TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı

 16/10/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 LAND OF PALESTINE 
LAND OF PALESTINE / A Palestina brasileira: Liberdade x Apartheid
Date of publication at Tlaxcala: 22/01/2018
Translations available: Français  Deutsch  Italiano  Español 

A Palestina brasileira: Liberdade x Apartheid

Neusa Maria Pereira

 

Assisti à estreia na TV do documentário “A Palestina Brasileira”,com roteiro e direção do cineasta e jornalista Omar L. de Barros Filho. Trabalho terno, relevante, informativo e atual, lastreado em emotivos relatos e lembranças de personagens, que se alternam de modo ágil e hábil, dando ritmo ao filme.Focado na vida de famílias palestinas residentes no Rio Grande do Sul, com raízes ainda vigorosas na Palestina ocupada, o documentário evidencia a diferença abissal entre as existências dos imigrantes em diáspora e as dos parentes e amigos que permanecem na terra natal. Revela-se um grito de liberdade contra o chocante apartheid ao qual está submetido o povo palestino, marcado há décadas pela indiferença e pelo preconceito de boa parte do mundo.

Trata-se de uma reflexão sobre a imensa distância entre a paz e a guerra,a dominação e a liberdade, o ódio e a compaixão, o existir e o morrer, enfim, o eterno conflito entre a violência e a natureza da condição humana. Aqui, no Brasil, o acolhimento solidário, tolerante e compreensivo. O despertar diário sem o assombro de bombardeiosdestruidores de lares e famílias. Aqui, ventos soprando em direção à prosperidade no comércio, nas profissões liberais, na possibilidade de mandaros filhos às escolas e às universidades, no andar tranquilo pelas ruas longe dos olhares cortantes de militaresraivosos. Barreiras de preconceito inexistem, a saudade dá lugar ao direito de sobreviver em paz. Lá, na Palestina, a história é outra.

O documentário é poético. Deixa transparecer a amabilidade e a insistência de vidas exasperadasem reencontrar a felicidade perdida para a invasão ultrajante.As imagens, os testemunhos e as memórias levam-nos a querer caminhar por aqueles caminhos de pedras desgastadas pelo tempo.Lembram o lugar por onde, talvez, segundo a história,Cristo andou a pregar o amor,um sentimento esquecido pelos opressores. Também estes já foram vítimas, mas agora cobram contas de quem nada lhes deve. A câmera passeia pela indignação percebida nas muralhas de cimento,teimosamente manchadas com palavras pela paz, contra a guerra e pela liberdade. Expressão rústica, apressada, de um povo que procura resistir contra aqueles que já não são cúmplices do sagrado.

No quase deserto onde habitam os palestinos, o verde é escasso,traduz-se em árvores baixas, magras, com destaque para as oliveiras, cujas azeitonasgarantem o alimento e a renda para milhares de famílias. Mas até a colheita se torna impossível por normas proibitivas de Israel e pela ação dos colonos israelenses, que as cortam sem piedade. Limitadas pelos muros e checkpoints, ainda eles,sempre eles, as cidades se apresentam, uma a uma, tímidas, inquietas. Mercados coloridos, produtos em certa desordem, o que encantao espectador pela simplicidade e pela diversidade das gentes que por ali transitam. O filme registra olhares amorosos apesar dos infortúnios, amizades fortalecidas por suas ligações com a terra crucificada.

“A Palestina Brasileira” éum impulso na luta contra a dominação de um povo sobre outro, nodesejo de igualdade entre os cidadãos do mundo.A fotografia, de ângulos largos, permite que a visão corra por montanhas e por prados cor de areia. Já as sequências em preto e branco,retalhos de antigos jornais cinematográficos, representam uma Palestina antiga,tradicional, e documentam os momentos cruciaisda chegada dos sionistas ocupantes, amargas recordações.

Em oposição, as imagens em cores jogam luzes sobre a reconstrução de vidas e de lugares. A tristeza não se impõe à beleza das narrativas, da incessante resistência à explotação e à injustiça. A trilha sonora encanta pela suavidade melancólica que nos penetra a mente, auxiliando na viagem,ao mesmo tempo, real e mística.  A suavidade dos momentos revelados poupa-nos das imagens trágicas da Cisjordânia e de Gaza. Gaza, sob cerco, é o cenáriomais agudo onde os palestinos travam luta de vida e morte contra o apartheid.

Terminada a presentação do documentário “A Palestina Brasileira”, o Canal Curta! exibiu, logo após, programa sobre a vida de Nelson Mandela, fazendo-me pensar nas semelhanças da opressão sofrida pelos sul-africanos e palestinos. Espero que encontrem alguém como Mandela para ajudá-los a apressar o caminho da libertação. Que o espírito do líder inesquecível paire sobre a terra conhecida como santa que, por direito divino ou não, pertence a todos. Por tudo isso, saúdo o roteirista e diretor Omar L. de Barros Filho por mais esta realização de inestimáveis valores artísticos e humanitários.





Courtesy of Sul21
Source: https://www.sul21.com.br/jornal/palestina-brasileira-liberdade-x-apartheid-por-neusa-maria-pereira/
Publication date of original article: 16/01/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=22529

 

Tags: A Palestina brasileiraOmar L. de Barros FilhoPalestina-BrasilPalestina/IsraelOcupação sionistaImigrantes palestinos
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.