TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 19/08/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 USA & CANADA 
USA & CANADA / Pentágono & ISIS/Daech: o alvo é o Irã
Date of publication at Tlaxcala: 03/04/2017
Original: Pentagon - and Daesh - Target Iran
Translations available: Français 

Pentágono & ISIS/Daech: o alvo é o Irã

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Na 4ª-feira (29 de marzo), o general Joseph Votel comandante do Comando Central (CENTCOM) do Exército dos EUA mobilizou todo o Dr. Fantástico que nele habita, diante da Comissão das Forças Armadas da Câmara de Deputados dos EUA.

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_15689.jpg

"Temos de procurar oportunidades nas quais possamos quebrar [o Irã], por meios militares ou outros."

Por mais Orwellianos que sejam nossos tempos, a ideia de Votel ainda é declaração de guerra. Com a consequência nela embutida de reduzir a pó de traque o acordo nuclear da ONU, firmado com o Irã no verão de 2015.

Joseph Fantástico Votel não se deu o trabalho de medir palavras.

O Irã é uma das maiores ameaças contra os EUA hoje (pela doutrina oficial do Pentágono, é a ameaça n. 4, depois de Rússia, China e Coreia do Norte). Irã ampliou seu "papel desestabilizador" e impõe "a maior ameaça de longo prazo" contra todo o Oriente Médio.

O Irã é sorrateiro: "Creio que o Irã opera no que chamo 'uma zona cinzenta'." É a tal zona cinzenta é "uma área entre competição normal entre estados – apenas um passo antes do conflito aberto".

O Irã está envolvido em "facilitação de ajuda letal"; no uso de "forças substitutas"; cheias de "ciberatividades".

Os EUA "não observaram qualquer melhoria no comportamento do Irã." O tal cara/país sorrateiro em questão ainda impõe "ameaças críveis" mediante seu "potencial de armas nucleares" e programa "robusto" de mísseis balísticos.

Pronto. É isso. Vamos lá e acabamos com eles.

A Jihad sem fim do CENTCOM

A via fácil seria caracterizar esse chilique de adolescente de gangue de transviados como trazido até vocês sob o alto patrocínio dos petrodólares do Fundo Casa de Saud.

Ou esquecer que Joseph Fantástico Votel – falando para exatamente o mesmo público que, apesar de toda a sopa de letrinhas e os multibilhões da 17 agências de inteligência dos EUA dizerem e repetirem e repetiram em incontáveis relatórios da Inteligência Nacional que o Irã não tem programa nuclear nem planeja ter –, ainda insistia, ali, anteontem, em denunciar uma "ameaça nuclear" iraniana.

Mas a realidade supera a ficção.

Ninguém menos que o Estado Islâmico/ISIS/Daech distribuiu um vídeo em farsi – acompanhado de uma mensagem ao Supremo Líder Aiatolá Khamenei – no qual declaram guerra ao Irã porque não passam de xiitas apóstatas e "toleram" judeus.

Não, não, não é sketch de Monty Python. Fomos empurrados para uma situação, mais estranha a cada minuto, de um CENTCOM que invadiu e ocupou Afeganistão e Iraque; distribuiu morte e destruição a mancheias; provocou crise monstro, gigantesca, terrível, de refugiados; está novamente em guerra no Iraque; continua dedicado a tentar mudar o regime na Síria por todos os meios; "comanda pela retaguarda" a destruição do Iêmen pelos sauditas... e agora aparece em todas as mídias do planeta, autoapresentando-se como aliado de facto do Daech – que o próprio CENTCOM deixou que inchasse e apodrecesse –, para destruir o Irã.

Pode-se chamar de "a Jihad do CENTCOM".

http://tlaxcala-int.org/upload/gal_15691.jpg

Joseph Fantástico Votel tomou conta do espetáculo imediatamente depois de o eixo neoconservador/neoliberal ter-se posto a berrar histericamente a própria Russofobia – e Iranofobia – por toda a Av. Beltway em Washington e por todos os cantos, celebrando o que para eles foi como saboroso pirulito geopolítico: um encontro entre o presidente Hassan Rouhani do Irã e o presidente Vladimir Putin da Rússia, no imponente Grande Palácio do Kremlin em Moscou. Ou, no vocabulário neoconservador: "os mulás" uniram-se a "Hitler".

