TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 18/10/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 EUROPE 
EUROPE / “Dívida”: a questão ocultada nas eleições europeias
Date of publication at Tlaxcala: 21/05/2019
Original: Debt is the hidden issue in these elections to Europarliament
Translations available: Français  Ελληνικά  Italiano  Español 

“Dívida”: a questão ocultada nas eleições europeias

UndebtedWorld Collective

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Os cidadãos da União Europeia são chamados a votar essa semana para o Parlamento Europeu. Não é parlamento real, e lhe faltam as vias para vir a ser parlamento real, porque todas as decisões importantes são tomadas por membros não eleitos da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu, também conhecido como “o Banco Central mais mal administrado do mundo”.


Essas eleições capturam contudo o estado de espírito geral de exasperação contra políticas em curso. Partidos Conservadores e de extrema Direita ganharam assentos, o que reflete o ceticismo que se alastra quanto ao rumo econômico da UE e o nenhum benefício que assegura às pessoas comuns. A esquerda ‘mainstream’ infelizmente não olha esses problemas e pagará o preço da omissão.

Conservadores de modo geral culpam o bode expiatório mais fraco: os refugiados, os imigrantes, as mulheres e os pobres, ao mesmo tempo em que prometem salvar a classe média do massacre que lhe faz o grande capital. Criam falsas esperanças de reformas fáceis, e jamais denunciam a exploração inerente ao sistema atual.

Mas a história mostra que pequenos proprietários só conseguem resistir ao estrangulamento se se unem, numa só causa, com os trabalhadores e com os pobres, e se perdem o medo de lutar.

A economia parece mais frágil a cada dia. De modo geral, o PIB nominal da Eurozona estagnou, tendo encolhido 12% nas seis maiores economias no período 2008-2017. A União Europeia permanece indiferente às necessidades dos povos, ao mesmo tempo em que corre a satisfazer até os mais mínimos desejos das grandes empresas. Mas nem assim o Alívio Quantitativo [ing. Quantitative Easing] e outros esquemas capitalistas de compadrio promovidos pelo BCE, como as Parcerias Público-Privadas (PPPs) ou novas Operações de Refinanciamento de Longo Prazo (ing. Targeted Long-term Refinancing Operations (TLTRO-III) conseguem salvar o dia.

Donald Trump declara com todas as letras que “pouco me importa a Europa”, mostrando que os EUA consideram o continente europeu como pouco mais que bando de estados vassalos. Em todos os países a desigualdade cresce, as grandes empresas governam, os oligarcas impõem o que queiram. A França liberal exibe o mais abjeto autoritarismo contra os Coletes Amarelos. A Itália caça refugiados. Direitos e renda dos trabalhadores são continuadamente erodidos em todos os lugares, e a mulher trabalhadora é atingida com especial violência.

Até em países bem-sucedidos, como a Alemanha, o salário real continua abaixo do que foi nos anos 1990s.


Salários reais na Alemanha, 1990-2011

Hoje, a exploração dá-se frequentemente pela dívida.

Dívida pública e dívida privada são mecanismos cruciais para a atual transferência de riqueza e poder, dos pobres para os ricos, dos fracos para os fortes, dos muitos para os poucos.

A discussão pública até aqui não dá atenção a essa questão, ainda que o potencial explosivo do assalto ‘financeiro’ seja bem conhecido dos insiders e dos grandes partidos políticos.

A dívida pública na União Europeia totaliza 13 trilhões de euros, já alcançando 80% do PIB. Essa média mascara as enormes variações entre a periferia da Europa e o centro do continente. Por exemplo, a Grécia deve 335 bilhões de euros, ou 181% do próprio PIB; a Itália, 2,3 trilhões (132%), e Portugal, 225 bilhões (122%).

Por outro lado, a dívida pública alemã é de 2 trilhões, ou 61% do PIB; e Luxemburgo, paraíso fiscal, deve 12 bilhões, apenas 21% do PIB.

Dívida Pública é escolha política, não é lei da natureza

Hoje, na Europa, é hábito subsidiar as corporações, não o Estado Social. Em vez de cobrir as próprias necessidades com fundos obtidos de impostos cobrados dos mais ricos, o Estado implora aos mais ricos que lhe empreste dinheiro; endivida-se o Estado, assim, alegremente, e imediatamente põe-se a pagar juros descomunais aos mais ricos.

Afundando cada dia mais na armadilha da dívida, os Estados transferem recursos imensos, da periferia para o centro, e dos pobres para os ricos. Essa gigantesca dívida pública traz com ela a destruição das instituições democráticas, convertendo cidadãos em serviçais da dívida e roubando a vida de nossas crianças.

Em 2010, a Troika se autodesignou salvadora da Grécia, a força que livraria os gregos da própria dívida gigante, que, naquele momento, chegava a 109% do PIB. A Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional impuseram arrocho draconiano e a liquidação de patrimônio público. Nem o sacrifício do povo grego conseguiu salvar a Grécia, mas instituiu a miséria e a escravidão por dívida.

Governo parlamentar tornou-se fórmula oca, e surgiu uma organização criminosa da extrema direita, constituída à imagem e semelhança dos nazistas de Hitler. Nenhuma instituição europeia ou nacional assumiu a responsabilidade pelo crime.

O resto da Europa está hoje à distância de uma crise de dívida, de sofrer o mesmo destino da Grécia. E não há dúvida alguma de que a bolha financeira global levará a crise a todo o continente, mais dia menos dia, e sem demora.

Pressões fiscais levam a revoltas e, mesmo, a mudança cataclísmica – foram pressões fiscais que levaram à Revolução Francesa, à Revolução Russa e à Revolução Chinesa.

Mas a crise da dívida não é insolúvel em si. Os Estados sempre têm o direito soberano de abolir a dívida – como a Islândia fez recentemente. A Economia não ‘sofre’. Ao contrário, a economia renasce. Abolir a dívida significa, simplesmente, que os mais ricos deixam de poder capturar para benefício exclusivamente dos mais ricos, fatias cada vez maiores e maiores da produção futura.

Conclamamos todos os cidadãos europeus [e latino-americanos, argentinos, brasileiros, todos, é claro!], na União Europeia ou fora dela, a exigir dos partidos políticos que apresentem políticas para a dívida.

Partidos que não tenham políticas clara para enfrentar a armadilha da dívida, das duas, uma: ou não sabem ver a importância dessa questão para o futuro do próprio povo que dizem representar, ou, simplesmente já escolheram o lado da oligarquia financeira.

A única via responsável é votar a favor de partidos que promovam “dívida justa”.

Esse projeto inclui necessariamente abolir a odiosa dívida pública e assumir firmemente a defesa dos devedores mais pobres, muito mais numerosos, não a defesa exclusiva de uns poucos credores ricos.

 


Relação Dívida/PIB nos países europeus





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://undebtedworld.wixsite.com/undebtedworld/blog/debt-is-the-hidden-issue-in-these-elections
Publication date of original article: 20/05/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=26089

 

Tags: Dívida odiosaEleições europeias UEropa
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.