TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 21/11/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / O blues do Mundial na Rússia: EUA detestam ser postos à margem de grandes eventos
Date of publication at Tlaxcala: 08/06/2018
Original: Russia’s World Cup blues are only to be expected

O blues do Mundial na Rússia: EUA detestam ser postos à margem de grandes eventos

MK Bhadrakumar

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Eventos esportivos são grandes ocasiões para projetar "soft power". Adolf Hitler realizou os Jogos Olímpicos de Berlin em 1936 para projetar a imagem de uma Alemanha benigna, amante da paz. Todo o ocidente acorreu a participar, sem qualquer reserva.

O presidente russo, Vladimir Putin e o presidente da FIFA, Gianni Infantino, visitam o Estádio Fisht, que sediará partidas da Copa do Mundo de 2018 em Sochi. Foto: Reuters / Sputnik / Aleksey Nikolskyi / Kremlino

Mas quando se trata da Rússia, o legado dos dois eventos lá realizados vem envolto em controvérsia política – os Jogos Olímpicos de Verão de 1980 em Moscou e os Jogos Olímpicos de Inverno de 1994 em Sochi.

Em 1980, o ocidente liderado pelos EUA boicotou o evento, em protesto contra a intervenção dos soviéticos no Afeganistão. E em 1994, o ocidente roubou os holofotes dos Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, depois da mudança de regime na Ucrânia, que gerou uma cascata de sanções dos EUA e da União Europeia contra a Rússia.
Mas Vladimir Putin é confesso homem dos esportes, e a Rússia vê-se agora como anfitriã do evento esportivo mais charmoso do planeta – a Copa do Mundo de Futebol da FIFA 2018, de 14/6 a 15/7.

Moscou deve ter respirado aliviada, porque dessa vez não há boicote ocidental e três equipes europeias são de fato as favoritas para levar o troféu, com as casas de aposta prevendo a vitória de Alemanha (9/2), França (11/2) e Espanha (7/1). O presidente francês Emmanuel Macron disse em São Petersburgo semana passada que planeja visitar novamente a Rússia, se a França chegar à final.

Contudo, a grande questão é se Washington admitirá que Putin se beneficie de uma Copa do Mundo bem-sucedida. Os russos devem estar roendo unhas, sem tirar os olhos, ansiosos, de Síria e Ucrânia. Da Síria, pode vir qualquer tipo de 'evento', de qualquer lado – um ataque terrorista, algum ataque humilhante contra algum interesse russo importante ou algum movimento mais alucinado dos militares norte-americanos ativos na Síria. Mas a probabilidade é baixa.

A Rússia está em alerta máximo e está cobrindo atualmente os pontos cruciais na Síria. Em semanas recentes, grandes aviões russos de carga têm sido vistos entregando grandes quantidades de armas. Em termos políticos também, os alinhamentos na Síria são de tal ordem que é altamente improvável qualquer arrufo mais grave, ali, entre Rússia e o ocidente.

O 'Homem do ocidente em Kiev'

Movimento grave para criar embaraços para Putin nas semanas vindouras só pode vir da Ucrânia. A região a ser vigiada dia e noite é o Donbass. Há preparativos em curso – sabe-se de mais armas da OTAN e mais mercenários chegando à Ucrânia, o que não pode ser mera ostentação.

O presidente Viktor Poroshenko precisa desesperadamente obter para si as boas graças dos EUA e da UE, num momento em que se esvai qualquer interesse que tivessem nele. É hoje muitíssimo impopular, com menos de 6% de aprovação, e com eleições presidenciais previstas para março do ano que vem. Qualquer reaquecimento da guerra no Donbass o ajudaria a renascer como o 'Homem do ocidente em Kiev'.

Sem dúvida, se houver novos conflitos sangrentos no Donbass, Moscou poderá também esquecer qualquer esperança de um recomeço com a UE, especialmente Alemanha e França. Uma grande onda de opinião pública na Europa pode chegar ao ponto de exigir mais sanções punitivas contra a Rússia, o que seria uma dádiva para que os EUA começassem a tentar reafirmar sua liderança transatlântica, num momento em que se ouve na Europa o rugido surdo do recuo do euro-atlanticismo. Putin entrará na arapuca se intervir no Donbass e também entrará na arapuca se não acorrer para ajudar os separatistas falantes de russo naquela região.

Interessante é que o Conselho de Segurança da ONU reabriu anteontem, dia 29/5, o arquivo Ucrânia, para discutir um suposto envolvimento da Rússia na derrubada de um avião comercial, em 2014 sobre o Donbass. A embaixadora dos EUA Nikki Haley só faz falar sobre o envolvimento da Rússia no leste da Ucrânia e sua "pretendida anexação da Crimeia". Haley não esqueceu de dizer e repetir que os EUA trabalham em íntima relação com França e Alemanha para dar uma lição ao Kremlin.

E avisou: "Até que a Rússia ponha fim em suas escandalosas ações na Ucrânia, a posição dos EUA não cederá (…) Até que a Rússia devolva a Península da Crimeia ao controle ucraniano, continuarão as sanções norte-americanas relacionadas à invasão da Crimeia. E até que a Rússia retire suas forças do leste da Ucrânia e honre os compromissos que assumiu em Minsk, nossas sanções em resposta aos erros flagrantes de conduta dos russos no leste da Ucrânia serão mantidas."

As palavras de Haley derrubam quaisquer esperanças que os russos acalentem de que a Copa do Mundo da FIFA gere soft power. Qualquer recrudescimento de tensões no Donbass pode servir de pretexto para que Washington atenda ao pedido da Polônia e estabeleça uma base militar permanente norte-americana naquele país, incluindo uma divisão completa de blindados.

Varsóvia ofereceu $2 bilhões para ajudar a montar a infraestrutura. Dia 29/5, o Kremlin declarou que qualquer desses "passos expansionistas" resultará em contramedidas a serem implantadas pelos russos para reequilibrar a paridade."

Os russos devem estar lamentando que a equipe de futebol dos EUA tenha sido eliminada nas fases iniciais da Copa do Mundo da FIFA, depois de retumbante derrota (2-1) diante do esquadrão de Trinidad e Tobago, o que reduziu o nível de interesse do público norte-americano. Mas a parte realmente preocupante é que Tio Sam detesta ser jogado à margem de qualquer evento mundial. 

Há 80 anos





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.atimes.com/article/russias-world-cup-blues-are-only-to-be-expected/
Publication date of original article: 31/05/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=23516

 

Tags: Copa do Mundo Rússia 2018Esporte & políticaEUA-Rússia-UcrâniaNova Guerra Fria
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.