TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 19/09/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / Índia, Rússia e o século pós-US-americano
Date of publication at Tlaxcala: 10/09/2018
Original: India, Russia and the Post-USAmerican Century

Índia, Rússia e o século pós-US-americano

MK Bhadrakumar

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

A compra pendente, pela Índia, do sistema russo de mísseis S-400 passou a ser o motivo central decisivo, do diálogo "2+2" dos ministros de Relações Exteriores e Defesa da Índia e dos EUA marcados para 6 de setembro em Nova Delhi. Mas a questão aqui não é só questão de defesa. Há outras ramificações geopolíticas muito mais amplas.

O xis da questão é que a Lei de Sanções contra Adversários dos EUA [ing. Countering America’s Adversaries Through Sanctions Act, CAATSA], convertida em lei pelo presidente dos EUA Donald Trump em agosto de 2017, põe sob risco as duradouras relações de defesa entre Índia e Rússia, graças às quais se negociam muitos itens de defesa. O xis da ameaça que vem pela lei CAATSA está nas Seções 231 e 235 da lei. A Seção 231 exige que o presidente dos EUA imponha sanções contra qualquer entidade que "se engaje em transação significativa" com os setores de inteligência e defesa da Rússia. A Seção 235 proíbe transações em dólares dos EUA (moeda atualmente usada nos negócios de armas entre Índia e Rússia.)

 

India to buy S-400 missiles from Russia

O presidente russo Vladimir Putin e o primeiro-ministro Narendra Modi na 17ª cúpula anual Índia-Rússia em Goa em outubro de 2016. Foto: Prashant Nakwe

Agora, o Congresso dos EUA autorizou o presidente a não aplicar a lei, sob condições extremamente limitadas – quer dizer, desde que possa demonstrar que a autorização visa fundamentalmente a interesses da segurança nacional dos EUA; que o país em questão tomou "medidas demonstráveis" para reduzir sua dependência em defesa da Rússia; e que o país está cooperando para promover os interesses estratégicos críticos dos EUA. Na verdade, a lei CAATSA cria um 'privilégio' a quem se dedique a preservar a hegemonia global dos EUA, que ultrapassa em muito o objetivo declarado de impor sanções à Rússia por causa da Crimeia.

Tudo isso considerado, qual o verdadeiro plano de jogo do governo Trump? No nível mais amplo, Washington estima que o relacionamento Índia-Rússia já não é o que foi, e o atual momento pode ser oportuno para enfraquecê-lo e miná-lo a de dentro para fora. Daí que o gambito, logo na abertura das conversações visa a pressionar Delhi, 'declarando' desde já que a compra do sistema S-400 geraria grave risco para a parceria estratégica entre EUA e Índia – o que poderia ser muito sensível, num momento quando a ascensão da China e suas posições cada vez mais assertivas estão lançando toda a região do Indo-Pacífico num fluxo de incertezas – e a Índia, em particular.

 

 

Nessa narrativa, a solução estaria em Delhi suspender o negócio do S-400 com a Rússia e substituí-lo por um sistema norte-americano. (O mesmo que Washington aconselhou à Turquia.)

Mas acontece que os EUA nada têm a oferecer que se pareça, mesmo remotamente, com o S-400 com seu alcance máximo de (~400 km) e altitude de até (~29 mil m) que satisfazem os parâmetros que interessam à Índia para defesa antiaérea que lhe permita fazer frente à ameaça de a China atravessar a cordilheira do Himalaia.

Curiosamente, os norte-americanos também reconhecem que o S-400 é insuperável, no critério satisfazer as especificações da Força Aérea da Índia. Na opinião de um especialista na Carnegie Endowment for International Peace:

"Os EUA não possuem hoje qualquer sistema sequer comparável ao S-400. Isso, basicamente, porque o país não investe em mísseis estratégicos desde o início da Guerra Fria (...) As armas terra-ar dos EUA, pelo mesmo motivo, são de dois tipos: sistemas de longo alcance dirigidos principalmente contra mísseis balísticos de defesa, ou sistemas de curto alcance reservados principalmente contra aviação inimiga sobrevivente que seja ameaça a forças norte-americanas em solo. Assim sendo, não temos sistemas que atendam ao que a Índia deseja, em termos de defesa aérea de longo alcance."

