TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 26/06/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 UMMA 
UMMA / Dores do parto de um novo Oriente Médio
Date of publication at Tlaxcala: 20/03/2017
Original: The 'Birth Pangs' of a New Middle East, Remixed

Dores do parto de um novo Oriente Médio

Pepe Escobar Пепе Эскобар

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

Vocês todos lembram bem do que a ex-secretária de Estado dos EUA Condi Rice previu em 2006 em matéria de "dores do parto de um novo Oriente Médio". Fiel ao regime de George "Dábliu" Bush/Cheney, Condi errou tudo, fragorosa e espetacularmente, não só sobre o Líbano e Israel, mas também sobre Iraque, Síria e a Casa de Saud.

O governo Obama aplicadamente manteve uma tradição que se pode chamar sem medo de errar de Escola Sex Pistols de Política Exterior ("no future for you" [não há futuro para você]). Ela está perfeitamente exposta pela imbatível porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Rússia Maria Zakharova, em poucas e precisas palavras.

Zakharova chama a atenção para a evidência de que a Equipe Obama só bateu cabeça: "Um dia, bombardeamos tudo; dia seguinte, nada de bombas; mais um dia, retiram-se da Síria; dia seguinte, invadimos a Síria; um dia derrubamos o governo; dia seguinte, nos acertamos com ele, para 'ação conjunta'. Essas flutuações aconteceram mês após mês... Um lado do governo não compreende o que o outro lado faz." E no fim, "concentraram-se em Aleppo, mas não para resolver alguma coisa, só para inflar o mais possível a histeria e uma campanha de (des)informação orientada exclusivamente para as eleições."

E isso nos leva na direção dos adultos na sala na era Trump, os que estão realmente monitorando as dores do parto do verdadeiro novo Oriente Médio: a Rússia.

Aquela base iraniana em Latakia

Comecemos pela recente visita que o primeiro-ministro de Israel Bibi Netanyahu fez ao presidente Putin.

Bibi chegou a Moscou inflado de pensamento bíblico desejante, essencialmente para tentar seduzir Putin, levá-lo a pôr de lado a parceria estratégica com o Irã e – para completar, puxá-lo para a gangue muito propagandeada da coalizão anti-Irã e antixiitas chamada "OTAN árabe" liderada pelos EUA pela retaguarda, na qual se vê Israel na cama com um bando de petromonarquias do CCG e associados menores (Jordânia e Marrocos).

Bibi está desesperado porque o Irã, com fatos em campo (combatentes iranianos e o Hezbollah) em parceria com fatos no céu (aviação russa), está realmente vencendo a guerra por procuração que se trava na Síria, por Damasco. E aconteça o que acontecer depois das negociações de Astana, Teerã se manterá firmemente plantada na Síria – para ultraje ultrabalístico do combo OTAN-CCG-Israel.

Implicação paralela é que Israel não pode mais atacar o sul do Líbano. Mês passado, em Teerã, tive a confirmação de que o Hezbollah tem hoje mais de 40 mil combatentes estacionados e/ou monitorando um labirinto de instalações subterrâneas, prontos para defender o Líbano contra qualquer coisa que o ameace; é força mais de dez vezes superior à que havia em 2006, quando da tentativa de invasão da qual Israel foi forçado a uma retirada humilhante.

Nada há que Bibi possa oferecer a Putin – além de promessa vaga, sem substância, de que ordenará ao poderoso lobby israelense ativo em Washington que suavize a demonização ensandecida, histérica, 24 horas/dia, sete dias por semana, contra a Rússia.

Ao mesmo tempo, há notícias de que o presidente Bashar al-Assad da Síria deu luz verde para a construção de uma base naval iraniana em Latakia, próxima da base aérea  Hmeymim usada pelas Forças Aeroespaciais da Rússia. Aconteceu depois que Mohammad Bagheri, Comandante do Estado-maior das Forças do Irã, fez saber que a Marinha do Irã logo precisaria de bases na Síria e no Iêmen.

Teerã enviou à Síria, principalmente, conselheiros e instrutores militares; mas o Corpo de Guardas Revolucionários Islâmicos [ing. Islamic Revolutionary Guard Corps (IRGC)] também contribuiu com soldados altamente treinados e combatentes experientes.

Em Teerã, tive o prazer de conhecer o major-general Mohammad Ali Jafari, comandante geral do IRGC e supremo organizador/especialista em táticas para guerra assimétrica, com vasta experiência adquirida durante a guerra Irã-Iraque e nos sucessos do Hezbollah no Líbano em 2006.

