TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 21/01/2018 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UMMA 
UMMA / Renúncia de Saad Hariri não é o que parece
Date of publication at Tlaxcala: 17/11/2017
Original: Saad Hariri’s resignation as Prime Minister of Lebanon is not all it seems
Translations available: Français 

Renúncia de Saad Hariri não é o que parece

Robert Fisk

 

Quando o jato de Saad Hariri pousou em Riad na noite de 3 de novembro, a primeira coisa que ele viu foi um grupo de policiais sauditas cercando o avião. Entraram no avião e confiscaram o celular de Saad e dos seus guarda-costas. Foi o que bastou para silenciar o primeiro-ministro do Líbano.

Renúncia de Hariri, por Naji Banaji

Foi momento dramático, afinado com o drama de novelão que se viu na Arábia Saudita durante a semana passada: 11 príncipes postos em prisão domiciliar – inclusive o imensamente milionário Alwalid ben  Talal – e quatro ministros e zilhões de outros lacaios do governo anterior, para nem falar no confisco e congelamento de mais de 1.700 contas bancárias. A "Noite das Facas Longas" do príncipe coroado Mohamed ben  Salman realmente começou à noite, quatro horas depois de Hariri chegar a Riad. Assim sendo, que diabos o príncipe coroado está querendo?

Dito sem meias palavras, está derrubando todos os rivais e – como temem os libaneses – tentando destruir o governo em Beirute, forçar a expulsão do Hezbollah xiita do gaben ete governante e reiniciar uma guerra civil no Líbano. Não dará certo, porque os libaneses – embora menos ricos – são muito mais inteligentes que os sauditas. Todos os grupos políticos no país, inclusive o Hezbollah, estão exigindo uma única coisa: Hariri tem de voltar. Quanto à Arábia Saudita, os que disseram que a revolução árabe algum dia chegaria a Riad – não com a ascensão de alguma minoria xiita, mas com guerra dentro da família real sunita wahhabita – assistem aos eventos da semana passada ao mesmo tempo em choque e em pavor.

Mas voltando a Hariri. Na 6ª-feira 3 de novembro, participava de reunião do gaben ete em Beirute. Então recebeu um telefonema: tinha de ver o rei Salman da Arábia Saudita. Hariri, que como seu pai Rafiq assassinado tem dupla cidadania saudita e libanesa, partiu imediatamente. Ninguém deixa algum rei esperando, mesmo que tenha conversado com ele apenas uns poucos dias antes, como Hariri. E especialmente quando o reino deve à empresa "Oger" de Hariri a espantosa soma de $9 bilhões, motivo pelo qual a situação é tal que todos falam da "Arábia Saudita na lona (sem vintém)".

Mas eventos mais extraordinários estavam a caminho. De repente, sem mais nem menos, e para total choque dos ministros libaneses, Hariri, lendo texto escrito, anunciou no sábado, pelo canal de televisão Arabia – fiquem livres para adivinhar qual dos reinos do Golfo é dono desse canal –, que renunciava ao cargo de primeiro-ministro do Líbano. Houve ameaças contra sua vida, disse ele – embora os serviços de segurança em Beirute não tivessem notícia de ameaça alguma –, e que o Hezbollah deveria ser desarmado e que em todos os pontos nos quais o Irã interferiu no Oriente Médio fez-se o caos.

À parte o fato de que ninguém desarmará o Hezbollah sem provocar guerra civil – será que o exército libanês deveria atacar o Hezbollah, sabendo-se que os xiitas são a maior das minorias no país (e muitos deles estão no Exército)? Hariri jamais usara aquelas palavras. Quer dizer: Hariri lia, mas não escrevera aquilo. Como disse essa semana alguém que o conhece bem, "não era ele falando".

Em outras palavras, os sauditas mandaram o primeiro-ministro do Líbano renunciar e noticiar a renúncia em alto e bom som, falando de Riad.

Devo acrescentar, claro, que a esposa e a família de Hariri estão em Riad. Assim, ainda que ele retorne a Beirute, os demais ficarão em Riad como reféns. Assim, depois de já uma semana dessa espantosa farsa política, já há em Beirute quem fale de pôr o irmão mais velho de Saad Hariri, Bahaa, no gaben ete, no lugar do outro. Mas e quanto ao próprio Saad? Alguns conseguiram falar com ele na casa que mantém em Riad, mas Hariri só disse umas poucas palavras. "Diz 'voltarei' ou 'estou bem', e só, só isso, o que é absolutamente estranho vindo dele", diz alguém que deve saber do que fala. E se Hariri realmente voltar? Chegará para contar que foi coagido a renunciar, que foi chantageado? Os sauditas poderiam arriscar-se tanto?

Certo é que Hariri não sabia o que estava para acontecer. Até marcou reuniões em Beirute para a 2ª-feira seguinte – com o FMI, o Banco Mundial e várias discussões sobre melhoria da qualidade da água; não são movimentos de alguém que estivesse planejando renunciar ao posto de primeiro-ministro. Contudo, as palavras que leu – escritas para que ele as lesse – estão perfeitamente alinhadas com os discursos do príncipe coroado Mohamed ben  Salman e com o insano presidente dos EUA que fala com igual ira contra o Irã, bem como o secretário norte-americano da Defesa.

Claro que a história real é a que se passa lá, na própria Arábia Saudita, dado que o príncipe coroado rompeu para sempre o grande compromisso que há no reino: entre a família real e o clericato, e entre as tribos. Essa sempre foi a base pétrea sobre a qual ou o país manteve-se de pé, ou desabou. E, agora, Mohamed ben  Salman reduziu a farelo aquela base pétrea. Está liquidando os inimigos – desnecessário dizer que o expurgo está sendo feito sob a fantasia de um "plano anticorrupção", instrumento que ditadores árabes sempre usaram para destruir adversários políticos.

Não se ouvirão protestos de Washington ou Londres, cujo desejo de partilhar o desmonte da Aramco saudita (outro dos projetos do príncipe coroado) fará calar qualquer ideia de protesto ou de controle de danos. E, dada a cobertura de bajulação que os discursos recentes do príncipe coroado receberam no New York Times, desconfio que aquele veterano órgão jornalístico absolutamente não se deixará preocupar muito com o golpe saudita de estado. Porque que é golpe, não há dúvidas: é.

No início do ano, foi a demissão do ministro do Interior; agora, Mohamed ben  Salman livra-se do poder financeiro de seus adversários.

Mas até os homens mais cruéis podem ser simultaneamente humildes. Hariri foi autorizado a ver o rei – motivo original pelo qual ele supôs que estivesse sendo chamado a Riad – e até visitou o príncipe dos Emirados Árabes Unidos essa semana, nação aliada dos sauditas que o impediriam de meter-se num voo para Beirute. Mas por que, diabos, Hariri desejaria ir aos Emirados? Para provar que está livre para viajar, mesmo sem conseguir voltar ao país que ele supostamente governaria?

 

O Líbano está sempre passando pela maior crise de todos os tempos desde a mais recente maior crise. Mas dessa vez é de verdade.

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.independent.co.uk/voices/lebanon-prime-minister-saad-hariri-resignation-not-all-seems-quits-resigns-surprise-saudi-arabia-a8045636.html
Publication date of original article: 09/11/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=22080

 

Tags: Saad HaririLíbanoAl Walid Ben TalalMohamed Ben SalmanUSAudia
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.