TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 23/10/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ASIA & OCEANIA 
ASIA & OCEANIA / Plano Rússia-China para RPDC: estabilidade, conectividade
Date of publication at Tlaxcala: 20/09/2017
Original: The Russia-China plan for North Korea: stability, connectivity
Translations available: Español 

Plano Rússia-China para RPDC: estabilidade, conectividade

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Moscou trabalhou incansavelmente construindo acordos que expandam a para o oriente a conectividade eurasiana. A questão é como convencer a RPDC a jogar o jogo.

O resultado de 15x0 no Conselho de Segurança da ONU para impor novo conjunto de sanções à Coreia do Norte de algum modo obscurece o papel crítico desempenhado pela parceria estratégica Rússia-China, a "RC", no núcleo duro do grupo BRICS.

As novas sanções são duríssimas. Incluem redução de 30% nas exportações de petróleo cru e refinado para a RPDC; ficam proibidas as exportações de gás natural; exportações de tecidos produzidos na Coreia do Norte (que valeram ao país US$760 milhões, em média, ao longo dos últimos três anos); e todo o planeta fica proibido de conceder vistos para trabalhar a cidadãos da RPDC (atualmente, há mais de 90 mil deles trabalhando no exterior).

Mas está longe do que desejava o presidente Trump dos EUA, segundo um rascunho de resolução do Conselho de Segurança vazado semana passada. Lá se incluía congelamento de todos os bens e proibição de deixar o país para Kim Jong-un e outros oficiais da RPDC listados, e "itens relacionados a Armas de Destruição em Massa", à moda das sanções aplicadas ao Iraque. A resolução autorizaria estados membros da ONU a interditar, abordar e inspecionar navios norte-coreanos em águas internacionais (o que equivale a uma declaração de guerra); e por fim, mas não menos importante, total embargo ao petróleo.

"RC" deixaram claro que vetariam qualquer resolução vazada nesses termos. O ministro Sergey Lavrov, de Relações Exteriores da Rússia, disse ao evanescente secretário de Estado dos EUA Rex Tillerson que Moscou não aceitaria na Resolução nada menos que linguagem relacionada a "ferramentas políticas e diplomáticas para buscar vias pacíficas para resolver conflitos." Quanto ao embargo do petróleo, o presidente Vladimir Putin disse que "cortar o suprimento de petróleo para a Coreia do Norte pode causar danos a pessoas hospitalizadas e outros cidadãos comuns."

As prioridades da parceria estratégica "RC" são claras: "estabilidade" em Pyongyang; nada de 'mudança de regime'; nada de alteração drástica no tabuleiro de xadrez geopolítico; nada de crise monstro de refugiados.

Nada disso impede que Pequim pressione Pyongyang. Sucursais do Banco da China, China Construction Bank e do Agricultural Bank of China na cidade de Yanji na fronteira nordeste proibiu cidadãos da RPDC de abrirem novas contas. As contas existentes ainda não foram congeladas, mas depósitos e remessas de dinheiro foram suspensos.

Para ir logo ao coração da matéria, porém, é preciso examinar o que aconteceu semana passada no Fórum Econômico Oriental em Vladivostok – cidade localizada a meros pouco mais de 300 km da área de testes de mísseis da RPDC, em Punggye-ri.

Tudo tem a ver com a Ferrovia Trans-Coreana

Em marcado contraste com a retórica belicosa do governo Trump e do Departamento de Estado, o que "RC" propõe são essencialmente conversações de 5+1 (Coreia do Norte, China, Rússia, Japão e Coreia do Sul, plus EUA) em território neutro, como diplomatas russos já confirmaram. Em Vladivostok, Putin fez esforço gigante para dispersar a histeria militar e alertar para a evidência de que qualquer passo além de sanções seria "convite para o túmulo". Em vez disso, propôs acordos/negociações comerciais.

