TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 18/02/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ABYA YALA 
ABYA YALA / Informe sobre a situação na Venezuela e ações de solidariedade
Date of publication at Tlaxcala: 02/02/2019
Original: Informe sobre la situación en Venezuela y acciones de solidaridad
Translations available: English 

Informe sobre a situação na Venezuela e ações de solidariedade

Asamblea Internacional de los Pueblos International Peoples’ Assembly

 

Comunicado 01-2019 da Secretaria Operativa Internacional da Assembleia Internacional dos Povos

São Paulo, Brasil, 31 de janeiro de 2019

Dirigimo-nos a vocês para compartilhar alguns aspectos da situação que se vive em Venezuelahttp://tlaxcala-int.org/upload/gal_19685.jpg atualmente.

A autoproclamação de Juan Guaidó, um sujeito desconhecido até algumas semanas atrás, está baseada no não reconhecimento das eleições. Eleições estas que o povo venezuelano elegeu democraticamente Nicolás Maduro como o presidente da Venezuela no dia 20 de maio de 2018. Nestas eleições participaram 17 partidos políticos e quatro candidatos à presidência, com uma participação de mais de 9 milhões de cidadãos, sendo que o voto não é obrigatório. Maduro ganhou com 6.248.864 votos, 67,84% do total, em um processo eleitoral que contou com a presença de vários observadores internacionais, entre eles o Conselho de Especialistas Eleitorais da América Latina (CEELA) ¹.

Agora, estamos assistindo a mais uma tentativa de golpe de Estado comandado pelos Estados Unidos; o próprio vice-presidente deste país, Mike Pence, convocou o golpe para o último 23 de janeiro.

Esta estratégia está baseada, sem dúvida alguma, em uma ofensiva para apropriar-se dos recursos naturais venezuelanos, principalmente seu petróleo. É fartamente conhecida a conduta internacional dos Estados Unidos de intervenção direta na política interna dos países do chamado Sul Global, com o objetivo de tomar o controle das riquezas naturais alheias e assim enriquecer os cofres do Estado norte americano, que especialmente agora buscam afiançar sua hegemonia decadente no tabuleiro internacional.

Para cumprirem seu objetivo o mais rápido possível, buscam desestabilizar a economia venezuelana e sufocar seu povo mediante a uma guerra econômica. Assim, destacam-se dois pontos principais em sua linha discursiva: por um lado, vendem a ideia de que o país vive sob uma ditadura e, por outro, querem fazer acreditar que o país vive em um caos absoluto. Porém, nem Venezuela vive sob uma ditadura (está mais que demonstrada a transparência de seu sistema eleitoral), e nem vive no caos (é certo que vive uma situação difícil, mas a situação segue dentro da normalidade). O conflito, portanto, é definitivamente consequência das tentativas externas de desestabilização do país e não por causa de razões internas.

O imperialismo norte americano não aceita que o povo venezuelano decida seu destino, que o povo exerça sua soberania e mantenha sua independência. Apesar disso tudo, na Venezuela há um povo mobilizado e muito consciente de seus direitos, que não se submete a nenhum mandato exterior. A marionete da vez é Juan Guaidó, imediatamente reconhecido como presidente pelos Estados Unidos e a maioria dos países do Grupo de Lima, contudo não conta com o reconhecimento do povo venezuelano, da Força Armada Nacional Bolivariana e nem sequer dos demais setores de oposição que estão na Assembleia Nacional e supostos líderes da oposição venezuelana.

Segundo um estudo recente, aproximadamente 8 em cada 10 venezuelanos são totalmente contra uma intervenção internacional, seja militar ou econômica (86% são contra uma intervenção militar e 81% são contra as sanções econômicas dos Estados Unidos) ²

Nesta conjuntura, entendemos que é mais necessário do que nunca que articulemos nossa solidariedade internacional com o povo venezuelano e com o processo bolivariano. E, atualmente, além do destino de um governo legítimo, eleito pela vontade popular, o que está em jogo é a garantia do direito dos povos de decidirem e elegerem livremente seu modelo de sociedade, de decidirem livremente seu futuro, tendo como base a autodeterminação dos povos, por sua soberania e emancipação.

Venezuela está em meio a uma batalha crucial e não está sozinha; todos e todas militantes que cremos em um mundo livre da opressão capitalista, imperialista e patriarcal também estamos em luta junto à Venezuela e seu povo. Nos dias de hoje, a possibilidade de construirmos um mundo melhor depende diretamente do que ocorre em Venezuela e está diretamente relacionado com a defesa do processo bolivariano e revolucionário.

Por fim, queremos agradecer a solidariedade nestes dias tão desafiadores. O povo venezuelano se fortalece com cada ação solidária. Por isso é necessário seguir articulando nossa solidariedade internacional nesta batalha crucial que estamos lutando para sermos livres enquanto povo.

Seguimos em luta.

Viva a Luta dos Povos! Viva a Revolução Bolivariana!

Viveremos e Venceremos!  

 Notas

[1] https://www.eitb.eus/es/noticias/internacional/detalle/5608975/venezuela-elecciones-los-observadores- avalan-reeleccion-maduro/

[2] https://grayzoneproject.com/2019/01/29/venezuelans-oppose-intervention-us-sanctions-poll/

 





Courtesy of AIP/Tlaxcala
Source: http://tlaxcala-int.org/article.asp?reference=25223
Publication date of original article: 31/01/2019
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=25225

 

Tags: Assembleia Internacional dos PovosSolidaridade com VenezuelaRevolução BolivarianaAbya Yala
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.