Houve desdobramentos previsíveis: o ministro de Relações Exteriores Javad Zarif confirmou que, sim, os militares russos podem usar bases aéreas no Irã que serão "autorizadas caso a caso" – essencialmente para combater contra jihadistas salafistas na Síria, como já aconteceu em agosto do ano passado, quando bombardeiros Tu-22M3 de longo alcance e Su-34s decolaram da base aérea de Hamadan para missões.

Mas, como Rouhani e Putin deixaram bem claro, a reunião decidiu muito mais que questões de simples cooperação em campo, no chão, para uma verdadeira guerra, guerra real, contra o terror.

A parceria agora inclui ampliar e intensificar o comércio; os investimentos em energia; intercâmbio científico; duas novas usinas nucleares que a Rússia construirá em Bushehr, local do primeiro reator iraniano; admissão do Irã como membro da Organização de Cooperação de Xangai; e, em futuro próximo, a possiblidade de Rússia-China ajudarem as instituições bancárias iranianas.

Com a Casa Branca tentando agir, aproximando-se a primeira visita oficial do Secretário de Estado "T.Rex" Tillerson à Rússia, em duas semanas, as "aberturas para o Irã" estão sendo embaladas preventivamente como um dos problemas mais graves que impediriam qualquer tipo de acordo; é mais um movimento na mesma linha dos velhos memes sempre ressuscitados, da "agressão russa" na Ucrânia, na Europa Oriental e no ciberespaço.

Porque para o Pentágono, a cooperação Irã-Rússia é anátema – na Síria ou em qualquer outro lugar, especialmente depois de Aleppo. Esse item casa-se muito bem com a visão de mundo do Richelieu/Macchiavelli da Casa Branca, Steve Bannon; Bannon era oficial da Marinha durante a crise dos reféns no Irã, e para ele o Irã é ameaça tão grave quanto para os figurões do Pentágono.

Assim sendo, o que está sendo vendido para a opinião pública interna nos EUA não poderia ser mais assustador: o Irã "desestabiliza" todo o Oriente Médio, e a Rússia "desestabiliza" a Europa Oriental, os Bálcãs Ocidentais, a Ucrânia, pode-se dizer todo o planeta.

Que acordo nuclear?

Finalmente o mapa do caminho traçado em Washington de o que fazer do Irã está sendo completamente exposto; mais sanções e mais duras; provocações sem parar, combinadas com ativa lavagem cerebral da opinião pública ocidental; ações clandestinas; e por fim, mas nem por isso descartável, guerra total.

O senador Bob Corker, presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado está ativamente promovendo o projeto de Lei para Reagir contra Atividades Iranianas para Desestabilizar os EUA [ing. Countering Iran’s Destabilizing Activities Bill o qual, se aprovado, enterrará o compromisso dos EUA com o acordo nuclear patrocinado pela ONU; declarará "organização terrorista" o Corpo de Guardas Revolucionários do Irã; e abrirá as portas para mais uma inundação de sanções.

É possível também que não passe de surto de cão-que-ladra-não-morde. Qualquer um/uma que tenha lido os muros da Avenida Beltway sabe que a parceria estratégica Irã-Rússia é um dos três nodos essenciais, com a China, na grande história do jovem século 21; com integração da Eurásia e Rússia e Irã arrematando a equação da energia, e a China como locomotiva de investimentos. E não há muito que os EUA possam fazer para impedir que aconteça assim.

Mais uma vez portanto, os cães da demonização ladram, e caravana eurasiana segue adiante.





Courtesy of Tlaxcala
Source: https://sputniknews.com/columnists/201703311052129206-pentagon-daesh-war-iran/
Publication date of original article: 31/03/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=20173

 

Tags: EUA-IrãCENTCOMISIS/DaeshGuerras imperialistas
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.