Praticamente sem qualquer notícia na mídia-empresa ocidental, o que aconteceu em Vladivostok é realmente e radicalmente novo. Moscou e Seul concordaram quanto a uma plataforma comercial trilateral, que envolveria crucialmente Pyongyang, para investir em conectividade entre toda a península coreana e o Extremo Oriente da Rússia.

O primeiro-ministro Moon Jae-in da Coreia do Sul propôs a Moscou construir nada menos que "nove pontes" de cooperação: "Nove pontes significam as pontes de gás, ferrovias, a Rota do Mar do Norte, estaleiros (construção de navios).criação de grupos de trabalho, agricultura e outros tipos de cooperação."

Crucialmente decisivo, Moon acrescentou que a cooperação trilateral visará a projetos conjuntos no Extremo Oriente da Rússia. Ele sabe que "o desenvolvimento daquela área promoverá a prosperidade de nossos dois países e também ajudará a mudar a Coreia do Norte, e a criar a base para a implementação dos acordos trilaterais."

Contribuindo também para a entente, os ministros de Relações Exteriores do Japão Taro Kono e da Coreia do Sul Kang Kyung-wha, ambos, destacaram a "cooperação estratégica" com "RC".

A geoeconomia complementa a geopolítica. Moscou também se aproximou de Tóquio com a ideia de construir uma ponte entre as nações. Com isso, o Japão ficaria fisicamente ligado à Eurásia – e ao vasto carrossel de comércio e investimento oferecido pelas Novas Rotas da Seda, também conhecidas como Iniciativa Cinturão e Estrada e pela União Econômica Eurasiana (UEE). E complementaria o acalentado plano de conectar a Ferrovia Trans-Coreana à Trans-Siberiana

Seul quer uma rede ferroviária que a conecte fisicamente à vasta ponte de terra eurasiana, o que faz perfeito sentido comercial para a 5ª maior economia exportadora mundial. Prejudicada pelo isolamento da Coreia do Norte, a Coreia do Sul está efetivamente sem contato, por terra, com a Eurásia. A resposta aí é a Ferrovia Trans-Coreana.

Moscou é fortemente favorável a esse plano, e Putin já observou que "podemos entregar gás pelo gasoduto russo à Coreia e integrar as linhas de transmissão de energia e ferrovias da Rússia, da Coreia do Sul e da Coreia do Norte. A implementação dessas iniciativas não será apenas economicamente benéfica, mas também ajudará a construir confiança e estabilidade na Península Coreana."

A estratégia de Moscou, como a de Pequim, é conectividade: o único modo de integrar Pyongyang é mantê-la envolvida em cooperação econômica via a conexão Trans-Coreana-Trans-Siberiana, oleodutos e gasodutos e o desenvolvimento de portos norte-coreanos.

A delegação da RPDC em Vladivostok pareceu concordar. Mas ainda não. Segundo o ministro de Assuntos Econômicos Externos da Coreia do Norte, Kim Yong Jae: "Não nos opomos à cooperação trilateral [com Rússia e Coreia do Sul], mas a situação não é adequada para implementá-la." Implica que, para a RPDC a prioridade é a mesa de negociação dos 5+1.

Ainda assim, o ponto crucial é que ambas as capitais, Seul e Pyongyang foram a Vladivostok, e conversaram com Moscou. Pode-se dizer que a questão chave – o armistício que não pôs fim à Guerra da Coreia – terá de ser trabalhada por Putin e os coreanos, sem nos norte-americanos.

Enquanto o jogo de sanções sobe e desce como as marés, a estratégia maior da parceira estratégica "RC" é clara – um movimento que visa à conectividade eurasiana. A questão é como convencer a RPDC a jogar o jogo.





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.atimes.com/article/russia-china-plan-north-korea-stability-connectivity/
Publication date of original article: 13/09/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=21584

 

Tags: RPDCDos CoreiasRússiaChinaEUABRICSFerrovia Trans-Coreana JapãoIniciativa Cinturão e Estrada (BRI)
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.