TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 20/09/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / Putin chegou com a verdadeira bomba BRICS: "Mundo multipolar justo"
Date of publication at Tlaxcala: 07/09/2017
Original: The real BRICS bombshell
Translations available: Français 

Putin chegou com a verdadeira bomba BRICS: "Mundo multipolar justo"

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

O encontro de cúpula anual dos BRICS em Xiamen – cidade da qual o presidente Xi Jinping já foi prefeito – não poderia acontecer em contexto geopolítico mais incandescente.

Mais uma vez, é essencial ter em mente que o núcleo duro real atual dos BRICS é "RC": a parceria estratégica Rússia-China. Assim sendo, no tabuleiro de xadrez da península coreana, o contexto RC – com os dois países partilhando fronteiras com a República Popular Democrática da Coreia – é primordial.

Pequim impôs um veto definitivo à guerra – do qual o Pentágono sabe muito bem.

O sexto teste nuclear de Pyongyang, embora planejado muito antes, aconteceu apenas três dias depois de dois bombardeios estratégicos B-1B dos EUA terem feito o seu próprio "teste" acompanhados de quatro jatos F-35Bs e uns poucos F-15s japoneses.

Qualquer pessoa que conheça o tabuleiro de xadrez da península coreana sabia que haveria resposta da DPRK a esses testes que mal disfarçaram a intenção de "decapitação".

Assim sendo, a coisa volta à única proposta firme que há sobre a mesa: o "congelamento duplo", ideia de RC. Congelam-se os exercícios militares de EUA/Japão/Coreia do Sul; congela-se o programa nuclear da Coreia do Norte; a diplomacia assume o comando das operações.

A Casa Branca, por sua vez, evocou apavorantes "capacidades nucleares" como mecanismo para solução de conflito.

Vamos garimpar ouro no Amazonas?

No front do Doklam, pelo menos Nova Delhi e Pequim decidiram, depois de dois meses tensos, a favor de "desengajamento rápido" das respectivas tropas de fronteira. Essa decisão estava diretamente conectada à reunião dos BRICS, que se aproximava, na qual os Índia e China corriam o risco de grave vexame em horário nobre.

O primeiro-ministro indiano Narendra Modi já tentara antes o mesmo gambito, ano passado, antes da reunião dos BRICS em Goa. Naquela ocasião, exigia firmemente que o Paquistão fosse declarado "estado terrorista". Os parceiros RC vetaram tudo devidamente.

Modi também boicotou ostensivamente a reunião da Iniciativa Cinturão e Estrada em Hangzhou em maio passado, essencialmente por causa do Corredor Econômico China-Paquistão.

Índia e Japão sonham com fazer frente à Iniciativa Cinturão e Estrada dos chineses, com um projeto de arremedo de conectividade, o Corredor de Crescimento Ásia-África (CCAA). Mas crer que o CCAA – com apenas uma fração do alcance, do fôlego, do objetivo e do dinheiro com que conta a Iniciativa Cinturão e Estrada – poderia roubar os holofotes é mergulhar até o fundo em território de pensamento desejante-delirante.

Mesmo assim, Modi emitiu alguns sinais positivos em Xiamen: "Estamos em ritmo de missão para erradicar a pobreza, para garantir saúde, condições satisfatórias de esgoto e limpeza, habilidades, segurança alimentar, igualdade de gêneros, energia, educação." Sem esse esforço mastodôntico, os ambiciosos sonhos geopolíticos da Índia chegarão mortos ao hospital.

O Brasil, por sua vez, está imerso em tragédia sociopolítica de dimensões apocalípticas, "liderado" por uma não entidade draculesca e corrupta, Temer O Usurpador. Michel Temer chegou a Xiamen doido para empurrar para investidores chineses os "seus" 57 grandes projetos de privatizações – acrescidos com área para minerar outro dentro de uma reserva natural na Amazônia com o tamanho de uma Dinamarca. Acrescente-se a isso a austeridade de sufoco do gasto social e feroz legislação anti-trabalhadores, e aí está o retrato do Brasil hoje governado por Wall Street. O nome do jogo é saquear e recolher os ganhos do saque o mais rapidamente possível.

O Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS (NBD) – contraparte do Banco Mundial – é, naturalmente, incansavelmente criticado pelo governo dos EUA. Xiamen mostrou como o NBD está apenas começando a financiar projetos BRICS. É erro compará-lo com o Banco Asiático de Infraestrutura e Investimento, BAII. O NBD investirá em diferentes tipos de projetos; o BAII estará mais diretamente focado na Iniciativa Cinturão e Estrada. O objetivo dos dois é complementar.

'BRICS Plus' ou morte!

No palco global, os BRICS já são grave incômodo para a ordem unipolar. Xi disse polidamente em Xiamen que "nossos cinco países devem ter participação mais ativa na governança global".

Na sequência, Xiamen iniciou "diálogos" com México, Egito, Tailândia, Guiné e Tadjiquistão; é parte do mapa do caminho para o "BRICS Plus" – conceito construído por Pequim, proposto em março passado pelo ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, para parceria/cooperação crescentes.

Pode-se constatar mais uma instância do "BRICS Plus" no possível lançamento ainda antes do final de 2017, da Parceria Regional Econômica Compreensiva (PREC) – sobre os escombros da falecida Parceria Trans-Pacífico.

