TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 21/04/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ASIA & OCEANIA 
ASIA & OCEANIA / Coreia-EUA: Resposta para um enigma envolto em mistério
Date of publication at Tlaxcala: 11/01/2018
Original: USA-DPRK: Finding the answer to a riddle shrouded in a mystery

Coreia-EUA: Resposta para um enigma envolto em mistério

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Conversações intracoreanas de alto nível na cidade de Panmunjeom na fronteira são passo vital na diplomacia dos Jogos Olímpicos de Inverno, mas também oferecem excitante chance para uma abertura em discussões que estão hoje paralisadas no 'grupo dos seis'.

Em contraste gritante com a chuva usual de tuítos, o presidente Donald Trump dos EUA até disse ao presidente Moon-Jae-in da Coreia do Sul que a reunião poderia levar a resultado positivo.

Dentre outras, há a possibilidade de que Seul e Pyongyang retomem as trocas de civis. A 'linha vermelha' entre as duas Coreias pode ser reaberta, bem como a Região Industrial Conjunta de Kaesong, fechada em 2016.

Outra possibilidade é que se revigorem as conversações dos seis (China, Rússia, Japão, Coreia do Sul, EUA e Coreia do Norte).

Além dos Jogos de Inverno, a feroz divisão entre Norte e Sul, é claro, não será superada, ainda que o líder norte-coreano Kim Jong-un tenha destacado que seu país não recorrerá a soluções nucleares, se seu regime não for atacado por "forças hostis".

Parece confiante de que os EUA não atacarão preventivamente com armas nucleares, por causa da capacidade de contenção que o Norte tem. Assim sendo, a pergunta é: onde se posicionará a China, depois das conversações de Panmunjeon?

Rumores de que Pequim ter-se-ia resignado a enfrentar guerra iminente entre Washington e Pyongyang jamais mereceram qualquer crédito. Sem sombra de dúvida, uma das posições tiradas no 19º Congresso do Partido Comunista da China em outubro passado foi que o Presidente Xi Jinping protegeria o complexo relacionamento de Pequim com Washington, bem como os relacionamentos com grandes parceiros comerciais da China em toda a Ásia.

Mas não significa necessariamente abandonar completamente a República Popular Democrática da Coreia. O imperativo estratégico número 1 para Pequim é manter o país como almofada de proteção contra a presença dos EUA no Nordeste da Ásia. Uma península coreana reunificada, com soldados norte-americanos plantados junto à fronteira noroeste da China é algo que tem de ser evitado a qualquer custo.

https://www.caglecartoons.com/media/cartoons/23/2017/04/20/194579_600.jpg

Confronto direto

Mas também significa evitar qualquer escalada que possa levar a confronto direto com os EUA. Assim, se pode dizer que Xi concluiu que os negócios com os EUA superam em muito qualquer apoio incondicional à Coreia do Norte, que em nada faz avançar os interesses de Pequim.

Um alto conselheiro do governo chinês, professor Shi Yinhong, descreveu a Coreia do Norte, em expressão que ganhou fama, como uma "bomba relógio". Assim sendo, fizeram-se planos que foram implementados. Importante aí foi a construção de uma rodovia de seis pistas entre Shuangliao, cidade na província ocidental de Jilin, passando por Ji’an, cidade que tem nível de município na região central de Jiangxi, e daí até a fronteira da Coreia.

Pode ser interpretada como um mapa do caminho para proteger o arsenal nuclear do Norte, em caso extremo. Envolveria o fim da dinastia Kim ou um movimento para Pequim promover uma mudança de regime em Pyongyang – tema que se discute há anos nos think tanks chineses.

Na verdade, esse cenário conecta-se com sugestões de que o Exército Popular de Libertação da China não interfira nem no caso de os EUA lançarem ataque preventivo. Oficialmente porém a posição de Pequim favorece a desnuclearização da península coreana.

Assim começaria um mecanismo de "duplo congelamento", permitindo o diálogo entre Washington e Pyongyang. Pequim está agudamente consciente de que conter o programa nuclear do Norte terá efeito direto na modernização militar do Japão e da Coreia do Sul. China também tem alto interesse em melhorar as relações com Seul.

Vídeo: Trump está conseguindo progressos com a RPDC?

Desce 1953, existe apenas um tênue armistício na península coreana. E nenhum ator geopolítico fez qualquer esforço para alterar esse status quo. Afinal de contas, qualquer marola geraria um abalo tectônico no tabuleiro de xadrez geopolítico no Pacífico Asiático, com consequências imprevistas.

Mas agora uma Coreia do Norte nuclear está mudando a dinâmica entre EUA e China na região, mudança que se intensifica com a deriva da Rússia para o oriente. E, claro, há o Japão e a Coreia do Sul, duas grandes potências econômicas.

Por mais que o Norte possa temer o impacto em seu próprio mercado interno no caso de ser massacrado geoeconomicamente por Pequim, não é excesso de fantasia imaginar Kim, com vistas a obter as simpatias de Washington, disposto a meter uma cunha nas Novas Rotas de Seda da China, hoje conhecidas como Iniciativa Cinturão e Estrada.

Assim como Trump, Kim pode até nem ser um líder dos mais estrelados. Mas com certeza sabe – segundo pensa o Pentágono –, que o Pacífico Ocidental, combinado com o Oceano Índico, é absolutamente estratégico para que a China seja contida.

Estudos como o de Michael Green, By More Than Providence: Grand Strategy and American Power in the Asia Pacific Since 1783 deixam perfeitamente claro que os EUA não tolerarão que outra potência estabeleça "hegemonia exclusiva".

Mesmo assim Washington não sabe nem por onde começar a negociar com a Coreia do Norte. Rússia e China opõem-se a qualquer solução militar que possa interferir em seus objetivos geopolíticos. Simultaneamente, Pyongyang quer ser aceita como potência nuclear e ator chave no tabuleiro de xadrez do Pacífico-Asiático.

Ataque devastador

Tudo isso considerado, só há três possibilidades sobre a mesa. A primeira é ataque preventivo devastador, com forças nucleares, além de aéreas e marítimas. Isso levaria a perda de número imenso de vidas, não só no Norte, mas também em Seul, que estaria dentro da área de tiro de Kim.

As conversações em Panmunjeon são prova ainda mais convincente de que o presidente Moon está fazendo tudo que esteja ao seu alcance para impedir uma marcha rumo à guerra.

A segunda opção é aceitar a Coreia do Norte como potência nuclear sob controle internacional estrito de EUA, China, Rússia, Japão e Coreia do Sul. A desescalada teria de incluir um acordo que congelasse o programa nuclear do Norte.

Há sinais de que canais secretos usados pelo secretário de Estado dos EUA Rex Tillerson permanecem abertos. Essa redenção improvável de um estado nuclear bandido, porém, significaria alteração mínima do status quo. E além do mais daria à China enorme vantagem na região.

A terceira opção, por fim, é admitir que o problema é insolúvel; converter Kim em ator racional e deixar que o Norte conserve sua bomba. O regime de Kim nesse caso seria avisado de que qualquer tentativa para usar a bomba resultaria em "fogo e fúria".

É o que se pode chamar de a arte do não acordo.





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.atimes.com/article/finding-answer-riddle-shrouded-mystery/
Publication date of original article: 09/01/2018
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=22449

 

Tags: China-Coreai-EUA
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.