TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 11/12/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UNIVERSAL ISSUES 
UNIVERSAL ISSUES / O Rei Sol e o Amigo Americano
Date of publication at Tlaxcala: 21/07/2017
Original: The Sun King and The American Friend

O Rei Sol e o Amigo Americano

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Mas e o que Donald Trump e o presidente francês Emmanuel Macron realmente conversaram durante aquela efusiva cena francesa 'dos rapazes'? Sendo a França, comecemos pelo que realmente conta: a gastronomia.

Sim, aquele jantar no restaurante Jules Verne de preços absurdamente caros de Alain Ducasse na Tour Eiffel. Ótima mesa junto à janela, com bela vista. Só os grandes, com esposas, Melania e Brigitte. Os Macrons são falantes fluentes de inglês. Nenhum vazamento escapou do Palácio Eliseu.

O jantar no Jules Verne e a nota (em €), que não foi paga por Marcelo Odebrecht

O restaurante é parte do império de Ducasse em expansão, gerenciado pelo empresário Xavier Alberti, casado com Audrey Bourolleau, que por acaso é conselheira de agricultura do presidente Macron.

Assim sendo, fica tudo em família. E a família expandida dos Macron é praticamente um quem-é-quem francês. Prevalece um grave equívoco, especialmente nos EUA, de que Macron seria outsider, lobo solitário anti-establishment. Nada mais longe da verdade.

Macron é o golden boy do establishment francês. Foi criado/apoiado por uma vasta galáxia neoliberal "pragmática", da Fundação Saint Simon ao Edmond de Rothschild Group, Instituto Montaigne e o think-tank Terra Nova, modelado pelo Instituto de Política Progressiva criado por Bill Clinton e Joseph Lieberman, e cuja tarefa é permitir que a vida econômica, política e social francesa seja fertilizada pela modernidade norte-americana.

O partido político de Macron – renomeado "República em Marcha" depois da vitória nas eleições presidenciais – foi de fato inventado do nada, no ano passado, no Instituto Montaigne. Abundam laços com a Fundação Rockefeller, o Instituto Aspen, o National Endowment for Democracy e os inevitáveis neoconservadores e Straussianos. Mas principalmente, o macronismo reflete a influência de Les Gracques, um grupo de funcionários civis da ala direita do Partido Socialista e gerentes de empresas dedicados a fazer que a França se torne alucinadamente neoliberal sem qualquer limitação ou controle.

Trump só pode mesmo invejar o status de Macron, que só uma minoria crítica consegue ver pelo que realmente é: um neo Rei Sol, que controla não só o braço executivo mas também o braço legislativo do governo, a mídia-empresa dominante e a própria imagem (Brigitte vive vestida da cabeça aos pés em Louis Vuitton, empresa do bilionário Bernard Arnault, aplicado macronista; a imagem do casal é supervisionada por Mimi Marchand, rainha ladina dos paparazzi parisienses).

Todo o espectro da oligarquia francesa é macronista. O que implica que, de fato, o outsider é Trump, – não só em Washington mas inclusive para a elite de Manhattan, que em essência o despreza.

Mandar uma Fusão&Aquisição prá cima de O Donald

Macron O Rei Sol, especialista em fusões e aquisições, não demorou a identificar e mergulhar num vácuo, abraçando Trump como O Amigo Americano enquanto o resto da União Europeia permanece previsivelmente paralisada pelas ramificações de "EUA em primeiro lugar" (orig. "America First").

'Especialistas' macronistas oficiais insistem que Trump, depois de conseguir o acordo de Paris, não deve permanecer autoisolado, no que tenha a ver com a Europa. Não passa de tática diversionista. O verdadeiro jogo é que Macron está tão frustrado quanto Trump, quando se trata dos superávits comerciais alemães "muito ruins – e, de um ponto de vista francês, por causa da obsessão da austeridade.

Assim sendo... o que fazer para roubar mais algumas noites de sono da chanceler Angela Merkel? Você eleva o gasto francês com a defesa acima dos 2%-do-PIB do padrão OTAN; você convida Trump para Paris e curte uma parada militar no Dia da Bastilha (completada com uma banda que toque Daft Punk, à qual Trump fez cara de quem não entendeu); e você se posiciona como principal interlocutor na União Europeia (UE). E quando a crise vier, qualquer crise, Trump telefonará para o Eliseu, não para Berlim ou Bruxelas.

