TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 23/10/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ABYA YALA 
ABYA YALA / Brasil: A internacional capitalista impôs o seu candidato
Date of publication at Tlaxcala: 09/10/2018
Original: Brasil: La internacional capitalista impuso su candidato

Brasil: A internacional capitalista impôs o seu candidato

Álvaro Verzi Rangel

Translated by  Victor Farinelli

 

A internacional capitalista encontrou em um ex-militar xenófobo, misógino e homofóbico chamado Jair Bolsonaro a figura para conquistar a Presidência do Brasil através dos votos, diante da incapacidade dos golpistas de 2016 para realizar as reformas estruturais que garantam a nula intervenção do Estado nas relações capital-trabalho e nas transações comerciais e financeiras, o “mercado livre” em estado puro.

 

O trabalho para impor esse discurso no imaginário coletivo dos brasileiros, imersos em uma profunda crise com mais de 13 milhões de desempregados, começou há mais de uma década, a partir dos think tanks do movimento ultraliberal, um enorme financiamento e a ativa participação das igrejas evangélicas, que tiveram um papel crucial na campanha eleitoral e na construção do imaginário coletivo cheio de golpes baixos e fake news (mentiras), como é habitual nesta época de pós-verdade.

A internacional capitalista existe, é organizada pelo movimento libertário de extrema direita, ou os ultraliberais (em inglês, são chamados de libertarians). Obviamente, está muito bem financiada, graças a um imenso conglomerado de fundações, institutos, ONGs, centros e sociedades unidas entre si por conexões difíceis de detectar, entre os quais se destaca a Atlas Economic Research Foundation, ou Rede Atlas.

No Foro Latino-Americano da Liberdade, organizado pela Rede Atlas, que aconteceu no luxuoso hotelResultado de imagen para MBL y los de la Fundação Eléutera brasil Brick de Buenos Aires, em maio de 2017 – com a presença do presidente argentino Mauricio Macri e do escritor peruano-espanhol Mario Vargas Llosa –, os debates abordaram a temática de como derrotar o socialismo em todos os níveis, desde as batalhas campais nas universidades até a mobilização de um país para abraçar a destituição de um governo constitucional, como aconteceu no Brasil.

Quando uma das crises estruturais do capitalismo se fez sentir, em meados dos Anos 70, a operação desta rede de intelectuais já se encontrava bastante avançada. Um dos seus campos de experimentação foi o Chile do ditador Augusto Pinochet, levado ao poder pelo golpe de Estado de 1973, promovido pelos Estados Unidos. Daí por diante passaram a proliferar artigos, livros, entrevistas radiofônicas e outros materiais críticos ao conceito de Estado de bem-estar, e esse material foi globalizado pela rede de terrorismo mediático dos grandes conglomerados cartelizados.

Independente das causas reais que impulsaram a socialdemocracia a instaurar o Estado de bem-estar nos países do centro capitalista, especialmente na Europa ocidental, o que contrariava o capitalismo era a regulação das relações capital-trabalho, as políticas redistributivas e os serviços de educação e saúde gratuitos, além da fortaleza dos sindicatos e das organizações populares.

Com os governos de Margaret Thatcher no Reino Unido, e de Ronald Reagan nos Estados Unidos, vieram os processos de privatização, desindustrialização, desregulação, estrangeirização e demolição do Estado de bem-estar, o que significava sobretudo desregular o mercado de trabalho. Mas seu maior sucesso foi, como expressou a própria Thatcher, o de fazer até mesmo os partidos socialdemocratas europeus se converterem ao credo neoliberal – além do britânico Tony Blair, o espanhol Felipe González também foi um exemplo destacado dessa virada de casaca.

As atividades da Rede Atlas começaram em 1981, na cidade de San Francisco, a partir de um sujeito chamado Anthony Fisher, que começou a desenhado o emaranhado de redes e fundações que o público percebia como instituições acadêmicas e imparciais. Logo, cresceram as filiais – com diferentes nomes – em outros países, especialmente os da América Latina e da Europa Oriental, após o fim da União Soviética.

Resultado de imagen para Fundação Eléutera

 

Em 1991, a direção da Atlas passou às mãos do argentino-estadunidense Alejandro Chafuen, que havia apoiado o golpe militar de 1976 na Argentina e desde então dedica sua vida à destruição dos movimentos e governos progressistas na América Latina.

Gigantes corporativos como a ExxonMobil e Mastercard se uniram aos doadores da Atlas, que se “prestigiou” com figuras destacadas entre os ultraliberais, como as fundações associadas com o investidor John Templeton (fundos abutre) e os megamilionários irmãos Charles e David Koch. Assim começaram a surgir as numerosas fundações e organizações conservadoras que hoje compõem a rede.

