TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 19/07/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / A liberdade capitalista é só encenação
Date of publication at Tlaxcala: 19/03/2019
Original: Capitalist freedom is a farce

A liberdade capitalista é só encenação

Rob Larson

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Mandinga

 

Milton Friedman errou. O capitalismo não promove a liberdade. Só promove locais de trabalho autocráticos e bilionários tirânicos

O presidenta da Amazon, Jeff Bezos, participa de um evento organizado pela Air Force Association dia 19 de setembro de 2018 no National Harbor, MD. Foto Alex Wong / Getty

Consideradas todas as mudanças dos últimos 50 anos, é surpreendente que os clássicos conservadores tenham mantido tão alto prestígio. Capitalismo e Liberdade, de Milton Friedman e A estrada da Servidão de Friedrich Hayek ainda são oferecidos na livraria online de Breitbart. Rush Limbaugh diz aos seus ouvintes que “Milton Friedman deve ser a Bíblia para os jovens e para todos que tentem entender o capitalismo e os livres mercados.” Charlie Kirk, fundador de Turning Point USA, celebra Hayek e Friedman em seu livro, e Ben Shapiro cultiva Friedman como ícone conservador na National Review.[1]

Mas o que, então, são a liberdade e garantia de direitos [orig. liberty and freedom] que os conservadores celebram? E o capitalismo? Promove ou restringe tudo isso?

"Garantir direitos" é tido em alta conta, porque, de algum modo, cobre todos os prazeres da vida – é a capacidade para fazer o que se queira, dentro dos limites das condições materiais e no tempo que nos é dado viver. Mas o modo como você gosta de passar seu tempo, quem você ama ou com quem você trabalha, ou com quem você ri, tudo isso representa também o tremendo valor do gozo de direitos sociais.

Para John Stuart Mill, o princípio básico do gozo de direitos era que "o único objetivo para o qual o poder pode exercer-se corretamente sobre qualquer membro de uma comunidade civilizada, contra a vontade dele, é impedir o dano a outros.” O filósofo Isaiah Berlin, adiante, descreveu essa ideia como "liberdade negativa" ou ser livre de coerção. Berlin também sugeriu uma "liberdade positiva" – liberdade para fazer coisas diferentes, não apenas "ser livre das escolhas de outros". Em vez de perguntar "Que centros de poder me controlam,” a liberdade positiva pergunta "O que sou livre para fazer com as oportunidades e recursos do mundo?”

A visão filosófica tradicional do capitalismo é que embora não ofereça "liberdade positiva" de acesso a uma porção justa da produção mundial de bens, o capitalismo oferece "liberdade negativa" da tirania econômica, deixando consumidores e trabalhadores livres para escolher entre vários itens. É a visão de Friedman e Hayek, e eles insistem em que esse seja o tipo certo de liberdade. Muitas gerações de defensores do capitalismo concordaram.

Mas qualquer revisão realista da economia de mercado mostra quadro muito diferente: o capitalismo limita os dois tipos de liberdade, a liberdade positiva e também a liberdade negativa. O capitalismo favorece uma acumulação monstro de poder privado, ao concentrar a riqueza individual e ao blindar completamente o controle que as empresas exercem sobre os mercados (além de destruir sem piedade os sistemas ambientais e, assim, qualquer possibilidade de liberdade para futuras gerações). O capitalismo não fracassa apenas ao não garantir "liberdade positiva" de acesso a fatia justa da economia; fracassa também ao não proteger a "liberdade negativa" contra os jogos de poder da propriedade corporativa do 1%.

Quando GM e Ford decidiram desertar de cidades como Detroit e Flint, mudando-se para cidades e países mais pobres, negaram à sua antiga força de trabalho qualquer liberdade positiva para gozar dos enormes ganhos da indústria — ganhos que os próprios trabalhadores geraram.

Quando a indústria farmacêutica de Martin Shkreli aumentou o preço de uma droga patenteada necessária à manutenção da vida, de $13,50 para $750, efetivamente impedindo que pessoas acometidas daquela específica doença tivessem acesso à medicação, empurrou esses doentes para a miséria ou para a bancarrota –, o que configura assustadora restrição da liberdade negativa.

