad Islâmica não concordarem com isso, os Israelitas poderão travar uma guerra na Faixa de Gaza com o total apoio dos EUA.

Por outro lado, se Israel recusar o acordo, os EUA apenas cessariam o seu apoio financeiro de US $ 3,8 biliões anuais.

Acordo de Kushner não é mais que...

O acordo de Kushner não é mais que um plano para subornar os Palestinianos da soberania política em direcção a uma mera promessa de prosperidade económica que é muito pouco provável que aconteça.

A nova “visão geográfica” da Nova Palestina com o Egipto “doando” a terra é completamente irrealista e mostra quão pouco Trump e Kushner respeitam o Direito Internacional. Nas suas mentes distorcidas, os EUA têm o poder de “rearranjar” fronteiras conforme lhes convier.

No caso improvável de os egípcios concordarem com este acordo, há a questão da União Africana e seu acto constitutivo. O Egipto é um país africano e membro da União Africana. Nos termos do artigo 4.º Princípio do acto constitutivo, afirma-se claramente que a União funcionará em conformidade com o respeito das fronteiras existentes no acto da independência.

Na verdade, o ex-presidente do Egipto, Hosni Mubarak, revelou há pouco que Netanyahu já havia pedido a sua aprovação no final de 2010 para dar aos Palestinianos em Gaza parte da terra na faixa de fronteira do Sinai, no Egipto. Mubarak recusou e avisou o primeiro-ministro Israelita que, se ele pressionasse essa ideia, isso levaria a outra guerra entre o Egipto e Israel.

Enquanto isso, Kushner visitou países do Médio Oriente e Norte da África para pressionar de forma a ter o seu apoio. De acordo com várias fontes, Marrocos provavelmente apoiará o ADS em troca do total apoio dos EUA ao seu plano de autonomia para o Sahara Ocidental.

Neste sábado, em Meca, da Organização da Cooperação Islâmica (OCI), de 57 países, apoiou os Palestinianos e denunciou a decisão dos EUA de transferir a sua embaixada israelita para Jerusalém. A OIC pediu aos seus membros que “boicotem” os países que abriram embaixadas na cidade disputada, cuja parte oriental é considerada pelos Palestinianos como a capital do seu futuro estado.

Até agora, os EUA têm o apoio da Arábia Saudita e dos Emirado Árabes Unidos e a oposição de quase todos os outros países que classificam o ADS como um convite à desgraça e destruição.

De acordo com a organização de direitos dos prisioneiros baseada em Ramallah, Ad-Dameer, em Março de 2019, 5.450 prisioneiros políticos palestinianos estão em prisões Israelitas e estão espalhados por 22 prisões em Israel e na Cisjordânia ocupada. A libertação proposta ao longo de um período de três anos representaria uma quantidade considerável de “reféns” para Israel. 205 são crianças Palestinianas, 32 delas com menos de 16 anos de idade.

O acordo de defesa proposto no qual Israel defenderia o novo Estado Palestiniano de quaisquer ataques estrangeiros pode apenas ser classificado de grotesco.





Courtesy of Tornado
Source: https://www.jornaltornado.pt/o-acordo-do-seculo-o-novo-negocio-de-trump/
Publication date of original article: 03/06/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=26182

 

Tags: Acordo do SéculoTrump/KushnerPalestina/Israel
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.