TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 19/07/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / A palavra-chave no show Trump-Kim
Date of publication at Tlaxcala: 16/06/2018
Original: The key word in the Trump-Kim show

A palavra-chave no show Trump-Kim

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

 

O reality-TVshow geopolítico de Trump-Kim – para alguns, evento surreal – recebeu atenção sem igual nos anais da diplomacia internacional. Será difícil superar a cena em que o presidente dos EUA abre um iPad e mostra a Kim Jong-un um trailer estiloso à moda dos filmes de ação classe "B" dos anos 1980s – completado com a efígie de Sylvester Stallone – em que os dois líderes são apresentados como heróis destinados a salvar os 7 bilhões de habitantes do planeta.

Longe da TV, o ex-"Homem Foguete", hoje já tratado respeitosamente por Trump como "Chairman Kim", marcou formidável gol de placa, ao fazer varrer completamente a temida sigla CVID – de "completa, verificável e irreversível desnuclearização" – do texto final da declaração conjunta.

Ao longo das negociações pré-encontro, a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) sempre destacou uma estratégia de "ação em troca de ação" para chegar à desnuclearização, com Pyongyang recebendo compensações a cada passo do caminho, em vez de só haver compensações depois de a desnuclearização estar completada – processo que pode demorar mais de uma década.

A declaração conjunta de Singapura consagra exatamente o que a parceria estratégica Rússia-China – formalizada na recente reunião de cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (OCX) – já vinha sugerindo desde o início: congelamento recíproco.

A RPDC abstém-se de quaisquer n ovos testes nucleares e de mísseis, e EUA e Coreia do Sul param com seus "jogos de guerras" (como disse Trump, "war games").

Esse desdobramento lógico do mapa do caminho sino-russo baseia-se no que o presidente da Coreia do Sul Moon Jae-in decidiu, em comum acordo com Kim Jong-un, na cúpula intercoreana realizada em abril último. E isso se conecta com o que a Coreia do Norte, a Coreia do Sul e a Rússia já haviam discutido na cúpula do Extremo Oriente em Vladivostok em setembro passado, como Asia Times noticiou (traduzido aqui), de integração econômica entre a Rússia e as duas Coreias, incluindo a conexão crucialmente importante entre uma futura ferrovia Trans-coreana e a Trans-siberiana.

Mais uma vez, tudo aí tem a ver com a integração da Eurásia; maior comércio entre Coreia do Norte e Nordeste da China, mais diretamente com as províncias de Liaoning, Jilin e Heilongjiang; e total conexão física das duas Coreias com as regiões centrais da Eurásia.

É ainda mais uma instância de encontro das Novas Rotas da Seda, ou Iniciativa Cinturão e Estrada (ICE), com a União Econômica Eurasiana (UEE). E não por acaso a Coreia do Sul quer conexão cada vez mais profunda com os dois blocos, da ICE e da UEE. Qualquer dúvida, releia a "Declaração de Panmunjom pela paz, prosperidade e unificação da península coreana", de 27/4/2018


A declaração conjunta de Singapura não é acordo: é declaração. O item absolutamente chave é o n.3: "Reafirmando a Declaração de Pahmunjom de 27/4/2018, a RPDC compromete-se a trabalhar para a completa desnuclearização da Península Coreana."

Significa que EUA e RPDC trabalharão rumo à desnuclearização não só da RPDC, mas de toda a Península Coreana.

Muito mais que isso, em "…a RPDC compromete-se a trabalhar para a completa desnuclearização da Península Coreana", as palavras-chave são de fato "Reafirmando a Declaração de Pahmunjom de 27/4/2018".

Mesmo antes de Singapura, todos sabiam que a RPDC não se "desnuclearia" [ing. "de-nuke", terminologia de Trump) em troca de nada, especialmente quando só recebera dos EUA vagas "garantias".

Como se podia prever e previu-se, os dois lados, neoconservadores e imperialistas humanitários dos EUA estão unanimente babando de fúria, imprecando contra a falta de "carne" na declaração conjunta. Verdade é que há ali muita carne. Singapura reafirma a Declaração de Panmunjom, que é acordo entre as duas Coreias.

Ao assinar a declaração conjunta de Singapura, Washington foi dado por notificado quanto à Declaração de Panmunjom. Em termos de lei, quando você é notificado de um fato você deixa de poder dizer, adiante, que 'não sabia' ou que 'nem quero saber'. O compromisso da RPDC de abrir mão de seu armamento nuclear nos termos da declaração de Singapura é reafirmação de seu compromisso nos termos da Declaração de Panmunjom, naqueles termos, não em outros termos, com todas as condições associadas àqueles termos. E Trump confirma esse entendimento, ao assinar a Declaração de Singapura.

A Declaração de Panmunjom destaca que: "A Coreia do Sul e a Coreia do Norte confirmaram o objetivo comum de alcançar, através da desnuclearização completa, uma península coreana livre de armas nucleares. A Coreia do Sul e a Coreia do Norte compartilham a opinião de que as medidas iniciadas pela Coreia do Norte são muito importantes e cruciais para a desnuclearização da península coreana e concordaram em buscar ativamente o apoio e a cooperação da comunidade internacional para alcançar a desnuclearização da península coreana."

Esse é o compromisso. "Comunidade internacional", como todos sabem, é palavra em código para "EUA o Grão Decididor Universal." Se Washington não retirar seus militares da Coreia do Sul, não haverá desnuclearização. Na essência, foi esse o acordo discutido entre Kim e Xi Jinping nos dois encontros crucialmente importantes que tiveram antes da reunião de Singapura. Tirem os EUA da península, e podem contar com ela.

É isso. A palavra-chave na declaração conjunta de Singapura, para a qual deve convergir o foco é "reafirmando".

 






Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.atimes.com/article/the-key-word-in-the-trump-kim-show/?cn-reloaded=1
Publication date of original article: 13/06/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=23596

 

Tags: Trump-KimEUA-RPDC
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.