TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 20/10/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / O exemplo do “Che ” Guevara inspirará milhões de militantes do mundo
Date of publication at Tlaxcala: 09/10/2017
Original: L’exemple de “Che” Guevara inspirera des millions de militants de par le monde
Translations available: Italiano 

O exemplo do “Che ” Guevara inspirará milhões de militantes do mundo

Ernest Mandel Эрнест Мандель(1923-1995)

Translated by  José André Lôpez Gonçâlez

 

Texto em galego

Editorial do xornal trotskista belga "La Gauche" (A Esquerda), n.º 39, 21 de Outubro de 1967

A humanidade progressista vem de sofrer uma terrível perda: Ernesto «Che» Guevara não existe já. Morreu no combate, como Jaurès, como Karl Liebknecht e Rosa Luxemburgo, como Durruti e Trotski. Tal como era ele, não esperaria outra morte que esta.

A revolução cubana e latino-americana perde um dos seus principais dirigentes; nós perdemos um camarada muito caro. Todos os que se lhe aproximaram, de perto ou de longe, foram conmovidos polo seu idealismo, a sua coragem, a sua franqueza e a sua lhaneza. Com Fidel Castro, e melhor do que qualquer outro no mundo de hoje, soube reencarnar as virtudes essencias do revolucionário que o estalinismo tinha substituído por uma caricatura repugnante: a lealdade prioritária quanto aos deserdados de todo o mundo; a lucidez sem falha que não respeita nenhum dogma; a resolução bravia de pôr os seus actos em concordância com as suas convicções. Director do Banco do Estado cubano, assinou os bilhetes bancários com o simples pseudónimo de «Che», para patentear bem o desprezo fundamental que qualquer socialista tem de ter para o dinheiro. Persuadido de que o caminho das guerrilhas era o único meio adequado para a vitória da revolução na América Latina, ele próprio partiu para o combate, junto aos seus camaradas bolivianos. Marx que luitou toda a sua vida pola unidade da teoria e da prática orgulharia-se dele.

Os cínicos ou desenganados que pasmaram de que um dirigente como o «Che» luitasse em primeira linha e suspeitaram alguma «maquinação política»; simplesmente provam que não conhecem nem podem compreender os homens como Guevara. Outros veem na sua morte a confirmação de que não teria sido mais que um «aventureiro irresponsável»; os «responsáveis» dignos de louvor não são outros, sem dúvida, que aqueles que sentados nas suas poltronas, não correm qualquer risco.

Ernest Mandel com Che Guevara, em Cuba, c. 1963

Outros ainda dirão que «pregando a violência», «morreu pola violência». Não entenderão jamais que ele morreu para livrar os vietnamitas de uma chuva ininterrupta de bombas mortíferas, que ele morreu para tirar milhões de meninos do seu continente da morte prematura, por centenas de milhões de afligidos por doenças crueis e inúteis, sentenciados por um regimem já condenado pola história.

A reacção triunfa. Os generais bolivianos, com as mãos vermelhas do sangue dos mineiros do seu país, celebram a morte do «intruso estrangeiro». Os trabalhadores bolivianos pregarão a memória deste «estrangeiro», que deu a sua vida pola sua libertação.

Os gritos de vitória dos agentes imperialistas traduzem bem o seu pânico e a sua cobardia. «A guerrilha era um grave perigo»; «a guerrilha está vencida». Nescios! Podeis matar um homem. Não podeis matar uma ideia que enterra as suas raízes na realidade social mais profunda.

Milhares de bolivianos, de peruanos, de colombianos, de argentinos, de operários, de estudantes, de camponeses, de intelectuais da América Latina, apanharão o fuzil que o «Che» deixou cair das suas mãos agonisantes. O seu nome tornou-se já uma bandeira e um programa, um apelo à revolta que retumba de lés a lés os cinco continentes. As vossas miseráveis mascaradas não demorarão [adiarão] um dia o momento do vosso desmoronamento. O exemplo do «Che» estimulará milhões de revolucionários a tirar a imundice, a redobrar o fervor na luita contra o imperialismo e o capitalismo.

Nós choramos um grande amigo, um camarada exemplar, um militante heroico. Porém sabemos que a sua causa é invencível. Ele entrou vivo na história que cobrirá de desprezo o nome dos seus assassinos. Porque encarna esta Revolução, esta emancipação definitiva do Trabalho e do Homem para a que toda a realidade da nossa época proclama o que dera como epitáfio outra grande víctima de verdugos embrutecidos, Rosa Luxemburgo: ERA, SOU, E SEREI!

Rene Mederos

 





Courtesy of MIA
Source: http://www.ernestmandel.org/new/ecrits/article/l-exemple-de-che-guevara-inspirera
Publication date of original article: 07/10/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=21721

 

Tags: Ernesto Che Guevara
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.