TLAXCALA تلاكسكالا Τλαξκάλα Тлакскала la red internacional de traductores por la diversidad lingüística le réseau international des traducteurs pour la diversité linguistique the international network of translators for linguistic diversity الشبكة العالمية للمترجمين من اجل التنويع اللغوي das internationale Übersetzernetzwerk für sprachliche Vielfalt a rede internacional de tradutores pela diversidade linguística la rete internazionale di traduttori per la diversità linguistica la xarxa internacional dels traductors per a la diversitat lingüística översättarnas internationella nätverk för språklig mångfald شبکه بین المللی مترجمین خواهان حفظ تنوع گویش το διεθνής δίκτυο των μεταφραστών για τη γλωσσική ποικιλία международная сеть переводчиков языкового разнообразия Aẓeḍḍa n yemsuqqlen i lmend n uṭṭuqqet n yilsawen dilsel çeşitlilik için uluslararası çevirmen ağı la internacia reto de tradukistoj por la lingva diverso

 22/09/2017 Tlaxcala, the international network of translators for linguistic diversity Tlaxcala's Manifesto  
English  
 ABYA YALA 
ABYA YALA / OTAN às portas da América Latina
Date of publication at Tlaxcala: 20/02/2017
Original: La OTAN a las puertas de América Latina
Translations available: Italiano  Français 

OTAN às portas da América Latina

Luis Britto García

Translated by  Coletivo de tradutores Vila Vudu

 

1

 

A agenda da direita ibero-americana é fixada na Espanha por uma Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales (FAES) patrocinada por Felipe González, e dedicada a "incorporar a América Latina ao Ocidente".

Com "O objetivo comum de derrotar democraticamente o projeto do socialismo do século 21", a FAES propôs em 2007 uma "Agenda para a Liberdade" que inclui criar uma "Internacional de las Derechas"; pôr fim ao ensino universitário gratuito e proibir as expropriações. Para isso, "América Latina deve cooperar em matéria de segurança e da luta contra o terrorismo internacional ao lado de Europa e América do Norte, mediante a criação de uma associação estratégica entre OTAN e Colômbia". Assinam o documento Julio Borges e Leopoldo López.

 


2

Em 2016, o presidente Santos confessa que prepara uma associação estratégica de seu país com a Organização do Tratado do Atlântico Norte, OTAN. Não é a primeira vez que a República Irmã subordina seus exércitos a interesses imperiais. Em 1901, forneceu 6.000 soldados para que Carlos Rangel Garbiras invadisse a Venezuela e impedisse a devolução da Gran Colombia. A partir de 1951, enviou três fragatas e 4.750 efetivos, para morrerem na guerra da Coreia. Milhares de mercenários colombianos servem no Exército dos Emirados Árabes, em Dubai, Afeganistão, Iêmen...

3

A associação criminosa conhecida como OTAN compreende 28 Estados-membros, 22 países que apoiam a OTAN na "Aliança para a Paz", e 15 colaboradores; domina 75% do gasto armamentista do planeta e ampliou suas operações. Enquanto existiu a União Soviética, a OTAN permaneceu limitada a fazer espalhafatosos exercícios militares, a viver à custa dos países que ocupava e fingir que defendia o mundo contra os soviéticos. Quando esses desapareceram, em vez de a OTAN dissolver-se, aproveitou a falta da grande potência que garantisse o equilíbrio mundial e desencadeou uma sucessão de genocídios contra Sérvia, Afeganistão, Iraque, Somália, Líbia, Iêmen e Síria.

4

Somadas as bases da OTAN e dos EUA totalizam 785 bases militares no mundo. Na Argentina, a OTAN opera as bases de Malvinas, Georgias e Sandwich; no nosso Atlântico Sul, as de Tristan da Cunha, Santa Helena e Ascensión. Os USA é estado-membro da OTAN: devem-se somar também as sete bases norte-americanas na Colômbia e várias dezenas delas encravadas na América Latina. O corredor estratégico do Plano Puebla-Panamá começa nos EUA e entra na América Latina, apoiado num exército colombiano de meio milhão de homens, segundo o Orçamento da Defesa da Colômbia.

Essa milícia gigante não tem outra função que não seja assinar "Acordos de Paz", até que assuma como sua a função de liberar o próprio território colombiano, varrendo daqui as bases estrangeiras que o ocupam. Mais de meio século lutando contra o próprio povo. O Exército da Colômbia jamais dedicou um dia de luta, que fosse, para combater contra o Império que lhe roubou o Panamá.

5

O propósito desse aparato caríssimo é sufocar pela força a soberania e os movimentos progressistas de nossos países, para apoderar-se das riquezas e da mão de obra da região. Não é pouca coisa ter como vizinha a mais poderosa aliança militar do mundo, que tem recursos dos quais depende o destino do mundo.

A última estratégia do Império é terceirizar suas guerras mediante aliados, mercenários, sicários, paramilitares ou fantoches.

A situação exige a mais contundente resposta da Alba, da Unasul, da Celac e do Mercosul. Em última instância, esse cerco visa também a aniquilar o Brasil, país-membro dos Brics e principal concorrente potencial dos EUA no hemisfério.

A luta por nossa independência não terminou em Ayacucho. Guerra avisada não rouba a soberania.

 

 

 





Courtesy of Tlaxcala
Source: http://luisbrittogarcia.blogspot.com/2017/01/otan-la-puerta.html
Publication date of original article: 15/01/2017
URL of this page : http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=19942

 

Tags: OTANColômbiaEUAImperialismo EUAAbya YalaAmérica Latina
 

 
Print this page
Print this page
Send this page
Send this page


 All Tlaxcala pages are protected under Copyleft.