A administração de Donald Trump está repleta de ex-alunos de grupos relacionados com a Atlas e amigos da rede. Sebastian Gorka, assessor islamofóbico de contraterrorismo de Trump, dirigiu um grupo de reflexão respaldado pela Atlas na Hungria. O vice-presidente Mike Pence já assistiu a eventos da Atlas. A secretária de Educação estadunidense Betsy DeVos liderou (junto com Chafuen) o Instituto Acton, um grupo de reflexão de Michigan que desenvolvia argumentos religiosos a favor das políticas dos ultraliberais, e que agora mantém uma filial no Brasil, o Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista.

Mas a figura principal da rede hoje é Judy Shelton, economista que assumiu a direção da Fundação Nacional para a Democracia (NED, por sua sigla em inglês), após ser conselheira da campanha de Trump. Para Chafuen, o caminho está traçado: mais grupos de reflexão, mais esforços para dizimar governos esquerdistas e mais devotos e alunos da Atlas elevados aos mais altos níveis de governo em todo o mundo.

Entre outras atividades, a Rede Atlas produz vídeos virais no YouTube que difundem a propaganda ultraliberal, para contribuir com a reconfiguração do mapa político da América Latina – funcionando, portanto, como um braço da política imperialista estadunidense.

Vários líderes ligados à Atlas obtiveram notoriedade ultimamente: ministros do governo conservadorResultado de imagen para Movimento Brasil Livre argentino, senadores bolivianos e dirigentes do Movimento Brasil Livre (MBL) que ajudaram a derrubar a presidenta constitucional Dilma Rousseff? de acordo com Lee Fang em um relatório abrangente no The Intercept.

A rede ajudou a alterar o poder político em diversos países e se tornou uma extensão da política exterior dos Estados Unidos – os think tanks associados à Atlas são financiados pelo Departamento de Estado e pela NED organismo importante do soft power estadunidense, patrocinado pelos ultraconservadores irmãos Koch.

A NED e o Departamento de Estado contam com entidades públicas que funcionam como centros de operação e distribuição de parâmetros e fundos, como a Fundação Pan-Americana para o Desenvolvimento (PADF, em sua sigla em inglês), a Freedom House e a Agência de Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (conhecida como USAid), e são os principais entes que estipulam as diretrizes e os recursos, exigindo resultados concretos na guerra assimétrica que promovem.

A Rede Atlas conta com 450 fundações e grupos de reflexão e pressão, e com um orçamento operativo de 5 milhões de dólares (2016), graças às contribuições de organizações “sem fins de lucro” associadas, que apoiaram as diferentes frentes estabelecidas em cada país como o MBL no Brasil e a Fundação Pensar na Argentina, que foi o principal think tank da Atlas no apoio ao partido PRO (Proposta Republicana), criado por Mauricio Macri; além das forças de oposição na Venezuela e o candidato da direita nas eleições presidenciais chilenas, Sebastián Piñera.

Ao todo, a Rede Atlas possui 13 entidades afiliadas no Brasil, 12 na Argentina, 11 no Chile, 8 no Peru, 5 no México e na Costa Rica, 4 no Uruguai, Venezuela, Bolívia e Guatemala, 2 na República Dominicana, Equador e El Salvador, e uma na Colômbia, no Panamá, Bahamas, Jamaica e Honduras.

Os líderes do MBL e os da Fundação Eléutera – um grupo de “especialistas” neoliberais extremamente influente no cenário pós-golpe hondurenho – receberam financiamento da Atlas e formam parte da nova geração de figuras políticas que passaram pelos seminários de treinamento nos Estados Unidos.

A extrema direita “moderna” é o movimento libertário de extrema direita, que hoje navega sob a bandeira do republicanismo, e que baseia o seu acionar numa deliberada estratégia de desinformar as maiorias para impor suas políticas plutocráticas.

O impulsor deste movimento é o multimilionário Charles Koch, que adotou a tese de James McGill Buchanan – economista da Universidade de Chicago e Prêmio Nobel de economia de 1986 – para desarmar o Estado progressista, com uma estratégia operativa em defesa da santidade dos direitos de propriedade privada e da superação dos modelos estatais. Segundo ele, para que o capitalismo prospere é preciso cercear a democracia.

Entre as organizações mais importantes financiadas por Koch está o Centro Internacional para a Iniciativa Privada (CIPE, em sua sigla em inglês), filiado à NED. O CIPE teve um papel primordial no crescimento e na difusão das ideias da Rede Atlas, além de ser uma das forças principais que atuam para manter os diferentes membros conectados em todo o mundo.

No Brasil

As entidades que trabalharam juntas para atacar as políticas distributivas do Partido dos Trabalhadores (PT) manipularam um grande número de escândalos de corrupção, criaram centros acadêmicos e treinaram ativistas para o combate permanente nos meios e através das redes sociais, para dirigir a maior parte da revolta contra Dilma Rousseff, exigindo sua derrubada e o fim das políticas de bem-estar social.

