TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 22/05/2019 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 EUROPE 
EUROPE / “Só aparecem para destruir e matar!”
O pânico dos de cima frente aos coletes amarelos de baixo
Date of publication at Tlaxcala: 07/12/2018
Original: “Vienen a destruir y a matar”
El pánico de los de arriba antes los chalecos amarillos de abajo

Translations available: Français 

“Só aparecem para destruir e matar!”
O pânico dos de cima frente aos coletes amarelos de baixo

Luis Casado

 

“Só aparecem para destruir e matar!” É o que anuncia o palácio do Eliseu, sobre os Coletes Amarelos, que já convocaram outra manifestação em Paris para sábado, 8/12: “Vêm para destruir e matar”. A campanha de terror substitui a lucidez e o raciocínio, vale dizer, a política, em sentido nobre. Como alguém ainda se surpreenderia com a ira que esse governo provoca? Com o quanto é furiosamente rejeitado?

Perigosíssimas, “vêm para destruir e matar...”

Jornalistas demais, além da conta, obedientes, perdem o controle sobre o que dizem e escrevem, e põem-se a ladrar histéricos, como lobos, pelas rádios e televisões. Toda a mídia-empresa na França está em mãos de não mais que uma dezena de empresários. Hoje pela manhã um jornalista anunciava “estupros e pogroms” (sic). Há quem preveja uma “guerra civil”. Não é o Apocalipse: é já diretamente o Armagedom.

Os mesmos jornalistas submissos – é preciso manter o cargo – insinuam as piores infâmias, e não dizem que os GAFA – Google, Amazon, Facebook e Apple – não pagam impostos na Europa. Um tímido movimento para tentar cobrar-lhes alguma coisinha, colidiu violentamente contra a decisão de Frau Merkel, assustada com as represálias gritadas por Donald Trump: “Cobrem de nós, e eu cobrarei tarifas de quem queira importar automóveis alemães”.

Também não dizem que combustível para iates nem os super-iates privados não pagam imposto algum; também as empresas de aviação não pagam imposto algum sobre o combustível que seus aviões consomem. Barcos e aviões contaminam tudo. Cobrar dos pobres o custo da “transição ecológica” não é plano que se apresente. Mas a França fabrica barcos de luxo, transatlânticos, porta-contêineres, iates e aviões...

Gérald Darmanin, ministro da Ação e das Contas públicas, o mesmo que chamou os Coletes Amarelos de “hordas marrons” [referência às camisas marrons dos nazistas, aqui (NTs)], declara muito cheio de si: “A refeição num restaurante em Paris, sem vinho, custa em torno de €200 por pessoa” [cerca de R$800]. A maior parte dos aposentados recebe de € 500 a € 1.000 [c.R$2.000 a R$4.000] por mês. O salário mínimo mensal é de € 1.188 [c.R$5.250]. Quem pode comer num restaurante em Paris?

As multinacionais, quando pagam, pagam coisa de 8% de impostos. Pequena empresa paga 30% e o Imposto sobre Valor Acrescentado está em torno de 20%.

Para atrair os bancos que fugirão de Londres por causa do Brexit, Macron ofereceu-lhes substancial redução de impostos. A mesma oferta estende-se aos salários dos banqueiros, que se contam em centenas de milhares e até de milhões de euros.

O sentimento de injustiça fiscal e econômica transformou-se em indignação. “Em ódio” – dizem os jornalistas de meia em meia hora. E hoje, num telejornal matutino, François Ruffin, deputado do Partido França Insubmissa, de J.-J.Mélenchon, teve de responder à seguinte inteligentíssima pergunta: “O senhor odeia Emmanuel Macron?”

O Palácio Eliseu farejou o perigo. Ontem, Macron trocou a suspensão do aumento dos combustíveis e dos impostos por anulação pura e simples. Mas se recusa a restabelecer o Imposto sobre Fortunas. Algum motivo há para ser conhecido como “o presidente dos ricos”. Seu mentor, o ex-presidente François Hollande, corrigiu: “Não. É o presidente dos super-ricos”. Foi Hollande quem o tirou do Banco Rotschild, para convertê-lo no que hoje se vê.

À ameaça que são os Coletes Amarelos [fr. gilets jaunes], une-se agora o perigo jovem [fr. jeunes]: os estudantes mobilizam-se, e há centenas de colégios em greve, além de algumas faculdades. Uma das razões que mobiliza os universitários é o aumento brutal do custo das matrícula (a universidade é gratuita, mas cobra-se uma taxa de inscrição) para os estudantes... estrangeiros. Quem aí falou de internacionalismo?

O ministro do Interior, fugitivo do Partido Socialista encarregado da repressão, pode dizer o que bem entenda: a imensa maioria dos Coletes amarelos são cidadãos pacíficos que respeitam as leis. Que respeitam a República – como dizem eles mesmos. Mas, acrescentam, “o governo Macron quebrou o Contrato Social”. Ouvi aí “Jean-Jacques Rousseau”?

Entre as noções que todo mundo conhece e compartilha está o princípio que diz que os cidadãos respeitam as leis porque participam de sua elaboração. E aceitam pagar impostos que eles mesmos tenham aprovado. Aí está o rompimento do Contrato Social. Os cidadãos entendem que a 5ª República já não os representa. Foi convertida em ferramenta a serviço dos ricos e muito ricos. Todos só olham para cima. Ninguém olha para baixo. Para os milhões e milhões de assalariados, homens e mulheres, que tornam possível a França de hoje.

Macron, digo, Júpiter, não conhece os franceses: apenas os despreza. Como também os despreza essa elite que rouba para si a parte do leão, enquanto a imensa maioria da população contenta-se com migalhas. Os Coletes Amarelos, mais determinados que nunca, dizem que esse mundo vicioso tem de acabar. As mulheres, a maioria delas já não tão jovens, são um dos batalhões mais decididos dos Coletes Amarelos. Separadas por dois séculos, são as dignas herdeiras de Olímpia de Gouges.

A eleição de Macron produziu conversão massiva de quanto transeuntes políticos havia no Partido Socialista e entre supostos gaullistas. Agora, o naufrágio dessa jangada improvável produzirá – aposto meu bônus de fim de ano – a fuga precipitada das ratazanas. Não sem, antes, jogarem a carta da repressão e do caos.

Porque, para esses aprendizes de feiticeiro, os miseráveis só vêm a Paris “para destruir e matar”.

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.politika.cl/2018/12/06/vienen-a-destruir-y-a-matar/
Publication date of original article: 06/12/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=24851

 

Tags: Coletes amarelosRevoltas lógicasMovimentos sociaisMacrôniaDulce França
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.