TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 11/12/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UMMA 
UMMA / Trump pode terceirizar a guerra no Afeganistão
Date of publication at Tlaxcala: 09/08/2017
Original: Trump may outsource the Afghan war

Trump pode terceirizar a guerra no Afeganistão

MK Bhadrakumar

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Num importante comunicado à imprensa em Manila, ontem, 2ª-feira, o secretário de Estado dos EUA Rex Tillerson falou sobre a revisão do caso Afeganistão que está sendo feita pelo governo Trump, e sugeriu fortemente que os ventos podem estar soprando a favor de pôr fim àquela guerra que já chega aos 16 anos. Disse Tillerson:

  • "Já tivemos até agora três sessões no Conselho de Segurança Nacional explorando várias opções. E quando digo "várias", digo todo o quadro, a paisagem completa... Acho que isso reflete as deliberações que queremos levar a cabo. O presidente fez perguntas que me parecem muito muito focadas e são boas perguntas. São as perguntas certas que temos de responder, e talvez sejam questões que, no passado, ninguém se interessou por levantar.
  • Quanto às perguntas – as pergunta que nos fez, queremos dar-lhe boas respostas, completas, e análises completas que acompanhem as respostas, uma visão realista de como provavelmente será o futuro.
  • E acho que queremos analisar pelo tempo que nos pareça necessário, uma análise completamente integrada, da Comunidade de Inteligência aos planejadores militares e aos canais diplomáticos, de como isso se desdobra e para onde vai a coisa. Uma coisa é dizer vamos continuar a luta porque estamos – porque não há alternativa. Sempre há outras possibilidades.
  • Assim, o presidente nos pediu para explorar tudo, e acho que o fato de estarmos trabalhando sem correria, para tentar chegar a uma solução realista é – ter visão clara de com o que estamos lidando em campo, e sempre muito honestos conosco mesmos sobre expectativas de futuro, acho que é – que atende também ao interesse do povo norte-americano. É área muito, muito – vocês sabem – muito dura, 16 anos, 17 anos que estamos lá. Dizer que vamos seguir fazendo o que fizemos até aqui, o presidente não quererá aceitar isso, por isso nos fez essas perguntas duras, e o Conselho de Segurança está trabalhando diligentemente as melhores respostas possíveis.


A declaração de Tillerson sugere que o presidente Trump não está satisfeito com o discurso banal, estreitamente focado no nível da tropa norte-americana. Contudo, considerando que todas as estratégias imagináveis já foram defendidas e tentadas na guerra afegã pelos governos anteriores de George W. Bush e Barack Obama – indo de "avançada" a Contrainsurgência e à retirada dos soldados – parece que Trump está fazendo as perguntas básicas.

As "perguntas duras" de Trump parecem visar itens específicos (não generalidades). Coisas como: Há quanto tempo os militares norte-americanos permanecem no Afeganistão? Podemos ganhar essa guerra? Como os EUA podemos lutar alguma guerra tendo por aliado um governo afegão local inapelavelmente fracassado? O que temos sobre o lado civil da política e da governança? A guerra é ou não é completo desperdício de muitos recursos – da ordem de $45-50 bilhões de dólares por ano? Há alguma chance razoável de sair dessa guerra com algum tipo de acordo com o estado afegão? Há probabilidade crível de algum resultado duradouro, estável, que justifique o custo da guerra? Afinal, feitas todas as análises, vale a pena permanecer lá?

Agora, isso tudo mete o Pentágono e a CIA num aperto realmente considerável. Uma coisa posso garantir com absoluta certeza sobre militares e agências de espiões pelo mundo é que são ótimos em 'passar o mico'. Se há coisa que não fazem é assumir responsabilidades por alguma derrota. Trump, claro, é macaco velho. Assim sendo, estará o presidente preparando o terreno para terceirizar a guerra afegã para forças militares mercenárias – ideia que conta com apoiadores poderosos na Casa Branca – o genro Jared Kushner e o estrategista chefe Steve Bannon?

Na 2ª-feira, o Financial Times trouxe matéria fascinante sobre um documento ao qual o jornal teve acesso, datado de agosto de 2017. Diz que Erik Prince, o mercador da morte no Iraque,[1] entregou o tal documento à Casa Branca, no qual detalha como, ao custo muito inferior [ao que o país gasta hoje na guerra afegã] de $10 bilhões ao ano, as forças militares privadas do próprio Prince podem substituir os militares dos EUA e dar um fim à guerra afegã.

Erik Prince disse uma vez em entrevista a Breitbart News que os EUA deveriam adotar os instrumentos da Companhia das Índias Orientais na Índia e terceirizar a guerra, entregando-a a mercenários que se infiltrariam no exército afegão e na verdade viveriam e combateriam ao lado dos soldados afegãos. Recomendou que Trump nomeasse um "vice-rei" que tomaria conta de todos os interesses dos EUA – da guerra, da agenda mercantilista, dos fundos financeiros, de manter em boa ordem os nativos etc.

O plano de Prince, para dois anos, estima que os mercenários receberiam $500-$600 por dia; que devem ser recrutados nos EUA, Grã-Bretanha, Alemanha, França, Suécia, África do Sul e Austrália.

Trump já mandou Mike Pompeo, chefe da CIA, para o Afeganistão semana passada para avaliar a estratégia dos EUA e avaliar como a proposta de Prince poderia encaixar-se. Prince, ele próprio ex-SEAL, é figura muito influente. A irmã dele (empresária bilionária Betsy DeVos) é Secretária de Educação no gabinete Trump.

 

NTs

[1] Ver "Erik Prince: Empresário, soldado, espião", Adam Ciralsky, Vanity Fair, jan. 2010, em Viomundo.

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/2017/08/08/trump-may-outsource-the-afghan-war/
Publication date of original article: 08/08/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=21179

 

Tags: AfeganistãoTerceirização da guerraGuerras imperialistasEUA
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.