Equivale a conhecer pessoalmente o comandante do Marine Corps, general Joseph Dunford, comandante do Estado-maior dos EUA –, mas sem a encenação, a pompa e a circunstância. Homem cortês, Jafari não teve tempo para entrar em detalhes, mas outras fontes confirmaram que, sem o seu profundo conhecimento das reais circunstâncias dos combates, Damasco estaria hoje provavelmente em situação dificílima.

O que a Rússia quer na Síria

Aqui, uma entrevista com o vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia Mikhail Bogdanov, ex-embaixador em Telavive e no Cairo, hoje também representante especial do presidente Putin no Oriente Médio e o qual, metaforicamente, reabriu as águas do Mar Vermelho.

Bogdanov ofereceu aos públicos árabes um guia conciso para compreender a política da Rússia para o Oriente Médio – absolutamente o oposto da estúpida demência neoconservadora das 'mudanças de regime' dos EUA.

Comparou as "dezenas de milhares" de mercenários jihadistas salafistas em guerra contra Damasco e a presença militar russo-iraniana oficialmente requisitada pelo "governo legítimo". Descartou a noção pervertida de que o Irã estaria exportando a revolução islamista (que se aplicava no início dos anos 1980s). Destacou que Moscou quer uma espécie de entente cordiale EUA-Irã – com (pouco provável) a Casa de Saud no mesmo pacote. As negociações podem acontecer em Moscou ou noutro local.

O Kremlin, nas palavras de Bogdanov, quer uma Síria secular, que ultrapassa os sectarismos e que brote de eleições livres e justas supervisionadas pela ONU. Como se poderia prever, as palavras dele quase nem disfarçavam a exasperação que gera em Moscou a obsessão de Washington com manter Teerã fora das negociações de paz na Síria. E descartou firmemente a ideia de os "rebeldes moderados", cujo único objetivo é "Assad tem de sair", serem levados a julgamento em Haia ("Se o objetivo for esse, a guerra pode durar para sempre").

E no final, o gancho de suspense para 'os próximos capítulos': "A Rússia opera sob o princípio da legitimidade internacional. Estamos comprometidos com o princípio da não interferência nos assuntos internos de qualquer país, incluindo a não interferência nos assuntos internos do nosso país. Respeitamos o processo democrático. Não respeitamos revoluções coloridas."

Membros da Equipe Trump talvez cultivem a noção loucamente desejante segundo a qual Moscou barraria Teerã – não só na Síria, mas também em termos de integração da Eurásia. Sem chance. E avisem lá a Casa de Saud.

A Casa de Saud gastou fortunas investindo numa mudança de regime na Síria, que seria provocada pela ação de jihadistas salafistas; e numa guerra contra o Iêmen que os sauditas jamais conseguirão vencer, guerreada com armas norte-americanas, que já gerou fome em massa. Moscou talvez consiga, com o tempo, instilar algum senso geopolítico em Riad? Mais uma vez: sem chance. Porque a Casa de Saud agora se meteu na cabeça que o seu melhor aliado é o presidente Trump.

Encurralada em termos geopolíticos, incapaz de se livrar sozinha das amarras da paranoia que é sua marca registrada, a Casa de Saud decidiu ir para a ofensiva, com o rei Salman investindo num perdulário tour asiático, Pequim incluída, onde fechou uma montanha de negócios, e com o príncipe coroado Mohammad bin Salman – na verdade o 'príncipe guerreiro', responsável pelo continuado massacre de civis no Iêmen – cortejando Trump em Washington.

Disso resultaram as 'notícias' de que a Arábia Saudita será "conselheira muito próxima" de Trump para assuntos de segurança e economia do Oriente Médio, incluindo a tragédia palestina e o acordo nuclear iraniano. Nenhum círculo do "Inferno" de Dante ofereceria receita mais perfeita para "dores de parto" de tragédia sem alívio para algum novo Oriente Médio.

Todos os olhos postos nos curdos sírios

Como se poderia prever que acontecesse e aconteceu, nem Moscou nem Teerã foram convidadas para a reunião anti-Daech, de 68 países, que acontecerá em Washington na próxima semana. Mais um capítulo da guerra hardcore de informação: não é admissível que a opinião pública norte-americana conheça a verdade: que Rússia e Irão estão realmente fazendo – e vencendo – a única guerra séria ao terror que há no mundo.