O que Macron deseja para a Europa é um quadro de mercados sólidos de capitais, e uma união bancária; essa "restruturação" deve gerar trilhões de euros para o mercado de eurobonds. Macron não tem muito tempo para convencer Merkel-obcecada-por-autoridade de que esse é o caminho a seguir.

E há também a História da Grande Ásia

A Alemanha – bem como toda a máquina exportadora da União Europeia – sabe que o futuro é "Rumo ao Oriente". O comércio entre UE e China, Índia, Japão, Coreia do Sul e Sudeste da Ásia já supera em US$300 bilhões a.a. o comércio da UE com os EUA.

E já está acontecendo, mesmo antes de a UE assegurar status de "economia de mercado" à China, e antes do recentemente assinado acordo de livre comércio com o Japão.

As Novas Rotas da Seda, rebatizadas como Iniciativa Cinturão e Estrada [ing. Belt and Road Initiative (BRI)], com sua promessa de conectividade eurasiana total, são ganha-ganha comprovado, no que tenha a ver com seletos industriais alemães e investidores da UE. Diferente disso, na Think-tank-elândia norte-americana o tom predominante nas análises é desqualificar a Iniciativa Cinturão e Estrada como "um esquema" condenado a fracassar.

Macron está plenamente consciente de todas essas desconexões. E move-se por todo o espectro, tentando preencher qualquer vácuo. Identificou que o projeto de Trump, aquela sua política real para a Rússia, já foi enquadrado e paralisado pelo estado profundo dos EUA. Assim sendo, está conversando ativamente com Vladimir Putin – o que com certeza incluirá benefícios para o business ao longo do percurso.

Não está isolando o Irã, nem o lançando no ostracismo. Bem ao contrário, Macron sabe que investimento europeu futuro massivo na economia do Irã – de energia a infraestrutura – supera qualquer demonização infantiloide. Poderia ter convencido Trump de que se opor ao acordo nuclear com o Irã é proposta perdedora. O mais provável é que não o tenha feito – porque sabe que empresas francesas – não empresas dos EUA –, colherão negócios extra.

Trump sempre terá Paris

E isso nos leva de volta ao que foi realmente discutido em detalhes: Síria. Macron, abutre diplomado em questões de segurança nacional, já está muito longe do velho e já sem futuro "Assad tem de sair". E Trump não poderia concordar mais, quando Macron diz e repete que a ameaça n. 1 é o terror salafista.

Assim sendo, temos Putin, Trump e Macron praticamente em sincronia. Macron com certeza identificou o quanto a narrativa de prender-matar-arrebentar a Síria já está andando de lado – bem rápido. Aleppo já está dedicada ao futuro que a espera sem jihadistas. E a China já pensa na Síria como nodo da Iniciativa Um Cinturão uma Estrada.

Funcionários da União Europeia espalham que, sem mudança de regime, nem agora nem em futuro próximo, a UE não financiará a reconstrução da Síria pós-guerra: não passa de ameaça oca. Damasco já anunciou que China, Rússia e Irã terão preferência nos contratos de reconstrução. A OTAN, afinal, vive amasiada desde 2011 com os mudadores de regime.

Não se sabe ainda com certeza se Macron conseguiu gravar no cérebro d'O Amigo Americano que uma Síria livre de terroristas e unida é excelente para o business – e abre caminho para muitos outros negócios, em todos os fronts. Claro, assumindo-se que os atuais e futuros cessar-fogo sejam respeitados, e elementos bandidos do estado-profundo não estraguem o cenário.

Assim sendo, é hora de voltar ao atoleiro – e àquela velha histérica chorumela de Russiagate 24/7.

Sempre teremos Paris.

http://www.tlaxcala-int.org/upload/graphistes/g_2991.jpg

Josetxo Ezcurra, Tlaxcala

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://www.atimes.com/article/sun-king-american-friend/
Publication date of original article: 17/07/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=20986

 

Tags: Trump-MacronMacrôniaTrumplandFrança-EUAGuerra síria
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.