Os meios internacionais comparam a revolta brasileira com o movimento estadunidense Tea Party, devido ao apoio tácito dos conglomerados industriais locais e uma nova rede de atores midiáticos de extrema direita e tendências conspiratórias. Helio Beltrão, executivo de um fundo de investimentos de alto risco que agora dirige o Instituto Mises (recebeu o nome do filósofo ultraconservador Ludwig von Mises), diz que, com o apoio da Rede Atlas, agora existem cerca de 30 instituições no Brasil “sem fins de lucro” atuando e colaborando entre si, como é o caso do MBL.

Entre elas, pode-se destacar:

– O Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista do Rio de Janeiro, um think tank religioso da Atlas que desenvolve argumentos teológicos para políticas que beneficiem os empresários e os negócios. O centro reproduz o modelo do Instituto Acton. Seu diretório editorial inclui Alejandro Chafuen e o advogado Ives Gandra da Silva Martins, que preparou o ofício para o processo que levou ao impeachment de Dilma Rousseff, e os argumentos da defesa para impedir um processo semelhante contra o seu sucessor, o golpista Michel Temer.

Resultado de imagen para instituto milenium brasil– O instituto Millenium, think tank jurídico, também do Rio de Janeiro, que promove atividades para favorecer soluções de livre mercado no Brasil. O grupo foi fundado em 2006 e recebe financiamento de várias grandes corporações com sede no país: Bank of America, Merryll Lynch, Grupo RBS, Gerdau e Am-Cham Brazil, o grupo de empresas estadunidenses no país. O Instituto Millenium foi particularmente ativo na promoção das manifestações de rua contra a presidenta Dilma Rousseff.

– O Instituto Liberal, fundado em 1983 por Donald Stewart Jr., magnata da construção e ativista libertário, que fez boa parte da sua fortuna com contratos ligados à USAid no Brasil, durante a ditadura militar. Este instituto estava entre os primeiros sócios da Rede Atlas na América Latina. Foi financiado parcialmente pela NED e pela CIPE.

É como um time de futebol: a defesa é a academia e os políticos são os atacantes. No meio de campo estão os que produzem conteúdo cultura, e são os encarregados do manejo midiático e da desinformação e manipulação da opinião pública.

Essas entidades patrocinam blogueiros e comentaristas incendiários, entre eles Rodrigo Constantino, conhecido como o Breibart brasileiro – Breitbart News Network é um portal de ultradireita abertamente libertário e pró Israel, criado pelo empresário Andrew Breitbart, durante uma visita a Tel Aviv, em 2007. Constantino polariza a política brasileira com uma retórica ultra sectária. Propenso a permanentes teorias conspirativas, ele preside o Instituto Liberal e popularizou uma narrativa segundo a qual os defensores do PT seriam uma “esquerda caviar”, ricos hipócritas que abraçam o socialismo para se sentir moralmente superiores, mas que na verdade desprezam as classes trabalhadoras que afirmam representar.

A “breitbartização” do discurso é apenas uma das muitas formas sutis pelas quais a Rede Atlas influi no debate político.

Fernando Schüler, acadêmico e colunista associado ao Instituto Millenium, se encarrega de atacar os 17 mil sindicatos do país, e afirma que “com a tecnologia, as pessoas poderiam participar diretamente, organizando por WhatsApp, Facebook e YouTube uma espécie de manifestação pública de baixo custo” (é o que ele entende como participação popular).

A Rede Atlas se dedica precisamente a isso: oferecer bolsas e ajudar para novos grupos de reflexão e laboratórios de ideias, com cursos realizados em todo o mundo, dedicando recursos especiais para induzir os libertários de ultradireita a influir na opinião pública através das redes sociais e vídeos online.

Conclusão

É verdade que o desempenho da direita no primeiro turno eleitoral foi impressionante e trouxe surpresas, como a eleição de figuras identificadas com o bolsonarismo nos governos estaduais e em cargos do Legislativo. Há três semanas, o quadro eleitoral estava definido, com as candidaturas de centro e de esquerda (não opostas ao PT de Lula da Silva) com 42% dos votos, enquanto a soma dos candidatos anti PT mostravam quase 57,6%.

Hoje, há uma consciência no Brasil de que Bolsonaro é apenas o cartão de visitas de algo muito maior, o ultraliberalismo transnacional. O segundo turno será no dia 28 de outubro e apresenta às forças de esquerda o mesmo desafio: construir um bloco democrático, vital para defender a democracia e frear o fascismo.

►Sobre o mesmo assunto, leia Esfera de influência: como os libertaristas de EUA estão reinventando a política latino-americana, por Lee Fang





Courtesy of Estrategia.la
Source: http://estrategia.la/2018/10/08/brasil-la-internacional-capitalista-impuso-su-candidato/
Publication date of original article: 08/10/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=24263

 

Tags: Atlas NetworkInternacional libertaristaBolsonaroBrasilAbya Yala
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.