TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 15/10/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 EDITORIALS & OP-EDS 
EDITORIALS & OP-EDS / Bamiyan, Babilônia, Palmira, Notre-Dame
Date of publication at Tlaxcala: 16/04/2019
Original: Bamyan, Babylon, Palmyra, Notre-Dame
Translations available: Français  Español  Italiano 

Bamiyan, Babilônia, Palmira, Notre-Dame

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Os Budas de Bamiyan foram destruídos por uma seita intolerante que fingia seguir o Islã. O budismo em toda a Ásia chorou, enlutado. O ocidente praticamente nem tomou conhecimento.

As ruínas sobreviventes de Babilônia e o museu que lá está (estava) foram ocupados, saqueados e vandalizados por uma base de US Marines durante a ‘operação’ “Choque e Pavor”, em 2003. O ocidente praticamente nem tomou conhecimento.

Grandes partes de Palmira – oásis legendário da Rota da Seda – foram destruídas por outra seita intolerante que fingia seguir o Islã, com a retaguarda protegida por camadas e camadas de ‘inteligência’ ocidental. O ocidente praticamente não deu atenção.

Incontáveis igrejas católicas e ortodoxas na Síria foram queimadas até virar cinza, pela mesma seita intolerante que fingia seguir o Islã, com a retaguarda protegida e com armas fornecidas, dentre outros, por EUA, Grã-Bretanha e França. O ocidente absolutamente não deu atenção alguma.

Notre-Dame, que em muitos sentidos pode ser apresentada como a Matrix do ocidente, foi parcialmente consumida por fogo dado, teoricamente, por não intencional [ing. blind fire].

Especialmente a cobertura; madeirame de carvalho, em algumas áreas datando do século 13. Metaforicamente, pode ser interpretado como o telhado que cobre as cabeças coletivas do ocidente, que incendiou-se e sumiu.

Karma ruim? Até que enfim?


Fire at Notre Dame Cathedral
Omar Al Abdallat, Jordânia


Agora, de volta ao xis da questão.

Notre-Dame é propriedade do estado francês, que dá pouca ou absolutamente nenhuma atenção a uma joia gótica que atravessou oito séculos.

Fragmentos de arcadas, das quimeras, dos relevos, das gárgulas vivem caindo no meio da rua e são guardadas num depósito improvisado nos fundos da catedral.

Só no ano passado, Notre-Dame ganhou um cheque de 2 milhões de euros para restaurar a agulha – que ontem queimou inteira.

A restauração de toda a catedral custaria 150 milhões de euros, segundo o maior especialista mundial em Notre-Dame, que acontece de ser um norte-americano, Andrew Tallon.

Recentemente, os responsáveis pela custódia da catedral e o estado francês estiveram realmente em guerra.

O estado francês recolhia no mínimo 4 milhões de euros por ano só dos turistas que pagam para entrar nas Torres Gêmeas (do Sino), mas só repassava 2 milhões para a conservação de Notre-Dame.

O reitor de Notre-Dame recusou-se a cobrar entrada de quem vem à catedral – como se faz, por exemplo, no Duomo em Milão.

Notre-Dame basicamente sobrevive de doações – que pagam o salário de apenas 70 empregados aos quais cabe não apenas supervisionar as massas de turistas, mas, também, organizar oito missas por dia.

Proposta do estado francês para minimizar o calvário: organizar uma loteria beneficente. Significa: privatizar o que é compromisso e obrigação do estado.

Assim sendo, sim: Sarkozy e Macron, e os respectivos governos privatizantes são diretamente e indiretamente responsáveis pelo fogo.

Vem aí a Nossa Senhora dos Bilionários.

Pinault (Gucci, St. Laurent) prometeu 100 milhões de euros de sua fortuna pessoal para a restauração. Arnault (Louis Vuitton Moet Hennessy) repicou: prometeu 200 milhões.

Ora! Por que não privatizar esse tão excelente item de propriedade imobiliária – à moda do capitalismo de desastre? Bem-vindos ao condomínio de luxo Notre-Dame, Paris, com hotel e shopping-center.

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://www.facebook.com/pepe.escobar.77377/posts/10157085278236678
Publication date of original article: 16/04/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=25832

 

Tags: Incêndio de Notre-DameDoce FrançaNeoliberalismo
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.