TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 24/10/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 USA & CANADA 
USA & CANADA / Depois da Síria e da 'mãe de todas as bombas', Trump finge de novo
Date of publication at Tlaxcala: 23/04/2017
Original: After Syria and ‘mother of all bombs’, Trump fakes again

Depois da Síria e da 'mãe de todas as bombas', Trump finge de novo

MK Bhadrakumar

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

A meio caminho zapeando pelos programas de TV no fim de semana pelos dois dos principais canais  em língua malaiala , afinal me convenci de que algum "pensador estratégico" cabeça-fraca local, sem dúvida, andou espalhando um boato segundo o qual a 3ª Guerra Mundial está a caminho, 'porque' o presidente dos EUA Donald Trump abandonou suas promessas de campanha e abraçou as políticas imperialistas clássicas dos EUA – que os mísseis contra a Síria, a detonação da 'mãe de todas as bombas' e as nuvens de guerra sobre a Coreia do Norte são claros sintomas do Armageddon.


O Pai
de todas as guerras, a mãe de todas as bombas, por Khalid Hussain, The Nation, Paquistão

Claro, tentei raciocinar e pus-me a detalhar, porque é evidência empírica, que muito do que está acontecendo explica-se mais facilmente pela confusão reinante em Washington, sob presidente desesperantemente sitiado, e que as coisas estão na realidade muito distantes do que a vista alcança.

Assim que, hoje, tive um ataque de riso, ria sem poder me controlar, quando começaram a aparecer matérias na mídia dando conta de que, sim, o show de força de Trump no Extremo Oriente não passou de jogada de cena. A formidável armada norte-americana, o porta-aviões Carl Vinson e todo um grupo de ataque parece que nunca tomaram o rumo da Coreia do Norte! Foi 'pegadinha'!

Sempre suspeitei de alguma coisa como um acordo, construído por trás dos panos entre EUA e China; que a pantomima era complicada e, talvez, absolutamente inacreditável. A primeira nuvem de suspeita surgiu quando analistas chineses começaram a sinalizar, ainda muito vagamente, que, se ambas, Pyongyang e Washington mostraram-se capazes de pensar, não seria por coincidência, mas porque os dois lados davam-se conta de que nenhum deles poderia atirar a primeira pedra. Claro, analistas chineses jamais reconheceriam que Pequim tivesse atuado como uma espécie de avalista do destino de Pyongyang, garantindo que Trump não atacaria a Coreia do Norte nem cogitava decapitar o regime de Kim Jong-un.

Nisso, os chineses e eu concordamos integralmente, talvez porque, cá do nosso lado, todos rezamos o credo do materialismo dialético. Também creio firmemente que a economia dos EUA absolutamente não está em condições que permitam iniciar uma guerra imperial, seja onde for nesse planeta, e que Trump sabe disso melhor que qualquer outro nos EUA. O que, afinal de contas, apenas explica a insistência com que repetiu e prometeu durante a campanha, que reconstruiria a máquina militar dos EUA e faria dela outra vez a mais poderosa máquina de guerra que o mundo jamais viu, e restauraria o prestígio e a influência dos EUA em todo o mundo, mas não como potência intervencionista, e que usaria com extrema moderação o poder norte-americano, só se os interesses dos EUA fossem ameaçados – e, mais importante, que o núcleo duro da doutrina de sua política exterior seria "EUA em primeiro lugar" [ing. America First], o que a tornava absolutamente diferente e inconfundível, seja com a de Barack Obama seja com a de Hillary Clinton.


Hassan Bleibel, Líbano

Agora, reproduzo adiante alguns excertos de um comentário chinês, publicado hoje no jornal do Partido Comunista, Global Times:

  • Muitos observadores dizem que a península coreana aproxima-se do ponto de máxima volatilidade, mas a probabilidade de guerra permanece baixa. Há sinais de que o presidente Donald Trump dos EUA recorrerá a política mais dura para Pyongyang que seu antecessor (...) Mas não agirá precipitadamente (...) Trump não esquecerá o que prometeu na campanha eleitoral. Por mais que creia vigorosamente que a política exterior dos EUA é efeito do seu poderio militar, ele de modo algum dependerá, para fazer "a América grande outra vez", exclusivamente da capacidade militar. Em futuro próximo, o governo Trump começará a dar mais importância à economia, emprego e imigração, que à diplomacia (...) A nova administração já deixou bem claro que, em vez de tentar uma operação de mudança de regime, aplicará "pressão máxima" sobre Pyongyang, e oferecerá engajamento pacífico com o regime da Coreia do Norte, se e quando mudar seu modo de agir.
  •  Os interesses nacionais e as políticas domésticas dos EUA, especialmente o apelo político dos cidadãos norte-americanos, determinaram que Trump tenha de dar prioridade absoluta às questões domésticas (...) Assim se demonstra o lado pragmático e flexível do novo governo. Se os EUA realmente implementarem a nova política, a comunidade global verá que o país mais poderoso do mundo consome mais tempo e energia com suas questões domésticas. Circunstâncias futuras em torno de Pyongyang muito provavelmente entrarão em nova fase.


Ok, mas... isso significa que a China baixará a guarda? Não, de modo nenhum. Que ninguém se engane: a China absolutamente não se exporá a qualquer risco no ambiente político instável no qual Trump opera. Assim, também se expediram sinais bem claros na direção dos EUA, de que qualquer tipo de ataque militar contra a Coreia do Norte imediatamente e inevitavelmente disparará uma intervenção militar chinesa. Eis o que se lia num editorial de Global Times na 3ª-feira:

  • O povo chinês não permitirá que seu governo permaneça passivo se e quando exércitos de EUA e Coreia do Sul iniciarem qualquer guerra e tentarem depor o regime de Pyongyang. Os chineses absolutamente não deixarão que aconteça nada desse tipo, especialmente no mesmo território onde o Exército Voluntário Chinês combateu no início dos anos 1950s. Aquela terra é coberta de sangue dos soldados chineses que ali combateram bravamente no inícios dos anos 1950. Além disso, se Pyongyang for tomada por exércitos aliados dos EUA e Coreia do Sul, haverá mudança dramática na situação geopolítica na Península Coreana.


Interessante: o China Daily do Partido Comunista da China noticiou hoje que o presidente Xi Jinping na condição de presidente da Comissão Militar Central reforçou, em reunião com os comandantes do Exército de Libertação Popular, a imperativa necessidade de se manterem todos em "prontidão para combate" (China Daily).

Tudo isso considerado, o que vem pela frente? Meu prognóstico: Pequim está ativamente promovendo conversações diretas entre EUA e Coreia do Norte sem nenhuma pré-condição, que devem acontecer em futuro próximo. Estará Trump bem perto de satisfazer seu desejo de comer um xisburguer com Kim, no McDonald – como disse certa vez? Bem-vindos à era Trump da política mundial.

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/2017/04/19/after-syria-and-mother-of-all-bombs-trump-fakes-again/
Publication date of original article: 19/04/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=20334

 

Tags: Mãe de todas as bombasAtaque de míssiles sobre SíriaTrumpImperialismo EUAAfeganistãoCoreia do NorteChina
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.