Quando a empresa Amazon organizou um concurso para decidir que cidade dos EUA seria abençoada com a construção de sua nova sede, e prefeitos em todo o continente abriram mão de bilhões criando novas isenções de impostos e jogando fortunas aos pés da empresa, a empresa Amazon acumulou para si poder monstro sobre o destino de milhões de pessoas – o que expôs, perfeitamente a nu, o quanto as decisões capitalistas de investimentos podem limitar dramaticamente a liberdade humana.

Defensores do capitalismo insistem que, como Friedman e a esposa Rose escreveram em seu livro Livre para Escolher, “Quando você entra numa loja, ninguém o força a comprar. Você é livre para comprar ou sair da loja... Você é Livre para escolher.” Aplicaram o mesmo argumento aos trabalhadores: se você não gosta do seu trabalho ou carreira, ache outro.

Mas outras figuras viram de modo muito diferente a alegada liberdade negativa do mercado. Considere Frederick Douglass, o escravo fugido e intelectual autodidata. Douglass concluiu:

 


A experiência demonstra que pode haver uma escravidão de salários só um pouco menos cruel e devastadora em seus efeitos que escravidão de corpos, que escraviza pais e filhos e netos, e essa escravidão de salários é metida goela abaixo com a primeira (...). O homem que tenha o poder de dizer a outro homem "Você tem de trabalhar a terra para mim, em troca do salário que eu decidi pagar", tem um poder de escravizador sobre o outro igualmente real, se não tão completo, como o agente com poder para obrigar a trabalhar sob chicote. Tudo que um homem tenha, ele entregará para salvar a vida.


Aí Douglass sugeria que os mercados permitem o exercício do poder menos fiscalizável e menos fiscalizado – o poder inimigo da liberdade de usufruir de direitos. Mas como uma pessoa livre poderia ser "escravizada" aos salários, havendo tantas diferentes opções para comprar diferentes bens e encontrar diferentes carreiras?

Uma das respostas, como críticos do capitalismo têm dito ao longo de séculos, é que mercados concentram-se e muito frequentemente tendem ao monopólio. Desde os bem conhecidos monopólios da Idade do Ouro no petróleo e no aço, até as gigantes do Vale do Silício hoje, a dinâmica do capitalismo gera inacreditáveis concentrações de poder privado.[2] E se há leis antitrustes que visam a limitar esses monopólios, verdade é que, como disse o eminente economista Alfred Chandler, há muito tempo, comentando a Lei Sherman de 1890, no melhor dos casos essas leis tendem a "criar oligopólio onde antes houve monopólio e a dificultar que o oligopólio torne-se outra vez monopólio.” Grande concentração de poder não fiscalizável e não fiscalizado: desse estofo se faz o capitalismo maduro, não de mercados bondosos das fantasias dos Friedmans.

O ponto mais forte de Douglass, contudo, foi ver e declarar que as economias de mercado tratam as necessidades básicas como mercadorias a serem compradas e vendidas, inclusive comida e teto. O capitalismo empurra as pessoas a encontrar trabalho nos mercados de trabalho em termos tais, que a única coisa que podem fazer é deixar-se esmagar pelo poder tirânico de abusadores capitalistas autoinflados, dos Rockefellers aos Bezos.

Esses abusadores infringem radicalmente a liberdade negativa e a liberdade positiva. Para conseguir o rudimentos da sobrevivência, muita gente tem de se submeter à violenta ditadura das modernas das fábricas contemporâneas — aos horários sempre variados, à revista na sala onde as pessoas trocam de roupa, às restrições à liberdade de manifestar o próprio pensamento. Não surpreende que Douglass tenha acrescentado: “À medida em que o trabalhador tornar-se mais inteligente, desenvolverá o que o capital já tem – vale dizer: o poder de organizar-se e combinar-se para autoproteção.” A organização coletiva de trabalhadores – bicho-papão temido dos capitalistas violentos como Friedman — sempre foi a única garantia de liberdade para exercer direitos.

Mas... calma! Friedman & Co. dizem que têm um ás na manga: "Dado que a família sempre tem a alternativa de produzir diretamente para o auto-sustento" – escreveu em Capitalismo e Liberdade, “ninguém é obrigado a participar de nenhum tipo de troca, a menos que se beneficie da troca". O poder de “sair” controla(ria) o poder potencialmente coercitivo do mercado de trabalho.