Esmagar o Daech é uma das principais promessas de campanha de Trump. Jamais conseguirá coisa alguma com várias centenas de US Marines de olhos fixos em Raqqa – por falar dela: tecnicamente é invasão; sem importância, mas invasão, porque Damasco não solicitou a presença de qualquer Marine. Assim sendo, os EUA só conseguiram retroceder para o Plano A, também conhecido como "Curdos Sírios".

Primeiro, o mais alto comandante dos EUA no Oriente Médio general Joseph Votel foi até Kobane para prometer apoio do Pentágono às Forças Sírias Democráticas [ing. Syrian Democratic Forces (SDF)] lideradas pelos curdos. Depois, o Pentágono distribuiu sua estratégia para derrotar o Daech (revista) que Trump mandou o Pentágono fazer – e que se resume a "Ninguém dorme até Raqqa".

Isso implica um alinhamento geopolítico completamente novo. A equipe Obama – especialmente a CIA e o Departamento de Estado – era refém da visão turca de que os curdos seriam "terroristas". Mas não Trump. Nem, por falar dele, Bogdanov: "Por que a Turquia aceitou um Curdistão Iraquiano, mas não aceita um Curdistão na Síria? Acho que não é assunto da Turquia. É assunto iraquiano e assunto sírio. O povo sírio – não o Estado russo ou o Estado turco – deve decidir."

O Pentágono está, para dizer com elegância, 'de saco-cheio' com Ankara. Razões não faltam: desde os expurgos sem fim (que expulsaram espiões norte-americanos estrategicamente plantados dentro do governo turco), até a reaproximação Turquia-Rússia, implícita na ameaça feita por Erdogan, de que se pivoteará para o Oriente, sem dar explicações, no caso de Washington apoiar os curdos sírios, e/ou se Fethullah Gulen – que Erdogan acusa de ser o cérebro por trás do fracassado golpe militar para derrubá-lo em 2016 – não for extraditado.

Assim sendo, eis só um gostinho da nova cheesecake com molho de amoras que rola na cidade: Washington, Moscou e Teerã, todas aliadas em apoio aos curdos sírios.

Que é complicado, sim, claro que é. Nas negociações em Astana, Turquia, Rússia e Irã estão teoricamente do mesmo lado. Mas Teerã apoia uma espécie de autonomia curda na Síria – o que é anátema para Erdogan, para quem a única autonomia curda admissível é a de seus amigos controlados por Barzani no Curdistão Iraquiano.

Cabe a Moscou construir um ponto de equilíbrio – se conseguir explicar a Ankara que não há outra saída, além da autoadministração curda-síria numa futura Federação Síria. É conceito extremamente ambicioso: Moscou quer mostrar a Oriente e Ocidente como os sírios curdos, ator sírio realmente não islamista, ator sírio secular, são o instrumento perfeito para combater o Daech e outras formas de jihadismo salafista.

Não surpreende que a Arábia Saudita não dê sinais de ter ficado impressionada: combater contra o Daech jamais foi prioridade dos sauditas. Mas o que realmente conta é que Ancara ainda não foi persuadida.

Erdogan está totalmente focado no referendo que se aproxima, e que pode convertê-lo numa espécie de sultão-presidente. Para vencer de modo decisivo, ele tem de cortejar o nacionalismo turco, por todos os meios necessários. Ao mesmo tempo, geopoliticamente, não pode, ao mesmo tempo, ir contra Rússia/Irã e também Washington.

Há apenas poucas semanas ninguém teria imaginado que os curdos sírios viessem a ter potencial estratégico de alavancagem suficiente para virar de pernas para cima a geopolítica do Oriente Médio – ligado à Ásia, África e Europa. O projeto chinês One Belt, One Road (OBOR) [Um Cinturão, uma Estrada] – aquele frenesi de construção de portos, oleodutos, gasodutos, trilhos para trens de alta velocidade – visa diretamente a passagem do Sudoeste da Ásia, do Irã (nodo chave) para a Arábia Saudita (principal fornecedor de petróleo para a China). A Síria também é um dos nodos futuros do projeto OBOR chinês – e, para isso, a Síria tem de ter paz e estar livre de jihadistas salafistas. Silenciosamente, ao modo discreto da integração da Eurásia, a China apoia o que Rússia e Irã estão decidindo.

Nesse momento já se vê muito mais claramente quem está configurando as dores do nascimento de um Novo Oriente Médio: não é Israel. Não é a Casa de Saud. E não é exatamente Trump.

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://sptnkne.ws/dQmx
Publication date of original article: 17/03/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=20104

 

Tags:  Guerra da SíriaRússia IrãEUAArábia Saudita TurquiaCurdistão
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.