Diferente do que dizem e repetem sem parar torrentes de 'especialistas' ocidentais, a PREC não é "liderada" pela China. O Japão faz parte dela – assim como também Índia e Austrália, ao lado de dez países da Associação das Nações do Sudeste Asiático, ANSA. A questão candente é que tipo de jogos Nova Delhi pode estar jogando para manter separada a PREC, para boicotar a Iniciativa Cinturão e Estrada.

Patrick Bond em Johannesburg desenvolveu crítica importante, segundo a qual "forças econômicas centrífugas" estariam quebrando os BRICS, por ação da superprodução, dívida excessiva e a desglobalização. Para ele, seria "o fracasso do capitalismo centrípeto que Xi deseja."

Mas não tem de ser necessariamente assim. Jamais subestimem o poder do capitalismo centrípeto – especialmente quando a Iniciativa Cinturão e Estrada alcançar alta rotação.

Conheçam a tríade petróleo/yuan/ouro

Mas é quando o presidente Putin começa a falar que os BRICS revelam toda a potência de sua verdadeira bomba. Geopoliticamente e geoeconomicamente, Putin põe toda a ênfase num "mundo multipolar justo" e "contra os protecionismos e novas barreiras no comércio global." É mensagem que vai direto ao ponto.

Claro que a ação na Síria, que mudou completamente o jogo – quando Pequim em silêncio mas firmemente apoiou Moscou – teria de ser relembrada: "foi graças aos esforços da Rússia e de outros países afetados que se criaram as condições para melhorar significativamente a situação na Síria. Desfechamos golpe potente contra os terroristas e lançamos as bases do movimento na direção de acordo político para que o povo sírio volte a viver em paz."

Quanto à península coreana, é claro que a dupla RC pensa em uníssono: é "onde aumentaram recentemente as tensões e a situação oscila à beira de conflito de grande escala".

A avaliação de Putin é tão refinada e certeira quanto a solução proposta (proposta de Rússia-China) é firme: "a política de pressionar Pyongyang para que ponha fim ao seu programa nacional de mísseis nucleares é mal orientada e sem serventia. Os problemas da região só serão superados mediante diálogo direto que envolva todas as partes sem precondições."

O conceito de ordem multilateral de Putin – e de Xi – é claramente visível na "Declaração de Xiamen", que propõe um "processo de paz e reconciliação nacional "liderado pelos afegãos" e que "pertença aos afegãos", "incluindo o Formato Moscou de consultas" e o "processo Coração da Ásia-Istanbul".

É a senha para solução completamente afegã asiática (e não 'ocidental'), negociada pela Organização de Cooperação de Xangai (OCX), liderada pela parceria RC, e da qual o Afeganistão é observador e em breve será membro pleno.

E foi quando Putin enunciou o xis da questão: "A Rússia partilha as preocupações dos países BRICS relacionadas à arquitetura econômica e financeira mundial, injusta e desigual, que não dá a consideração devida ao peso das economias emergentes. Estamos prontos a trabalhar com nossos parceiros para promover reformas na regulação financeira internacional, para superar a dominação excessiva do número limitado de moedas de reserva."

"Para superar a dominação excessiva do número limitado de moedas de reserva" é a formulação mais polida possível para dizer o que os BRICS discutem já há anos: como contornar o dólar norte-americano e o petrodólar.

Pequim está pronto a elevar o jogo um degrau acima. Em breve a China lançará um contrato futuro para petróleo cru precificado em yuan e conversível para ouro.

Significa que a Rússia – assim como o Irã, o outro nodo chave da integração eurasiana – podem contornar as sanções dos EUA negociando energia em suas próprias moedas, ou em yuan. Inscrito nesse movimento está um autêntico ganha-ganha à chinesa: o yuan será plenamente conversível em ouro nas duas bolsas, de Xangai e de Hong Kong.

A nova tríade de petróleo, yuan e ouro é realmente ideia de ganha-ganha. Não há problema algum se todos os fornecedores de energia preferirem ser pagos em ouro físico, em vez de yuan. A mensagem chave é que o dólar norte-americano foi deixado de lado.

A parceria RC – via o Banco Central da Rússia e o Banco do Povo da China – já há algum tempo vêm desenvolvendo swaps rublo-yuan.

Uma vez que isso tudo se estenda e alcance países que aspiram a ser membros de dos "BRICS Plus", e daí para todo o sul global, a reação de Washington muito provavelmente será nuclear (esperemos que não literalmente).

A doutrina estratégica de Washington determina que de modo algum será possível admitir que a parceria RC venha a ser preponderante sobre a massa de terras da Eurásia. Mas o que os BRICS têm guardado em termos geoeconômicos não diz respeito só à Eurásia – mas a todo o Sul Global.

Setores do Partido da Guerra em Washington dedicados a instrumentalizar a Índia contra a China – ou contra a parceria RC – podem estar a caminho de um amargo despertar. Embora os BRICS enfrentem hoje ondas variadas de torvelinho econômico, fato é que o mapa do caminho de longo prazo, muito além da Declaração de Xiamen, já está, sim, em plena implantação.

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.atimes.com/article/real-brics-bombshell/
Publication date of original article: 05/09/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=21444

 

Tags: 9.ª Cúpula BRICSChina
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.