Problema é que a 'família média' de Friedman é quadro tão róseo, que beira o delírio. E Friedman recusa-se a reconhecer que produzir bens inevitavelmente demanda capital, ferramentas e equipamentos.

E o capital é monstruosamente concentrado. Thomas Piketty, estudioso da desigualdade, descobriu que os 10% mais ricos dentre os lares nos EUA são donos de 70% de toda a riqueza nacional; 35% dessa riqueza está concentrada no 1% do topo da pirâmide. Importante não deixar passar sem ver é que empresas por ações, que respondem pela propriedade do capital produtivo necessário para que o povo consiga "produzir sozinho, para si mesmo" são igualmente super concentradamente poucas: as 5% famílias mais ricas concentram 67% de todas as ações que há nos EUA, segundo o Economic Policy Institute.

Sabe-se lá como, esse ganhador do Prêmio Nobel, professor da Chicago School, consegue não ver que o indivíduo médio – o indivíduo em torno do qual toda a filosofia dos Friedman supostamente se ergueria — é prisioneiro e refém dos desígnios dos donos da economia produtiva, que podem decidir o quanto desgraçada será nossa vida, e que cidades serão autorizadas a ter futuro econômico. Do tempo de descanso à ergonomia, à licença-maternidade e aos assuntos admitidos no local de trabalho, a camada superior manda e desmanda e zomba descaradamente da "liberdade capitalista".

A esquerda liberal [ing. "liberals], por sua vez, está sempre a postos para 'exigir' mais "liberdade positiva" sob a forma de direitos à assistência pública à saúde, à educação e a viver em ambiente saudável. Mas muito mais ganharia se exigisse controle democrático sobre investimentos e produção, modelo muito mais interessante e promissor de liberdade, porque o controle alcançado pelo empregado substituiria o motor 'lucro' do capitalismo, por solidariedade – essa, sim, impulso para cada um apoiar seu próximo e colaborar com ele, homens e mulheres.

Se o fizesse, estaria pondo fim ao poder das empresas gigantes para aleijar cidades inteiras, simplesmente por se mudar para outro país, ou para desgraçar a vida dos seus empregados, aumentando as cotas de produção ou super vigiando cada movimento dos empregados. Decisões tomadas por cooperativas de empregados, eleitos e sujeitos a serem trocados pelos colegas, poderiam ser uma matriz de solidariedade social, o que limitaria significativamente o poder destrutivo a que todos estamos acostumados, no mundo empresarial de hoje.

Nós, da esquerda-esquerda não podemos entregar à direita o discurso da liberdade para exercer direitos. Ter análise crítica da empresa capitalista é excelente, mas os socialistas temos também de promover o potencial transformador da liberdade socialista — seja para inspirar para o duro trabalho necessário para mudar o mundo, seja para dar um norte às nossas lutas.

Em  Caminho para a Servidão, Hayek resmunga, lamentando que "a promessa de maior liberdade tornou-se uma das armas mais efetivas da propaganda socialista". Só nós não sabemos ?!

NTs

[1] Hayek é leitura que Steve Bannon anda pela Europa a recomendar a Martine Le Pen e a Salvini. Ver "A fala de Steve Bannon que uns amam, outros odeiam e ninguém ouviu. Discurso de Steve Bannon ao Congresso da Refundação do Front National, de Marine LePen", 19/3/2018, vídeo, 35”54’, traduzido no blog O empastelador.

[2] Sobre um dos casos mais inacreditáveis de concentração de poder privado em toda a história do mundo, vide o que diz a professora Maria Lúcia Fattoreli  no Duplo Expresso de Domingo, 17/3/2019 (assistam todo o programa), sobre o poder dos bancos no Brasil do golpe, com destaque para a ação do Banco Central de Meirelles e Ilan Goldfayn, como 'esteio' do poder dos bancos privados tanto em tempos de 'democracia' como hoje, sob golpe. 

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://jacobinmag.com/2019/03/capitalism-freedom-socialism-milton-friedman-hayek
Publication date of original article: 13/03/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=25588

 

Tags: Capitalismo
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.