Assim sendo, por que os EUA pressionam a Índia para que não compre o S-400? A questão é que vendas de defesa são ferramenta vital na estratégia dos EUA para construir relacionamento de longo prazo e interoperabilidade com a Índia, como parte do sistema de uma nova aliança no Indo-Pacífico.

Dito de outro modo, as compras de defesa que a Índia faz de materiais russos (que é, de longe, principal parceiro da Índia) impacta a estratégica dos EUA, que visam a alinham os militares indianos com os EUA e respectivas forças armadas, e com os aliados dos EUA no Indo-Pacífico. Ao contrário, encomendas de grande escala, como do sistema S-400 de mísseis, criarão relacionamento novo entre Índia e Rússia, que se manterá por gerações  com militares dos dois lados trabalhando juntos enquanto a plataforma existir, em operações de manutenção e treinamento.

Isso posto, os EUA estão perseguindo estratégia de longo termo, criando plataformas partilhadas com as forças armadas da Índia que contribuem para gerar interoperabilidade militar. A intenção aqui é que ao mesmo tempo em que as duas forças armadas habituam-se ao mesmo equipamento, também desenvolvem uma compreensão partilhada da doutrina, da dinâmica de comando e controle e procedimentos padrão de operações, resultado de planejamento e treinamento planejados e executados em conjunto. Dito em termos mais simples: sem que a Índia perceba, os EUA obterão um ponto a favor deles quando a Índia estiver "amarrada" e tornar-se aliada obrigatória dos EUA, fazendo o jogo de meio de campo para Washington, em suas estratégicas no Indo-Pacífico.

Contudo, parece que Washington está sentindo que o governo de Modi dificilmente desistirá de comprar o S-400, não importam pressões, táticas e chantagens que os EUA tentem. Por seu lado, Delhi também compreende que a Estratégia de Segurança Nacional dos EUA define a Rússia como potência "revisionista", e que o objetivo oculto de Washington é minar o duradouro e já testado no tempo relacionamento entre Índia e Rússia.

Assim sendo, com a firme decisão de dar andamento no negócio do míssil S-400 com a Rússia, o primeiro-ministro Narendra Modi enviou mensagem importante, ampla e clara a Washington. A decisão de Modi augura futuro auspicioso e papel de destaque para a Índia num século "pós-norte-americano". Mas nem tudo está resolvido.

Fundamentalmente, Delhi precisa rejeitar com firmeza a tentativa dos EUA de se intrometerem no relacionamento Índia-Rússia, servindo-se da [lei] CAATSA. Nos últimos tempos, os lobbyistas pró-EUA na Índia têm proposto que Índia e EUA devem investir em "pensamento criativo" para mitigar os desafios impostos pela [lei] CAATSA. Mas é ideia perfeitamente ridícula.

A Índia não está impondo qualquer restrição aos EUA no que tenha a ver com acesso ao mercado dos nem lhes nega o direito de disputar em arena justa. Além do mais, a CAATSA é lei norte-americana, aplicada muito claramente para objetivos geopolíticos. Quem negociaria com uma Matrix?

A Índia estará em terreno escorregadio, ladeira abaixo, se aceitar discutir com os EUA o seu próprio relacionamento de defesa Índia-Rússia, em discussão caso a caso. Será afronta à soberania e ao autorrespeito da Índia, admitir que os EUA palpitem sobre o relacionamento do país com a Rússia.





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://www.strategic-culture.org/pview/2018/09/04/india-russia-and-post-american-century.html
Publication date of original article: 04/09/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=24036

 

Tags: India-Rússia-China-EUADeclínio do Império dos EUAPutin-Modi
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.