TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 19/10/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 LAND OF PALESTINE 
LAND OF PALESTINE / O árabe foi idioma oficial do Estado de Israel por 70 anos, dois meses e cinco dias. Dia 19/7/2018, deixou de ser
Date of publication at Tlaxcala: 23/07/2018
Original: Arabic was an official language in Israel for 70 years, 2 months, and 5 days
Translations available: Español 

O árabe foi idioma oficial do Estado de Israel por 70 anos, dois meses e cinco dias. Dia 19/7/2018, deixou de ser

Michael Schaeffer Omer-Man

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Não há razão prática para a mudança e, de fato, a “Lei do Estado-nação judeu” que aboliu o árabe como idioma oficial, garante basicamente que o árabe conservará todas as vantagens de idioma oficial, apesar de o título ter-lhe sido usurpado.

"Apenas judeus", por Carlos Latuff

Assim sendo, por que alterar o status quo do idioma árabe nos últimos mais de 70 anos? Porque, como muitas vezes acontece, o que a lei diz e o fato de ela dizer são mais importantes do que o que a lei faz.

Pode-se considerar a Lei do Estado-nação judeu a partir de dois pontos de vista. Há a mensagem que a lei envia aos judeus: uma afirmação positiva de Israel como o estado-nação judeu; como pátria dos judeus; como estado dos judeus; uma mensagem nacionalista de autoafirmação que diz 'esse país é de vocês, judeus, e só de vocês'.

A outra mensagem, ao contrário, é dirigida aos palestinos e diz: essa não é terra de vocês; esse país não pertence a vocês, e não interessa que algum palestino seja cidadão de Israel e viva na terra de seus bisavós ou que seja refugiado e anseie por voltar à terra dos bisavós; a cultura de vocês, o seu idioma ancestral, a história de vocês será, no máximo, tolerada – aqui não é casa de vocês, aqui não é a pátria de vocês.

A Lei do Estado-nação judeu diz, implícita e explicitamente, que Israel não pertence a todos os próprios cidadãos, dentre os quais mais de 20% não são judeus. A lei declara, isso sim, que Israel pertence ao povo judeu... do qual a metade não são cidadãos israelenses.

É o mesmo que dizer que a lei torna constitucional um contrato social pervertido e de exclusão. Quando praticamente todos os estados democráticos extraem a legitimidade para governar do consentimento dos próprios cidadãos... um de cada cinco cidadãos israelenses estão sendo expulsos do contrato social do estado judeu. Porque o consentimento de um de cada cinco cidadãos israelenses – os árabes palestinos – passa a ser desconsiderado para efeito de governança nacional. É a definição do estado de apartheid.

Claro. Governar sem o consentimento dos cidadãos tem sido a regra, não a exceção, para a maioria dos palestinos que vivem sob o regime israelense pelos últimos 70 anos. De 1948 até 1966 Israel pôs os árabes cidadãos israelenses sob um regime militar que controlou sempre ferozmente cada movimento, da educação à política e aos jornais.

Nos 51 anos que transcorreram desde então, milhões de palestinos não cidadãos israelenses nos territórios ocupados foram forçados a viver sob a violência de uma ditadura militar antidemocrática. Assim também, as centenas de milhares de palestinos que vivem na “Jerusalém unificada” tampouco têm direito de votar. O consentimento jamais foi parte do pacote destinado aos palestinos que vivem sob o tacão de Israel. Ninguém nem tentou fingir que alguém tivesse concordado com alguma coisa.

Por todas essas razões, ninguém sequer conseguiu fingir qualquer surpresa ante a Lei Nacional do Estado-nação judeu. Os princípios que agora são elevados ao status constitucional, já circulam na região há tanto tempo quanto o país agora definido. O fato de que siga trajetória previsível não diminui, contudo, o perigo que advém da nova lei.

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://972mag.com/arabic-was-an-official-language-in-israel-for-70-years-2-months-and-5-days/136769/
Publication date of original article: 19/07/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=23855

 

Tags: Lei do Estado-nação judeuSupremacismo judeuApartheid sionistaPalestina/Israel
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.